O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, presidente de honra do PSDB, hoje com 90 anos

Em reunião realizada na última quinta-feira, 28, a Agência Nacional de Cinema (Ancine) decidiu aprovar a captação de recursos para o filme O Presidente Improvável, documentário da Giro Filmes que trata da vida e da carreira do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, de 90 anos. O projeto pleiteia R$ 3,3 milhões para sua realização.

Por unanimidade, 4 votos a favor, a Ancine revisou sua própria decisão anterior, de julho, de vetar o financiamento público do filme por considerar que fazia o elogio de uma figura política. O despacho salienta que o projeto leva em conta o seguinte: “1) a falta de evidências de violação a valores constitucionalmente tutelados; e 2) a característica biográfica do projeto, de tipologia documental, prestigiando-se a ampla divulgação de informações de interesse público”.

No veto ao filme, em agosto, o voto que prevaleceu, com a justificativa do uso político de natureza propagandística pela produtora, foi o do ex-presidente interino Mauro Gonçalves de Souza. Souza, que chegara à presidência da Ancine com as credenciais de ter sido assessor do deputado Philippe Poubel, do PSL do Rio, ligado às milícias cariocas. agora votou favoravelmente, mas eis o que escreveu anteriormente:

“Ora, se o Supremo Tribunal Federal já declarou a inconstitucionalidade de leis que autorizavam a mera denominação de logradouros públicos com nomes de pessoas vivas, por vulneração do princípio de impessoalidade, me parece, sim, muito mais grave, e pelas mesmas razões, aprovar projeto com conteúdo político na obra em que se homenageia político vivo e ainda em atividade”.

Mauro Gonçalves de Souza foi interino no período em que Alex Braga Muniz aguardava para assumir legalmente o posto de diretor-presidente da agência. Deveria ter saído no dia 20, após Braga assumir, mas foi reconduzido no dia 26 de outubro para o posto de diretor substituto na vaga de Mariana Ribas. Essa nomeação, assinada por Alex Braga, prossegue uma tradição consagrada no período bolsonarista, que é a de tornar a interinidade uma coisa permanente – com rodízio de vagas, a Ancine tem burlado a lei e mantido o poder na mão do grupo que agora controla a agência.

Essa estratégia se consolida até em postos de fiscalização pública, como o de Ouvidor-Geral – recentemente, foi nomeado um assessor de confiança do general Walter Braga Netto para o cargo, João Paulo Machado Gonçalves, como Ouvidor interino. Isso evita a necessidade de passar pela sabatina do Senado e, ao mesmo tempo, garante a lealdade interna do grupo que deve passar os próximos 5 anos dando as cartas no audiovisual brasileiro.

A queda do veto traz certo alívio ao meio audiovisual, embora a censura prossiga sustentando toda sorte de perseguição política na agência. A argumentação de Mauro Gonçalves abria um precedente que permitiria novos vetos de toda natureza. O diretor da Ancine chegou a mencionar em ata pública a participação de FHC no programa de Pedro Bial, em 18 de maio de 2021 (da qual disse que “sobeja conteúdo político”).

 

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome