sexta-feira, agosto 19, 2022

“Estamos todos já cansados da luta”, afirma Chico Maranhão

Chico Maranhão
Em 2019, um encontro com Chico Maranhão no bar de refugiados palestinos Al Janiah, em São Paulo, resultou na entrevista a seguir, que por motivos alheios ficou inédita até este momento. A publicação de Lembranças Lenços Lances de Agora, de Celso Borges, dá oportunidade de reparar o ineditismo, já que Maranhão, então lançando o álbum duplo Contradições (2018), fala de muitos dos assuntos abordados no...

O homem que ostentou o Maranhão no nome

Chico Maranhão
"Nós sonhamos mais do que realizamos", afirma o compositor, cantor e arquiteto Chico Maranhão no livro Lembranças Lenços Lances de Agora, escrito pelo jornalista, poeta e letrista Celso Borges. Ele se refere aos brasileiros do Maranhão de modo coletivo, mas numa argumentação que merece ser reproduzida e pensada por brasileiros de quaisquer estados, mesmo aqueles que acreditam ser as vanguardas de nossos sonhos...

Amizade (e parceria) celebrada com música

Os parceiros Rogério Batalha e Moacyr Luz. Foto: Marluci Martins. Divulgação
Parcerias de Moacyr Luz e Rogério Batalha ganham vida na voz de 10 intérpretes, acompanhados pelo violão de Carlinhos Sete Cordas Luz e Batalha são características do povo brasileiro, embora muitos queiram retirar-lhes ou negar-lhes: o país tropical abençoado por Deus e bonito por natureza, como cantou Jorge Benjor, de praia, samba, carnaval e futebol, de riso fácil e farto,...

Quinteto Violado, cinquentão

Quinteto Violado, 1973
Completados 50 anos de atividade, a banda pernambucana Quinteto Violado adquire ares de insólita instituição, como prova a biografia Lá Vêm os Violados - Os 50 Anos da Trajetória Artística do Quinteto Violado, do jornalista paraibano-pernambucano José Teles. O livro, versão ampliada pela Companhia Editora de Pernambuco (Cepe) de um lançamento original de 2012 (pelo selo Bagaço), inicia nos primórdios e chega...

Rodger Rogério volta a pisar o “Chão Sagrado” da música nordestina

Lançado há 47 anos, o LP Chão Sagrado (RCA, 1975) tornou-se uma espécie de manifesto do chamado Pessoal do Ceará, uma das mais importantes comunidades musicais da MPB. Sua consistência conceitual, a diversidade de temas e gêneros (blues, baião, soul, uma ária de ópera), certo sabor psicodélico e a feliz simetria das vozes dos artistas (os cearenses Rodger Rogério...

Fernando Catatau, nostalgia e melancolia

Fernando Catatau
Assim se passaram 20 anos, e o jovem líder da banda cearense de rock Cidadão Instigado virou um homem grisalho, compenetrado, a um tempo sério e manso. No ano em que completa 51 anos, Fernando Catatau lança uma tardia estreia solo, batizada apenas com seu nome, em que radicaliza na sofisticação sonora e numa placidez musical apenas esboçada em certas passagens do Cidadão...

O canto de despedida de Airto e Flora

Flora Purim em show de despedida no Sesc Belenzinho, em janeiro de 2022 - fotos Junior Pacheco
"Nos encontramos em um outro mundo. Em uma outra dimensão." Flora Purim se despediu assim da plateia paulistana que ocupava as poltronas não esvaziadas pela covid do Sesc Belenzinho, no final de semana passada, e quem estava lá sabia: os dois shows da dupla foram previamente anunciados como a despedida dos palcos da cantora e de seu parceiro e marido,...

“Lances de agora” e sempre

Lembranças, lenços, lances de agora. Capa. Reprodução
O poeta e jornalista Celso Borges se debruça sobre São Luís e o universo de Chico Maranhão para contar a história de “Lances de agora”, obra-prima lançada pelo compositor em 1978 Uma aura mágica e mística sempre envolveu “Lances de agora”, disco ao mesmo tempo profano e sagrado, gravado por Chico Maranhão na sacristia da Igreja do Desterro, em junho...

Elza Soares carregou o Brasil nas costas

Elza Soares (1930-2022)
Elza Soares morreu em 20 de janeiro de 2022, o mesmo dia em que seu ex-marido Mané Garrincha morreu (em 1983) e o mesmo dia em que a travesti preta Linn da Quebrada entrou na casa do Big Brother Brasil, na Rede Globo. São apenas símbolos, mas bastante eloquentes. No música e no futebol, Elza e Garrincha suportaram cargas pesadas despejadas por um país...

Amizades e parcerias sinceras

Descontração e alegria de Alfredo Del-Penho, Moyseis Marques, João Cavalcanti e Pedro Miranda. Foto: Sabrina Mesquita
Tudo é orgânico e intenso, verdadeiro, sublime. Alfredo Del-Penho, João Cavalcanti, Moyseis Marques e Pedro Miranda, nomes fundamentais para o samba, particularmente, e a música brasileira em geral, presenças constantes em fichas técnicas de discos uns dos outros, de grupos que integraram – Casuarina, Semente, Cordão do Boitatá etc. – e de outros artistas, reuniram-se em “Desengaiola”, necessário audiovisuálbum...