Reunião da diretoria colegiada da Ancine

A juíza federal Frana Elizabeth Mendes, da 26ª Vara Federal do Rio de Janeiro, deferiu liminar, no último dia 10 de outubro, em que torna nula a rejeição, pela Ancine, da prestação de contas do filme Zigurate, da produtora Ananã. O projeto é de 11 anos atrás e a rejeição foi divulgada esse ano, em um rumoroso pacote supostamente punitivo da agência de cinema.

A juíza determinou a suspensão do processo administrativo que a Ancine moveu contra a produtora, além de anular o prazo dado para pagamento do suposto débito, a instauração da Tomada de Contas Especial, a inscrição da empresa no Cadin (cadastro de inadimplentes),  sustou a aplicação de penas de inadimplência e inabilitação e a multa de 50% sobre o suposto débito.

O mandado de segurança que a produtora conseguiu é exemplar e deve ser usado agora por todos os projetos antigos que a Ancine resolveu examinar e recusar as contas após os filmes terem sido feitos, exibidos, as contas apresentadas e o seu percurso histórico ter se completado. A principal base de exame do caso pela Justiça é o fato de que não foi apontada qualquer irregularidade no projeto (o chamado dolo), mas a Ancine resolveu aplicar às produtoras a “régua” de prestação de contas dos dias atuais, mesmo o projeto tendo sido realizado sob outras regras. Documentos que não foram exigidos há 10, 11, até 15 anos agora estão sendo pedidos, e caso não sejam apresentados motivam a agência a fustigar as empresas audiovisuais com toda carga de sanção, o que foi considerado ilegal pela Justiça.

O caso Zigurate expõe como a Ancine agiu nessa sua nova determinação. Após ter sugerido a aprovação de contas da empresa, que passou anos enviando todos os documentos exigidos pela autarquia, a Ancine mudou o entendimento e passou a pedir notas fiscais de 11 anos atrás. O STF já decidiu que esse procedimento é nulo, mas a Ancine prossegue gastando tempo e dinheiro (com uma presumível força-tarefa formada somente para analisar casos antigos) do contribuinte para um resultado de flagrante ilegalidade.

O agravante, segundo a Justiça, é que o comportamento da Ancine impõe inegável prejuízo às atividades empresariais das produtoras, com o cadastro negativo e o impedimento de pleitear recursos. Os autos da decisão foram enviados ao Ministério Público para parecer. “A decisão é emblemática, por validar a determinação do Supremo Tribunal Federal”, disse o advogado Rafael Neumayr, do escritório Drummond e Neumayr Advocacia, um dos epresentantes da produtora. “Ninguém pode ficar em constante estado de insegurança, é indispensável a imposição de um limite temporal para que a análise de contas seja concluída”. Já de acordo com o advogado Arthur Lima Guedes, do Piquet, Magaldi e Guedes Advogados, também autor do pedido liminar, a decisão é importante até para a própria Ancine. “É essencial que a análise das prestações de contas ocorra dentro de um prazo razoável e com essa decisão damos um passo importante neste sentido. Uma grande vitória para ajudar na reorganização do setor do audiovisual”, afirmou.

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome