As múltiplas facetas de Loki

Cena de Loki, série do Universo Marvel na Disney+
O que se pode esperar de um Deus da Trapaça, senão a trapaça? Em Loki, o espectador receberá mais que ações ardilosas, fraudes e outras peripécias de um dos vilões mais adorados do Universo Cinematográfico Marvel. Para os fãs de carteirinha dos Vingadores, a série da Disney+ se reveste de uma aura clarificadora de grandes enigmas que só quem...

“Luca”, a inclusão dos excluídos

Cena da animação Luca, da Pixar, em exibição na Disney+
No mês do Orgulho LGBTQIA+, a Disney+ lançou, em 18 de junho, a animação Luca, da Pixar, que, querendo ou não, é uma obra queer. A palavra queer (algo como “estranho” e, portanto, ofensiva) foi apropriada pela comunidade para se referir a pessoas que se enxergam fora das normas de gênero. O diretor genovês Enrico Casarosa apressou-se em dizer...

As voltas que a vida dá

Os melhores anos de uma vida. Frame. Reprodução
“Os melhores anos de uma vida” alia com rara sensibilidade elementos de comédia romântica e drama, em um filme que tanto deve agradar a quem busca simplesmente se divertir quanto quem busca refletir sobre determinados temas – e sobram lições ali, nunca de moral. É um filme sobre viver e envelhecer, com todas as consequências implícitas sobre determinadas escolhas que...

Música no ar

Zeca Baleiro e Neto Borges no set de filmagem. Foto: Paula Cinquetti/ Divulgação
Documentário “Ventos que Sopram Maranhão”, do cineasta Neto Borges, traça rico panorama da produção musical do estado, através de jam sessions conduzidas por Zeca Baleiro. Filme estreia hoje (17) no In-Edit Brasil, que acontece até o dia 26 de junho. A riqueza e a diversidade da música popular brasileira produzida no Maranhão são o mote do documentário “Ventos que Sopram...

A bem-humorada emancipação feminina

Juliette Binoche em cena de "A boa esposa". Reprodução
A hilariante comédia “Uma boa esposa” é uma verdadeira ode ao feminismo. Com o marido que dá nome ao instituto, Paulette Van Der Beck (Juliette Binoche) comanda uma instituição de formação de esposas e donas de casa, guiada por um ideário de submissão. Estamos na França, às vésperas dos acontecimentos de maio de 1968, cuja repercussão mudou para sempre...

Primeiro longa do francês Edouard Bergeon disponível em streaming no Brasil

Rufus e Guillaume Canet em cena de "Em nome da terra". Reprodução
O imaginário popular consagrou paisagens rurais como pacatos, lugares de melancolia e bucolismo. “Em nome da terra”, do cineasta francês Edouard Bergeon, é, ao mesmo tempo delicado, comovente e brutal. Baseado em uma história real, como o espectador é advertido de cara, o filme conta a história de Pierre Jarjeau (Guillaume Canet), que tem uma relação conflituosa com o pai...

O amor projetado

Benjamin Voisin, Philippine Velge e Félix Lefebvre em cena de "Verão de 85". Reprodução
Beleza é uma palavra chave para definir “Verão de 85”, novo filme do diretor francês François Ozon, que estreia nas salas de cinema brasileiras nesta quinta-feira (3). Seja a deslumbrante paisagem praieira que serve de locação, ou os atores – mais que rostos e corpos bonitos –, a trilha sonora, de The Cure a Rod Stewart, ou a história...

As putativistas da Rua Guaicurus, em Belo Horizonte

"Rua Guaicurus" (2019)
“Bucetinha Black Friday, tá na promoção”, anuncia uma voz indistinta, nebulosa como a imagem do corredor precária e vermelhamente iluminado de um dos hotéis da Guaicurus, rua do hipercentro de Belo Horizonte, Minas Gerais. Este nome tupinambamente brasileiro, que remete à pessoa sarnenta, encaroçada, de pele e índole suja, carrega a mesma repelência das mulheres estigmatizadas que labutam no local....

O país das maravilhas e a terra do nunca no mesmo quintal

Jordan A. Nash e David Oyelowo em cena de "Alice e Peter". Foto: divulgação
Ao redor do mundo inteiro rara será a infância que não tenha se encontrado, desde suas publicações, com os clássicos “Alice no país das maravilhas”, de Lewis Carroll, e “Peter e Wendy”, de J. M. Barrie, onde surge o personagem Peter Pan, publicadas respectivamente na segunda metade do século XIX e na primeira do século XX. “Alice e Peter: onde...

Realidade e ficção, brutalidade e delicadeza de mãos dadas

O cantor camaronês Yamaya Mohamed em frente ao cinema. Foto: Loiro Cunha
Antíteses e contradições, num perfeito retrato da realidade brasileira, que equilibra o orgulho por símbolos nacionais – como o samba, o futebol e o carnaval – à brutal desigualdade social. Esta inequação percorre os 76 minutos de “Cine Marrocos”, em que o premiado diretor Ricardo Calil (“Uma noite em 67”, “Narciso em férias”) usa o cinema para fundir realidade...