terça-feira, outubro 15, 2019

Dona Cauby ficou solteira?

Quando virou farol, no final dos anos 1950, a voz de João Gilberto promoveu, além da bossa nova, uma legião de cadáveres musicais insepultos. De repente, cantar com vozeirão de quebrar cristal não era mais algo desejável, aceitável, tolerável. Os intérpretes em estilo voz de trovão foram engavetados em segundo plano, para ali morar pelas décadas afora. Cauby Peixoto...

Afinal, somos todos bregas?

E aí saiu o disco novo de Marisa Monte, “O Que Você Quer Saber de Verdade”, que ando ouvindo por aqui. Em linhas gerais, concordo à beça com o que disse no site da revista “Época” meu colega Luís Antônio Giron, num artigo denominado “Somos todos bregas”. É, "brega", pode ser, sim... Em linhas mais particulares, ouço e me sinto em...

Adocica, meu amor

“Adocica, meu amor, adocica/ adocica, meu amor, a minha vida.” Esses versos prosaicos, que tomaram conta do Brasil 23 anos atrás, voltaram à tona neste 2011, por conta de um comercial de cerveja. Não se sabe se a Skol queria homenagear o autor do som que embalou as paradas de 1988. Se queria, o fez mais ridicularizando que afagando...

Luan Santana, Sorriso Maroto, Paula Fernandes, Calypso e Reginaldo Rossi

  Se existe uma coisa que FAROFAFÁ respeita é o gosto do brasileiro. E o gosto do brasileiro está onde? Nas redes sociais ou no YouTube? Nos MP4 e celulares que cada um carrega e ouve a sua canção favorita? Hoje (e esse "hoje" já dura algum tempo), Luan Santana é o príncipe do Brasil, segundo as emissoras de rádio...

Pra ficar tudo joia rara

  Benito di Paula, o homem que trouxe o piano para o primeiro plano do samba, chegou para o ensaio no estúdio no bairro paulistano de Pinheiros com seu filho Rodrigo Vellozo e um carrão a tiracolo. Fez questão de estacionar na estreita garagem do local, e passou alguns minutos encenando, com ar divertido, a impossibilidade de sair do carrão...