“Guerra Civil” retrata o jornalismo desprovido de jornalismo

0
271

A carnificina está ali para quem quiser ver, e talvez temer. Esse pode ser o recado principal de Guerra Civil, filme em cartaz e estrelado por Wagner Moura, que mostra um possível cenário de países que levam ao extremo a polarização política. A distopia do escritor e diretor britânico Alex Garland não poupa o espectador de execuções gratuitas, estúpidas e sumárias, justamente numa tentativa de dizer que as batalhas de qualquer época são mesmo violentas. Até aí seria apenas mais uma obra sanguinolenta de Hollywood, que nunca teve pudor em espetacularizar a morte. O problema é quando ela retrata um jornalismo desprovido de jornalismo, o que, aqui entre nós, pode ser chamado de desinformação.

Na trama, o ator brasileiro interpreta Joel, um jornalista norte-americano da agência Reuters, que está sempre atrás de uma boa história. Acompanhado de Lee Smith (Kirsten Dunst), uma veterana fotógrafa de guerra, eles decidem entrevistar o presidente dos Estados Unidos (Nick Offerman), confinado na Casa Branca. Ao insistir em permanecer no poder, o líder norte-americano joga uma guerra civil no colo da nação mais poderosa do planeta. Mas o filme começa dias antes, em Nova York, quando a dupla faz os preparativos para uma viagem que se sabe é perigosa e difícil de se chegar.

Ao embarcar nessa viagem até DC, em Washington, os jornalistas correrão muitos riscos, já que eles são considerados inimigos a serem tombados – é curioso que nunca se saberá por quem, porque a narrativa imposta por Garland recorre à desideologização da história. Uma facção rebelde separatista conhecida como Frente Ocidental também está a caminho da Casa Branca, para depor o presidente. Joel e Lee precisam chegar antes. Eles serão acompanhados por Sammy (Stephen McKinsey Henderson), um jornalista “do que restou do New York Times” – na fala de Joel – e da jovem Jessie (Cailee Spaeny), que está começando na profissão e é o espelho do que já foi um dia Lee.

Os quatro personagens formam um arquétipo do jornalista de guerra, na visão de Garland. Joel é um viciado em notícias, a ponto de ele interromper o “roteiro” de viagem apenas para satisfazer sua vontade sádica de ver um combate no front. Lee (Kirsten Dunst está ótima no papel) é mais consciente de seu papel no mundo: não cabem aos jornalistas julgar os fatos, mas informar para que todos os cidadãos sejam capazes de decidir por conta própria, ensina ela à novata. Mas Jessie é inconsequente, e não menos sedenta por ocupar um espaço profissional que Lee parece querer abandonar, depois de anos testemunhando carnificinas – e seus sonhos dizem isso. Já Sammy assume um tom paternalista, inclusive arriscando a própria vida para proteger o grupo.

A cada cena violenta, demente, despropositada, Garland apresenta não uma reflexão filosófica, aprofundada, e nem mesmo rasteira do que se passa na cabeça dos correspondentes de guerra. O diretor prefere “silenciá-los”, projetando sons aleatórios que nada contribuem para uma compreensão de cada personagem. No meio da viagem, um snipper dialoga com os jornalistas e, de repente, seu colega acerta o alvo (que jamais se saberá quem é) e a única frase que se ouve é “temos uma boa notícia”. Ao despojá-los de ideias, pensamentos, conflitos e dilemas psicológicos, a imagem que Guerra Civil passa são de jornalistas como profissionais abutres, apenas à espera do próximo cadáver. E é, literalmente, o que fará Joel numa cena emblemática no final do filme.

New York Times e Guardian, por exemplo, gostaram do que viram e produziram resenhas favoráveis ao filme Guerra Civil, puramente traçando o paralelo entre a história distópica de Garland com o mundo pós-trumpiano que vive, atualmente, o fantasma do retorno do republicano à Casa Branca. O ator brasileiro Wagner Moura cita a importância do filme para discutir as consequências da polarização desenfreada que ronda não só os Estados Unidos, mas também o Brasil e outras nações. Mas mesmo Moura, que é jornalista formado, e os veículos internacionais parecem não se importar muito para o fato de que jornalistas de guerra estão longe de serem pessoas inescrupulosas que registram a morte de colegas que acabaram de salvar a sua vida e partir para a próxima foto.

Se um filme, como Guerra Civil, precisa distorcer os fatos para vender uma mensagem, adentramos no campo da pura ficção – ou mesmo da desinformação. O jornalismo está cheio de falhas, sem dúvida, mas no longa – que já fez mais de 50 milhões de dólares em bilheterias nas duas primeiras semanas – ele parece ser uma profissão povoada de profissionais desprovidos de ética. Em outras palavras, futuros jornalistas: sejam humanos, empáticos, respeitem a vida e não acreditem em tudo o que vêem na tela grande do cinema.

Guerra Civil. De Alex Garland. Estados Unidos, 2024, 109 minutos.

PUBLICIDADE

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome