Há décadas segue a loa sobre a ruindade dos sambas mostrados no sambódromo durante o carnaval carioca. Não é infundada a queixa, se a comparação for feita com clássicos indeléveis como “Chica da Silva” (Salgueiro, 1963), “Aquarela Brasileira” (Império Serrano, 1964), “Heróis da Liberdade” (Império Serrano, 1969), “Festa para um Rei Negro” (Salgueiro, 1971), “Misticismo da África ao Brasil” (Império da Tijuca, 1971), “Ilu Ayê, a Terra da Vida” (Portela, 1972), “Onde o Brasil Aprendeu a Liberdade” (Vila Isabel, 1972), “No Reino da Mãe do Ouro” (Mangueira, 1976), “O Amanhã” (União da Ilha, 1978), “Bumbum Paticumbum Prugurundum” (Império Serrano, 1982), “É Hoje” (União da Ilha, 1984)…

Há anos a fio, não se repetem refrões memoráveis como os dos sambas citados acima (e de dezenas de outros). Não poucas escolas têm deixado a impressão de que a regra é não ter refrão qualquer, não se destacar pela música, não fazer a plateia cantar em coro. Não houve revolução em 2012, mas a Mangueira atiçou essa saudade ao arriscar a paradona de sua bateria. Por dois minutos e meio, a escola e a arquibancada cantaram o samba-enredo sem acompanhamento, o que jamais poderia ter acontecido se não houvesse uma melodia minimamente convincente como retaguarda.

Sob o enredo “Vou Festejar, Sou Cacique, Sou Mangueira”, a escola investiu em clichês do tipo “eu sou o samba” e no artifício manjado de citar trechos populares de sambas antigos do bloco homenageado, o Cacique de Ramos. O samba contagiou e a paradona funcionou, no uníssono do refrão “vem festejar/ na palma da mão/ eu sou o samba/ a voz do morro/ não dá pra conter tamanha emoção/ Cacique e Mangueira num só coração”.

Desfile da Mangueira 2012

À parte a paradona e o refrão, a razão da empatia talvez estivesse acondicionada na ideia da escola, de fundir a voz do morro de sambas mangueirenses históricos ao pagode de asfalto do Cacique de Ramos, de onde saiu grande parte da geração 80 do samba carioca, do grupo Fundo de Quintal a Zeca Pagodinho. A mistura se consagrou logo na abertura do samba-enredo, apimentado pelo grito de guerra do Cacique, “rei, rei, rei”.

Desfile da Mangueira 2012

A natural e ao mesmo tempo surpreendente reunificação simbólica de Cartola e Zeca Pagodinho não rendeu à Mangueira mais que o sétimo lugar, o que não autoriza falar em triunfo da estratégia. Mas a harmonização de realidades até certo ponto conflitantes foi a senha de vitória neste carnaval da Sapucaí. O forró nordestino foi o elemento de solda das duas escolas vencedoras. A vitoriosa Unidos da Tijuca homenageou o pernambucano Luiz Gonzaga com o samba-enredo “O Dia em Que Toda a Realeza Desembarcou na Avenida para Coroar o Rei Luiz do Sertão”.

Vice-campeão, o Salgueiro ribombou uma telenovela global recente e louvou o Nordeste via literatura de cordel, com “Cordel Branco e Encarnado”.
Pode parecer óbvia em 2012 a aglutinação entre samba e baião, entre Nelson Cavaquinho e Luiz Gonzaga, entre Mano Décio da Viola e Jackson do Pandeiro. É óbvia mesmo, mas o carnaval carioca sempre preferiu a praia aos sertões, e raramente gostou de tratar baião como o samba do Nordeste, ou samba como o forró carioca. Tem sabor de uma amorosa reconciliação o triunfo musical e plástico de Unidos da Tijuca e Salgueiro, das citações forrozeiras no samba da primeira ao Pavão Mysteriozo e às baianas vestidas de cangaceiras do segundo.

Razão a mais para celebrar, foi nas baterias das escolas que a harmonização de falsos conflitos se fez mais eloquente. Houve o casamento entre música e silêncio operado pela Mangueira, mas não só. As baterias e equipes puxadoras dos sambas neste ano receberam as visitas de violinos (caso da São Clemente) e, obviamente, de sanfonas. Esta foi onipresente nas duas escolas vencedoras, em alegorias, fantasias e arranjos musicais. Coqueluche da vez, o paranaense Michel Teló deve ter ficado feliz — afinal, a pegada longinquamente nordestina da sanfona é uma das razões do sucesso internacional de sua “Ai Se Eu Te Pego”. Mas o real homenageado — e vencedor — de 2012 foi outro sanfoneiro, o rei do baião, Luiz Gonzaga, a quem a avenida carioca vem se render antes tarde do que nunca.

 

Siga o FAROFAFÁ no Twitter
Conheça nossa página no Facebook

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome