Erasmo Carlos canta samba em São Paulo

Erasmo Carlos
Um dos pilares do rock brasileiro, Erasmo Carlos antecipa com duas sessões no Blue Note, em São Paulo, no dia 22 de novembro, seu próximo trabalho, Quem Foi Que Disse Que Eu Não Faço Samba? O disco de oito faixas, que deve sair em dezembro, compila sambas lançados ao longo da carreira de um dos pilares da jovem guarda e do rock. Entre as...

O AFRO-SAMBA PAULISTA

O mineiro João Bosco e o carioca Aldir Blanc marcaram a música brasileira dos anos 1970, numa galeria de sambas que enfrentavam a ditadura pelo alinhamento completo aos humilhados e ofendidos pelo regime de então. Aos 51 anos, o paulistano Douglas Germano traz para seu terceiro álbum solo, a obra-prima Escumalha, a vocação de representar para os anos 2010...

EM CASA, NÃO AO ACASO

A baiana (de Salvador) Mariene de Castro e o pernambucano (de Altinho) Almério se encontraram no palco do show Acaso Casa, que agora se transforma em CD ao vivo pela gravadora Biscoito Fino. Os dois têm registros vocais que chegam a confundir o ouvinte em certos momentos, embora a interpretação dela se destaque pelo tom derramado, à la Maria Bethânia, e a dele encante pelo...

Teresa nos Jardins

    Ela chamava Elton Medeiros de Seu Antonio. Começou a cantar seguindo a trilha de Candeia. Fez um disco duplo com Paulinho da Viola. Passou meses ao lado de Caetano Veloso, abrindo sua turnê internacional pela Europa, Estados Unidos e Ásia. Vascaína roxa e portelense mais ainda, a cantora e compositora Teresa Cristina, uma das maiores vozes do samba contemporâneo, se...

Elton Medeiros (1930-2019)

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=xUz8oCt-UMo] "Uns com tanto/ outros tantos com algum/ mas a maioria sem nenhum." Novamente muito atuais, os versos de "Maioria sem Nenhum" (1966) foram lançados por Elton Medeiros em seu álbum de estreia, Na Madrugada, dividido com o jovem Paulinho da Viola, então com 23 anos. Elton tinha 36 anos, e cuidava de metade das faixas de Na Madrugada, em sambas como...

A autoridade de Francineth

Uma grande voz do samba canta a canção que enfureceu o general, Cambão, em show no Sesc Pompeia Plantei arroz, plantei feijão/De sol a sol eu trabalhei que só um boi ladrão/E a safra, vai vendo irmão, a maior parte ficou toda com o patrão Essa música de fundo de reforma agrária, Cambão, composição do pernambucano Luiz Vieira, ouvida num remoto...

Aldir Blanc em estado de exceção

Aldir Blanc não é um contemporizador. Aos 71 anos, rema contra a maré contemporizadora da maioria de seus pares e faz as honras de compositor de peças colossais da música brasileira como "O Mestre-Sala dos Mares" (1974), "De Frente pro Crime", "Corsário" (1975), "O Rancho da Goiabada" (1976),  "Tiro de Misericórdia" (1977), "Querelas do Brasil" (1978), "O Bêbado e...

Eta, eta, eta, diretas (*)

O produtor cultural Ivan Cosenza de Souza, de 47 anos, vende camisetas com ilustrações pró-democracia numa banquinha improvisada na praia de Copacabana, no domingo brumoso de 28 de maio. Filho do cartunista Henfil (1944-1988), ele aproveita o show coletivo de música brasileira em prol do restabelecimento de eleições democráticas pós-golpe de Estado para comercializar estampas criadas pelo pai há...

As cores vivas de Criolo

Pedro Alexandre Sanches: No disco Nó na Orelha já tinha um samba, "Linha de Frente", que sempre me lembrou Clara Nunes, "Tristeza Pé no Chão" (1973). Agora você dá um salto pra fazer um disco inteiro de samba. Por quê? Criolo: De um tempo pra cá, 2002, 2003, comecei a escrever um tanto mais de samba. A emoção desaguava em samba. E em especial...

Criolo: “Não vai se sustentar”

"Então pare de correr na esteira e vá correr na rua", cantou o rapper paulistano Criolo na tarde do domingo 28 de maio, trepado num trio elétrico no asfalto em frente à praia de Copacabana, no Rio de Janeiro. Nas redes sociais e nas ruas, talvez até mesmo nas esteiras, não se debate muita coisa além de política no Brasil-simulacro de 2017. Uma nova etapa de...