parada de (não-)sucessos

copio aqui, com a fidelidade permitida pela memória, as músicas que o truqueiro "dj pas" tocou na festa de aniversário da querida claudia lima. a seleção foi tão "bleque pau" quanto a aniversariante (e também um tanto quanto saudosista, admito). podes crer, amizade! "os grilos", marcos valle, 1970 "grilo na cuca", dudu frança, 1979 "nega de obaluaê", wando, 1975 "olhos coloridos", sandra sá, 1982 "sarará...

pílulas falantes

empolgado pela visita-surpresa de fernanda (takai) ao tópico "pausa, pausa, pausinha", retribuo a visita e vou ao site do pato fu - e descubro um mooooonte de novidades! vai lá pra saber melhor, mas resumindo: vai chegar disco novo. eles estão interessados em todo tipo de divulgação, e pelo visto vão ter cuidado especial com a internet (viva o futuro...

pausa, pausa, pausinha: beat it

e o michael jackson, o julgamento do século (XXI), hein? vai ser foda. desde pelo menos 1995, quando ele lançou aquele álbum "history" (que eu amo, amo, amo), sempre fico pensando naquela cara esquisita dele, naquelas plásticas e deformações todas que ele (não?) auto-urucubacou. sempre me ocorre que ele se modificou por fora para ficar cada vez mais parecido com um...

uma pausa de mil compassos

tá, já sei de cor todas as besteiras e gafes cometidas pelo lula ontem em porto alegre, no fórum social mundial. mas posso virar o disco só um pouquinho, falar sobre umas outras coisinhas que ele disse entre uma gafe e outra? "alguns companheiros que nunca tiveram problema na vida e já têm sua vida garantida nas boas universidades públicas...

dois mil e quatro 2

há pouco, eu quis destacar black alien, rappin' hood e tati quebra barraco dentro de um turbilhão 2004. existe o turbilhão. comento o turbilhão a partir dos discos de cd, esse formato velhonovo moribundorrenascido pois 2004 teve, por ordem alfabética: adriana calcanhotto levando cultura mpb e teias neoconcretistas a um público infantil-inteligente ("adriana partimpim", bmg ariola). adriana maciel reinventando o (e...

dois mil e quatro

a) durante os anos 60, a rede record orquestrava a programação televisiva brasileira, colocando a música em plano central. artistas da canção tinham contratos estáveis na emissora, que veiculava dentro de sua tela única correntes concorrentes. dali se dispersavam nomes tão divergentes como os de ataulfo alves, elizeth cardoso, jair rodrigues, elis regina, wilson simonal, roberto&erasmo&wanderléa, nara leão, chico...

a soma de todas as cores

fui ao cinema ver "machuca", filme lá do chile, onde houve salvador allende, pinochet, extremos tão extremos assim. aqui houve costa e silva e médici, mas deixa isso pra lá, vem prá cá, o que é que tem, eu não tô fazendo nada, nem você também. "machuca" ('matchuca', em pronúncia hispânica) discorre sobre o mesmo signo que estava inscrito...

que eu desorganizando posso me organizar

já que falávamos de cássia eller, agora é hora de chico science. neste final de semana o sesc pompéia abrigou um encontro entre a nação zumbi e o mundo livre s/a ("luta de classes", anotava a camiseta preta sensacional de fred zeroquatro), para refazer ao vivo o álbum "da lama ao caos", de chico science & nação zumbi. e o...

eu sou o pirata da perna-de-pau, do olho de vidro, da cara de mau

recebi muitos e-mails em resposta à minha despedida coletiva após dez anos de "folha", a maioria nem consegui responder ainda. havia os divertidos, os tristes, os emocionantes (e os emocionados), os engraçados, os de fazer chorar, os sedutores, os amorosos, os formais, os exultantes, os provocativos, de tudo um pouco, às vezes várias modalidades em cada e-mail ("adoro quando...

“adoro quando tudo se mistura”

também tenho aprendido a adorar quando tudo se mistura. porque a cultura de compartimentos não existe desde sempre, ela vem em ondas como um mar, não é mesmo? acho que aquela voracidade yuppie dos anos 80 foi criadora da atual cultura de compartimentos, que vários já tentam romper (alô, cássio), mas que ainda é vigente em regra aqui no brasil....