Antes da opulência monotemática das festas de fim de ano, a agenda cultural ferve pelo Brasil e algumas atrações revelam muito sobre os problemas dos imigrantes. A crise migratória europeia e os dramas particulares que encena são o foco do filme Synonymes, de Nadav Lapid, que estreia em 13 cidades do Brasil e mostra as dificuldades de um jovem israelense em se adaptar a Paris e a uma nova vida. Em São Paulo, no Sesc Vila Mariana, a Mostra Refúgios Culturais expõe artesanato, apresentações e engata conversas com refugiados que vivem em São Paulo, artistas e intelectuais de Síria, Senegal, Bolívia, Guiana Francesa, Irã, Peru, Congo, Angola, Togo, Colômbia e Venezuela. As artes cênicas destacam Entre Elas, da Cia Armárias, um espetáculo circense que discute a violência contra a mulher, e o grupo MPB4 mostra a grande utilidade cultural da Casa Imperator, no Rio de Janeiro. Para não fugir completamente do tema natalino, o Quebra-Nozes se faz presente no Teatro Alfa. 

QUINTA-FEIRA, 12

Entra em cartaz Synonymes, de Nadav Lapid, vencedor do Urso de Ouro do Festival de Berlim. Conta a história de um jovem israelense que quer apagar suas origens na França.

SEXTA-FEIRA, 13

No Rio de Janeiro, as periferias ocupam a zona sul carioca no Escuta Festival, no IMS, até domingo. Em São Paulo, Entre Elas, da Cia Armárias, é um espetáculo circense que discute a violência contra a mulher e se apresenta de sexta-feira a domingo no Sesc Avenida Paulista. No Sesc Pinheiros, a paulistana Mariana Aydar mostra Veia Nordestina, álbum devotado ao forró e aos ritmos do Nordeste. Para quem for ficar em casa, a dica é Espero Tua (Re)Volta, de Eliza Capai, que foi premiado no Festival de Berlim. O documentário trata da crise política a partir do olhar de estudantes secundaristas.

SÁBADO, 14

O espetáculo Quebra-Nozes, com a Cisne Negro Cia de Dança, de Hulda Bittencourt, já é uma tradição natalina no Teatro Alfa. No antigo Teatro do Funil, o Núcleo Arranca apresenta Dura Lex Sed Lex no Cabelo Só Gumex, peça escrita em 1967 por Oduvaldo Vianna Filho, o Vianinha. Começa no sábado e prossegue domingo afora a Mostra Refúgios Culturais, com artesanato, apresentações e conversas com refugiados que vivem em São Paulo, artistas e intelectuais de Síria, Senegal, Bolívia, Guiana Francesa, Irã, Peru, Congo, Angola, Togo, Colômbia e Venezuela.

DOMINGO, 15

O lendário grupo MPB4 celebra sua longevidade artística no palco da ameaçada casa de shows Imperator, no Méier, Zona Norte do Rio de Janeiro

 

 

 

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome