Ensaios de Perry Anderson, publicados pela London Review of Books, estão reunidos no livro Brasil à parte, da editora Boitempo
Michel Temer recebe o presidente Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto, para cerimônia de transmissão da Faixa Presidencial. Crédito: Agência Brasil

Os cinco ensaios de Perry Anderson, publicados pela London Review of Books e agora reunidos no livro Brasil à parte, da editora Boitempo, são um esforço considerável de síntese política. Escritos por um historiador e ensaísta marxista inglês, os capítulos são batizados pelos nomes dos presidentes Fernando Henrique, Lula, Dilma e Bolsonaro (Temer aparece como um parêntesis). A principal tese de Anderson é a de que o período da redemocratização se fecha dentro de uma parábola assimétrica entre 1964 e 2018.

“Em 1964, os militares tomaram o poder para remover um presidente disposto demais, na visão deles, a aceitar mudanças radicais na ordem social. Em 2018, eles intervieram para garantir que um presidente popular ainda popular demais, na visão deles, após realizar mudanças bem menos radicais, não fosse reeleito”, escreve o autor, referindo-se à derrubada de João Goulart e o bloqueio de Lula. Para ele, a “colonização do governo Bolsonaro pelas Forças Armadas” é um fato. O Brasil é um caso à parte no mundo, onde suas Forças Armadas têm grande vocação para a repressão dentro de casa, e não o combate fora dela, explica Anderson. Ele classifica o presidente brasileiro como “um novo monstro” da política mundial, ao lado de líderes-ogros como Trump, Le Pen, Salvini, Orbán e Kaczynski.

Livro Brasil à parte de Perry Anderson, editora Boitempo, faz um esforço considerável de síntese política no período da redemocratização entre 1964 e 2018
Ensaios de Perry Anderson, publicados pela London Review of Books, estão reunidos no livro Brasil à parte, da editora Boitempo

Em cada capítulo, com exceção do último (“Parábola”), Anderson faz uma avaliação da gestão de cada presidente, não escondendo sua simpatia pelos governos de Lula e Dilma. Mas não o faz sem um senso de crítica. Concordando com o cientista político André Singer, afirma que a presidenta acabou derrubando dois pilares críticos do lulismo, a aliança com o capital financeiro e o pacto com o clientelismo, e foi abandonada à própria sorte pelos empresários nacionais que ela buscou favorecer. A FHC, o historiador considera que não havia razões, fora a vaidade do ex-presidente, para ele por tudo a perder pelo seu projeto de reeleição.

Brasil à parte. De Perry Anderson, 192 págs, Boitempo, 53 reais.

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome