Novos Baianos: um grupo, time de futebol, família, comunidade ou tudo isso ao mesmo tempo? Marília Aguiar está em pé, grávida, à direita. Foto: Reprodução
Novos Baianos: um grupo, time de futebol, família, comunidade ou tudo isso ao mesmo tempo? Marília Aguiar está em pé, grávida, à direita. Foto: Reprodução
Caí na estrada com os Novos Baianos. Capa. Reprodução
Caí na estrada com os Novos Baianos. Capa. Reprodução

Marília Aguiar não é escritora nem biógrafa, mas escreveu um dos livros mais deliciosos lançados ano passado: “Caí na estrada com os Novos Baianos” (Agir, 2020, 239 p.), em que narra histórias de seus 10 anos de convívio com o grupo então integrado por seu então companheiro, Paulinho Boca de Cantor.

Do encontro inusitado em uma boate aos três filhos que tiveram juntos, Marília mergulha na memória e abre um baú de guardados que revela, num grau de intimidade que nunca soa vulgar, além de letras inéditas, que acabaram ficando de fora dos discos dos Novos Baianos, a aventura que foi ter trocado uma vida confortável por uma experiência hippie, em que nenhum dia é igual ao outro, e é preciso ser original para garantir a feira do dia, incluindo os baseados. Tudo isso entre cabeludos em meio a uma ditadura militar.

A barra era pesada, alguns integrantes do grupo chegaram a ser presos algumas vezes, pelos mais variados motivos, mas os dias eram felizes, entre o aluguel de casas sem fiador, viagens só de ida sem saber como voltariam, a escassez de contratos para shows numa época em que os Novos Baianos ainda não eram o fenômeno que se tornariam, com o clássico absoluto “Acabou chorare” (1972), frequentando desde sempre listas de melhores discos de todos os tempos, entre a crítica especializada e a audiência geral.

Fartamente ilustrado por fotografias da época, muitas delas de seu acervo pessoal, “Caí na estrada com os Novos Baianos” revela o cotidiano maluco de um bando alucinado (literalmente) por música e futebol; não à toa, o nome do time formado pelos músicos virou título de disco, “Novos Baianos Futebol Clube” (1974).

A vida em comunidade, em apartamentos sempre apertados para tanta gente (grupo, namoradas, visitas e agregados) ou no Cantinho do Vovô, sítio que foi pouso duradouro e fundamental para a consolidação da sonoridade dos Novos Baianos, além das frequentes visitas de João Gilberto: nada escapa à privilegiada memória e fluida prosa de Marília Aguiar, cuja perspectiva feminina da narrativa aponta contradições, como o machismo e a homofobia então reinantes, mesmo entre artistas tidos como a vanguarda de sua geração.

“Caí na estrada com os Novos Baianos” se junta à farta bibliografia sobre o mítico grupo, cujas histórias, de tão fantásticas, às vezes parecem pura ficção (o contrário também faz sentido: ficções sobre os Novos Baianos muitas vezes nos levam a crer que aquilo realmente aconteceu).

A paulistana Marília Aguiar dissipa a fumaça que costuma enevoar as lembranças do período, fazendo um relato humano, e acima de tudo feminino, do que significava ser uma nova baiana, mesmo não estando em cima do palco.

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome