Vannick Belchior, de 24 anos (nasceu em Fortaleza em 24 de fevereiro de 1997), tinha entre 9 e 10 anos quando o pai a presenteou com um CD em que ele interpretava algumas de suas canções em espanhol. Um disco chamado La vida es sueño, uma reedição do selo Ouver Records de um álbum gravado em 1992 com parceiros do Uruguai, com uma dedicatória. Às vezes, Van, como seu pai Antonio Carlos Belchior a chamava, também era levada, quando ele estava em turnê pelo Nordeste, para acompanhar a montagem e o desenrolar de seus shows. A garota nunca perdeu de vista aquelas lembranças e aquele CD com a dedicatória para si, embora a vida a fosse afastando progressivamente do mundo musical – ela acabou se formando em Direito pela Universidade de Fortaleza (Unifor), e o disco se tornou o relicário mais precioso do pai que ela perderia em 2017, quando ele foi encontrado morto em uma residência na cidade de Santa Cruz do Sul, no Rio Grande do Sul.

Muitas vezes, entretanto, o chamado do palco fala mais alto e na tarde deste domingo, 1º de agosto, às 16 horas, a caçula dos quatro filhos de Belchior estreia como cantora na Cervejaria Capitosa, em Fortaleza, apresentando o seu primeiro show, que batizou de Coisas que aprendi nos discos (verso da canção “Como nossos pais”, joia do disco Alucinação, de 1976). O anúncio de que uma filha de Belchior estrearia como cantora causou ruidoso burburinho no universo de admiradores e ex-colaboradores de Belchior. Ela estará acompanhada pelo violão do multiinstrumentista e compositor Tarcísio Sardinha, que também acompanhou Belchior durante muitos anos (e também Fagner, Ednardo, Dominguinhos, entre outros).

Vannick dispôs no YouTube uma prévia do que pretende cantar: A palo seco, Na hora do almoço, Velha roupa colorida, Comentário a respeito de John, Sujeito de Sorte, Como nossos pais. No vídeo, ela fala também em “continuidade criativa” e analisa algumas das 17 canções que escolheu para sua estreia. “Dentro do que eu conheço do Bel, ele se inspirou muito naquela coisa mais country. Muito no Bob Dylan, de quem ele era muito fã”, diz Van, a respeito de “Comentário a respeito de John”. “‘Como nossos pais’, além de ser muito revolucionária, por causa da ditadura e todas as censuras, fala da perpetuação de muitos valores, conhecimentos, crenças. Acredito que muito que ele quis dizer nessa música é que a gente vai continuar sendo muito o que nossos pais foram, mas (devemos) incorporar nossa juventude, a nossa unicidade”.

Há diversos pontos de convergência que chamam a atenção na estreia de Vannick Belchior, além de uma grande semelhança física com o pai. Ela vai fazer 25 anos em fevereiro, o que faz com que os fãs evoquem um dos versos mais famosos do cantor: “Tenho 25 anos de sangue e de sonho e de América do Sul”. Alguns admiradores do mestre de Sobral também apontam uma semelhança no timbre de voz da filha e do pai. A cantora, muito conhecida dos fãs por sua constância no Instagram, parece ter consciência da dimensão do mito de Belchior, mas também demonstra autoconfiança e até se arrisca em fazer suas próprias interpretações do universo de temas e abordagens do artista. Vannick é filha de Belchior com a psicóloga Vilédia Bezerra de Souza.

“Coisas que aprendi nos discos”, com Vannick Belchior. Neste dia 1º de agosto (domingo), às 16h, na Cervejaria Capitosa (Av. Recreio, 1210, Lagoa Redonda).

 

 

 

 

 

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome