Elizeth, Maysa, Dolores

Maysa, "Convite para Ouvir Maysa Nº 2" (1958)
Maysa, Convite para Ouvir Maysa Nº 2, RGE, 1958 1. "Meu Mundo Caiu" (Maysa Matarazzo) 2. "No Meio da Noite" (Aloysio Figueiredo-J.M. da Costa) 3. "Bronzes e Cristais" (Alcyr Pires Vermelho-Nazareno de Brito) 4. "Por Causa de Você" (Antonio Carlos Jobim-Dolores Duran) 5. "Bom-Dia, Tristeza" (Adoniran Barbosa-Vinicius de Moraes) 6. "Felicidade Infeliz" (Maysa Matarazzo) 7. "Bouquet de Izabel" (Sérgio Ricardo) 8. "Mundo Novo" (Maysa Matarazzo) 9. "E a Chuva...

Quem tem medo de Leny Eversong?

Muito pouco restou da memória da paulista Leny Eversong no imaginário musical brasileiro. As hipóteses são muitas e não se auto-excluem, mas a justificativa mais comum para seu sumiço é de que não cantava música brasileira, e sim gringa. É verdade, Leny fez mais sucesso nos Estados Unidos e em sucessivas turnês internacionais do que no país de origem. Mas A...

Um outro São Paulo com Cascatinha e Inhana

Mais um disco de 10 polegadas no formato coletânea, lá do início da era dos LPs: Cantando pra Você, de 1955, por Cascatinha e Inhana. Os mestiços de pele indígena Cascatinha e Inhana, a harpa paraguaia/guarani, o castelhano misturado com português, os temas fronteiriços, os vocais maravilhosos de Inhana, a lindeza total da guarânia “Índia”… [youtube https://www.youtube.com/watch?v=Gvb_YcneRuU] Trecho do Álbum 1: “Embora...

Dorival Caymmi x Luiz Gonzaga

No início, predominou o formato de 10 polegadas, um pouco menor, em que cabiam geralmente oito músicas. O Nordeste falou alto nesses primeiros anos de transição dos compactos com apenas duas canções para os bolachões de 12 ou 14. Em 1954, o baiano Dorival Caymmi lançou Canções Praieiras, um dos primeiros álbuns conceituais da história do Brasil. [youtube https://www.youtube.com/watch?v=oOHlyDt3TnM] Começando pelas inéditas...

Era uma vez o Trio Surdina

O primeiro LP de 10 polegadas que aparece no Álbum 1 é Trio Surdina Interpreta Noel Rosa e Dorival Caymmi (1953), de que hoje só os ratos de sebos e de mp3 tomam conhecimento. A formação originalíssima somava Garoto ao violão, Fafá Lemos ao violino e Chiquinho do Acordeon. [youtube https://www.youtube.com/watch?v=sHnghfb_jE0] Os estudiosos gostam especialmente de “O Relógio da Vovó” (de...

Álbum 1: Noel Rosa por Aracy de Almeida

Aracy de Almeida, "Noel Rosa" (1950)
O primeiro LP que comento no Álbum não é um LP. O formato estava sendo inventado e ainda não tinha chegado ao Brasil, mas já havia o hábito de agrupar vários discos de 78rpm (duas músicas cada) numa capa de formato não exatamente quadrado, parecendo um livrinho, ou um álbum fotográfico, de recordações, de família. Achei justo começar com...

Por que amávamos tanto o Luis Gustavo

Parecia inepto e autoindulgente, como se fosse um Dudley Moore da Mooca. Parecia frágil e ludibriável, honesto demais para o mundo, um bailarino de farol desviando das cascas de banana do overacting. Quase tudo nas novelas sempre tratou de questões relativas à ascensão social, à briga de foice pelo topo, ou então os plots se ocuparam da opressão dos mais fortes...

“Álbum”, uma viagem pela era dos discos de longa duração

Pedro Alexandre Sanches, "Álbum 1 - Saudade, Bossa Nova e as Revoluções dos Anos 1960" (2021)
Está nas livrarias virtuais a partir de hoje, quarta-feira (15), o primeiro volume do meu livro Álbum, subtítulo Saudade, Bossa Nova e as Revoluções dos Anos 1960. Serão quatro volumes, tecendo considerações sobre álbuns brasileiros importantes (pelo sucesso popular conquistado, mas nem sempre) que foram lançados desde a invenção do formato LP, no início dos anos 1950, até a decadência...

Pelão, descobridor de novos e velhos talentos

Em janeiro de 2021, entrevistei pela última vez o produtor musical João Carlos Botezzeli, o Pelão, morto no dia 1º de setembro, aos 78 anos. A revista CartaCapital não chegou a publicar em versão virtual (só no velho e surrado formato em papel) a entrevista ou a reportagem que dela resultou, mas eis aqui, em anotações telegráficas feitas na...

Há 32 anos, morria Raul Seixas, cowboy vacinado

Raulzito por Dan Dickason
"Eu não sou besta pra tirar onda de herói, sou vacinado, sou cowboy..." É como Raul Seixas (1945-1989) já dizia, em "Cowboy Fora da Lei" (1987): que não era trouxa de ser desfavorável à vacina. Ou seja: não seria possível enfileirá-lo nas trincheiras negacionistas nesses conturbados dias de Covid-19. Ele também detestava golpes de Estado, especialmente os militarizados ("Não quero...