quarta-feira, maio 18, 2022

Môa do Katendê: o 1º artista

O baiano Romualdo Rosário da Costa, conhecido como Môa do Katendê, tem sido tratado como capoeirista no obituário sobre seu assassinato a facadas por um eleitor de Jair Bolsonaro, numa discussão na madrugada pós-eleitoral de 8 de outubro, em Salvador. Moa é, além disso, o primeiro artista a sucumbir à onda protofascista que emerge das urnas no Brasil de...

Lucina, voz de árvore

Lucina Carvalho, ou simplesmente Lucina, já foi Lucelena, Lucinha, metade de Luli & Lucina. Não foi tantas por crise ou falta de identidade, mas antas, talvez, pela dificuldade de encontrar um lugar para chamar de seu ao sol da música popular brasileira, dessa MPB que foi e é tão profundamente masculina nos gabinetes quanto democraticamente pansexual nos bicos de palco. Ainda menina,...

O ódio guardado em Melodia

"Se a gente falasse menos/ talvez compreendesse mais/ teatro, boate, cinema/ qualquer prazer não satisfaz/ palavra figura de espanto quanto/ na Terra tento descansar." É fácil falar isto só depois da morte de Luiz Melodia, quando não há mais tempo, mas se a gente falasse menos e escutasse mais provavelmente teríamos compreendido um pouco mais sobre nós mesmos através das...

Mais dois dedos de prosa sobre “Caravanas”

a) Em "Blues pra Bia", segunda canção do álbum Caravanas, o velho Chico Buarque faz um avanço tímido sobre a pansexualidade que é marca identitária das novas gerações, talvez de todas as gerações que fazem a grande caravana chamada humanidade, às vezes mais dentro dos armários empoeirados, às vezes mais fora deles. O velho narrador está paquerando uma jovem menina, imagino que...

Aldir Blanc em estado de exceção

Aldir Blanc não é um contemporizador. Aos 71 anos, rema contra a maré contemporizadora da maioria de seus pares e faz as honras de compositor de peças colossais da música brasileira como "O Mestre-Sala dos Mares" (1974), "De Frente pro Crime", "Corsário" (1975), "O Rancho da Goiabada" (1976),  "Tiro de Misericórdia" (1977), "Querelas do Brasil" (1978), "O Bêbado e...

Dilma Vana Rousseff, mãe

Presidenta da República não é mãe. Se quer ser mãe, mulher tem que ser bela, recatada e do lar (e Amélia é que era mulher de verdade). Se é bela, recatada, do lar e mãe, mulher não deve trabalhar fora, quanto menos na pilotagem da presidência da República. Por silogismo, se é mãe mulher não pode ser presidenta. Tampouco presidenta...

O poder é homem, branco, rico e hétero

Como cidadão que gosta de música, política e identidade, faço questão de reproduzir aqui a fala da ministra da Secretaria dos Direitos Humanos do Brasil, a catarinense Ideli Salvatti (PT), durante entrevista coletiva de apresentação da 18a Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, no domingo, 5 de maio de 2014. Não verifiquei com a profundidade devida hoje, mas sou capaz de bater uma...

Índios na garganta

Em 30 de agosto de 2016, um dia antes da deposição definitiva de Dilma Rousseff no Senado, Tetê Espíndola falou sobre seu primeiro álbum independente, Pássaros na Garganta (1982), em entrevista a propósito de um show inspirado naquele trabalho fundador - mas que, por contingências da vida, permaneceu inédita por dois anos. Leia e/ou veja abaixo o passeio da cantora e compositora sul-matogrossense pela terra natal, pela música sertaneja...

PTfobia

Este amado espaço livre FAROFAFÁ padeceu pelo fato de eu ter me embrenhado numa inédita aventura neste 2014. Devagar nós vamos voltando. Desde fevereiro, estive trabalhando como repórter-apresentador-etc. na campanha político-eleitoral do bravo e querido Alexandre Padilha, que foi candidato petista ao governo do estado de Tucanistão. Em 2012 já havia exercido papel parecido na campanha do querido e bravo Fernando Haddad, hoje prefeito...

Serra dos pelados

A experiência é perturbadora quando a gente vai ao cinema e carrega para dentro do filme o nosso próprio mundo. Aconteceu comigo ao assistir a Serra Pelada, bangue-bangue do (ex-)Terceiro Mundo dirigido pelo pernambucano Heitor Dhalia. Serra Pelada poderia ter me fisgado porque passei a infância vendo aquelas imagens quase sobre-humanas de garimpo, ora na tela da TV Globo, ora no universo...