Capa do livro Dias de Tormenta, de Branco di Fátima
Em seu livro Dias de Tormenta, Branco di Fátima joga foco sobre a importância do que hoje chamamos de fake news na constituição de conflitos e insurreições.

Internet e fake news são as palavras-chave de Dias de Tormenta, do jornalista e escritor mineiro Branco di Fátima. O longo subtítulo joga luz sobre o objeto e as intenções do livro: Os movimentos de indignação que derrubaram ditaduras, minaram democracias no mundo e levaram a extrema-direita ao poder no Brasil. Sob esse recorte, o coletivo de histórias reunidas pelo autor parte de Chiapas, no México, em 1994, e passa por Seattle, nos Estados Unidos, em 1999, pela tentativa de golpe de Estado contra Hugo Chávez na Venezuela, em 2002, pela guerra dos Estados Unidos contra o Iraque, em 2003, e assim por diante, com passagens por Espanha, Irã, Egito, Tunísia e Portugal. Em cada um desses episódios, Di Fátima joga foco sobre a importância do que hoje chamamos de fake news na constituição de conflitos e insurreições como a Primavera Árabe de 2011 e, no Brasil, as jornadas de junho de 2013.

A parte final do livro se debruça sobre o Brasil natal e sobre como as jornadas de junho abriram caminho para golpismo, golpe e ascensão da extrema-direita ao poder pela via eleitoral – e sob saraivadas de fake news. O autor pinta um admirável mundo novo que oscila entre o otimismo (a autonomia insurrecional resultante do avanço da internet, os levantes erguidos – supostamente – sem a concorrência de poderes centrais) e o puro obscurantismo (como no caso brasileiro).

Dias de Tormenta. De Branco di Fátima. Geração, 272 págs., 55 reais.

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome