Letrux, Liniker, Luedji Luna, Maria Gadú e Xênia França. Cinco vozes femininas se unem em Acorda Amor, em torno de canções de apelo politicamente engajado.
Letrux, Liniker, Luedji Luna, Maria Gadú e Xênia França. Cinco vozes femininas se unem em Acorda Amor, em torno de canções de apelo politicamente engajado.

Cinco vozes femininas se unem em Acorda Amor, em torno de canções de apelo politicamente engajado

Acorda, amor/ o teto vai cair em cima de você/ sai logo da cama, vai/ vamo lutar, propõe o rapper Edgar, no poema Sem Preguiça pra Fazer Revolução, que fecha o CD coletivo Acorda Amor, protagonizado pelas cantoras Letrux, Liniker, Luedji Luna, Maria Gadú e Xênia França. Utilizando o mesmo título de uma antiga canção de protesto de Chico Buarque, o disco resulta de um espetáculo esboçado para o Sesc Pompeia como um baile de carnaval, em 2017, mas que ganhou contornos políticos graças à realidade ao redor.

Juntas, as cinco vozes plurais cantam a esperançosa Gente Aberta (1972), lançada por Erasmo Carlos, e, mais ao final, a grave Cansaço (2016), de Douglas Germano. Cansei/ de ver o melhor perder/ de ver o fraco morrer/ de fingir liberdade, reconhece essa última, em consonância com os tempos que correm. Entre a esperança e o cansaço, cada uma das cantoras elege temas prévios (uns célebres, outros obscuros) que encontram eco no Carnaval triste que o Brasil não cessa de atravessar. Letrux protagoniza Saúde (1981), de Rita Lee, e Sujeito de Sorte (1976), de Belchior. Xênia canta Assumindo (1985), de Leci Brandão, e Comportamento Geral (1973), de Gonzaguinha. Maria Gadú volta a O Quereres (1984), de Caetano Veloso, e recorre à recente e feminista Triste, Louca ou Má (2016), da banda Francisco, el Hombre

Liniker e Luedji se valem de repertório mais underground, a primeira com A Vida em Seus Métodos Diz Calma (1975), de Di Melo, e Não Adianta (1975), do Trio Mocotó, e a segunda com Obaluayê (1957), da Orquestra Afro-Brasileira, e Conflito (1976), de Pedro Santos. O todo soa urgente e eloquente, povoado de arranjos brilhantes. 

Acorda Amor. De Letrux, Liniker, Luedji Luna, Maria Gadú e Xênia França. Sesc.

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome