Dominguinhos morreu :-(

"Nessas tardes molhadas de agosto/ sinto a chuva lavando minha alma/ sinto o frio entrando pelos ossos/ como uma coisa, um troço, não sei explicar", cantava Alceu Valença em "Lava Mágoas" (1982), uma das raras parcerias pernambucanas entre ele e Dominguinhos. Não houve agosto de 2013 para o parceiro ocasional de Alceu, que morreu em 23 de julho, aos 72 anos, após...

O luto do movimento negro

Morreu nesta quinta-feira, aos 86 anos, o Professor Eduardo de Oliveira, um dos mais aguerridos defensores do movimento negro no Brasil e autor do 'Hino à Negritude'. Se hoje o Brasil possui um Estatuto da Igualdade Racial, deve-se muito à sua luta do Professor Eduardo de Oliveira. "Eu sempre falo que o negro, não só no Brasil, mas no mundo,...

Ricardo Herz leva Dominguinhos ao violino

Sete anos após a morte de Dominguinhos, a obra do sanfoneiro e compositor pernambucano ainda pede por ser redescoberta mais a fundo, e é a esse trabalho que se dedica o violinista paulistano Ricardo Herz no show Ricardo Herz Interpreta Dominguinhos, em duas sessões no Sesc 24 de maio, no sábado 18 e no domingo 19. As releituras instrumentais serão levadas ao vivo...

André Midani (1932-2019)

Entrevistei André Midani algumas vezes nos anos 2000 e, dentre vários executivos do disco com que conversei, ele exibia algo evidentemente especial. Diferente dos pares que o sucederam na roda viva da indústria musical, Midani falava e agia como um artista. Não era propriamente um artista, era um executivo, mas nutria uma identificação evidente com os artistas, muito maior que...

Wando, sedutor de morenas e mestiços

O mestiço Wando (1945-2012) veio da pequena Cajuri, no interior de Minas Gerais, mas trazia a sina litorânea do sambista impressa na pele no início de sua carreira musical, na virada dos anos 1960 para 1970. Seu primeiro LP, de 1973, chamava-se Glória a Deus no Céu e Samba na Terra, e a faixa-título abria o disco em pique...

À meia-noite cortarei minhas unhas

Zé do Caixão
Há 22 anos, numa noite subitamente lúgubre da Zona Leste de São Paulo, eu rumei para uma casa de shows chamada Led Slay, na Avenida Celso Garcia Cid. Na época, eu morava perto, no BNH do Brás, e cheguei até muito cedo. Esperei na calçada. Naquela noite, Zé do Caixão tinha anunciado que, após 25 anos sem cortar suas...

Rádio Farofa: a felicidade não existe?

RÁDIO FAROFA convida para um pequeno passeio pela discografia de Odair José e adjacências.   1. Diana, "Vida Que Não Para" (1978) - uma das canções mais otimistas (e fofas) de Odair, de 1972, na versão de sua esposa e colega de estrelato nos anos 1970. 2. Zeca Baleiro, "Eu, Você e a Praça" (2006) - versão arrasa-quarteirão da balada de 1973 por um fã (e mais...

Câncer na Cultura Brazyleyra (*)

A Cultura Brazyleyra está com câncer. Toritoma Maligno. Carcinoma Embriogênico. Melonema pulverizantyz. Metástase: os efeitos destrutivos possuíram órgãos, membros e almas dos artistas, dos burocratas que se ocupam de produzir, realizar e distribuir cultura no Brazyl. A Televisão está contaminada pelos enlatados promocionais do FBI e da CIA (órgãos de segurança yankz). As Telenovelas veiculam problemas falsos com roupas falsas...

Joyce, baianos e mineiros nas dunas “da Gal”

"No princípio, eram os cariocas. Pouco a pouco foi chegando gente de outras paragens. Os baianos, por exemplo, não tiveram o menor problema de adaptação, uma vez que já eram do ramo. Ficaram tão à vontade que alguém, muitos anos depois, inventou de chamar o trecho das obras do emnissário submarino de 'dunas da Gal'. Na época, a rapaziada...

Trilha sonora para Higienópolis

1. Jovelina Pérola Negra, "Camarão com Xuxu" (1986) 2. Virguloides, "Bagulho no Bumba" (1997) 3. Dandara, "Alcatraz" (2006) 4. Mauro Celso, "Farofa-Fá" (1975) 5. Clementina e Jesus, Adoniran Barbosa e Carlinhos Vergueiro, "Torresmo à Milanesa" (1979) 6. Maria Alcina, "Tutu à Mineira" (1985) 7. Dorival Caymmi, "Vatapá" (1957) 8. Elza Soares, "Põe Pimenta" (1979) 9. Alcione, "Tem Dendê" (1973) 10. Clara Nunes, "Peixe com Coco" (1980) 11. Originais...