Dois ou três apontamentos do repórter Jotabê Medeiros sobre os shows de sexta-feira (16/10) do Popload Festival, no Audio Club

Iggy Pop no Pop Load Festival - Foto: Jotabê Medeiros
Iggy Pop no Pop Load Festival – Foto: Jotabê Medeiros

Quase todos os roadies de Iggy Pop pareciam ter mais de 70 anos

O baixista entrou vestido como um dos drugues de Laranja Mecânica, com chapéu coco e colete de gala. O baterista saiu direto de uma firma de demolição para o palco.

A voz de Iggy Pop é sempre inacreditável, mesmo que você já a tenha ouvido ao vivo umas quatro vezes. Sai de alguma região entre a garganta de Darth Vader e o recado metálico de Hal 9000, o computador de 2001 – Uma Odisséia no Espaço.

Iggy, com o microfone nos dentes, pendurado pelo fio, caminhava pelo palco como um doberman que tivesse se tornado dono da própria coleira. De vez em quando, ele olhava desafiadoramente para os camarotes, fazia gestos de quem ia mandar uma banana para os mais abonados, um John Lennon no papel de Caronte.

Os olhos azuis de Iggy são quase imperceptíveis sob a montanha de rugas e carões. Mas quando ele olha e aponta o dedo, parece que ele te escolheu, dá a nítida impressão que está olhando dentro da sua mente. “Sai dessa casca, cabrão!”. Sua coreografia de lagartixa em cima de fio elétrico desencapado fazia a noite estremecer.

No “Fun” abriu a jornada. Daí, em “I Wanna be Your Dog”, a segunda música, Iggy se jogou no público, um mosh para um resgate inacreditável da segurança. “The Passenger”, a terceira, era já a louca ideia de uma sonoridade socialista, incrivelmente acessível e sofisticada ao mesmo tempo, hit e anti-hit em uma coisa só. Com essas três músicas em sequência, até o ateu mais xarope passa a ser um crente.

 

Iggy Pop sorria bastante, demonstrava uma generosidade incrível para com seu público. Irônico é que, com o arrastão punk que ele promovia (“1969”, “Raw Power” e “Search and Destroy”, senhores, que coisa linda!), a playboyzada começava a achar que era punk também, entrava em rodas de pogo insanas e fazia uma purgação doida – para, amanhã, sei lá, quem sabe, sair por aí votando no João Dória Jr.

Mas, aos 68 anos, o que todo mundo arregala os olhos é para a forma física de Iggy. É o último Stooge, todos os outros morreram (Steve Mackay há alguns dias). Mas tem pinta que vai ainda muito longe nessa insanidade. Só teve um momento, durante “Sister Midnight”, que Iggy puxou uma cadeira do fundo e sentou nela, como um B.B. King do Inferno. Parecia que ia pedir arrego, sentou-se ali e começou a cantar. Mas aí ele levantou, pegou a cadeira e a esborrachou no chão.

Sem misericórdia, Iggy atravessou com garras de Wolverine os conceitos de idade, gosto, padrão, fórmula, e rasgou tudo de novo. “Fucking thank you”, ele disse para o público. Nós é que ficamos em débito, iguana.

Quem emparelhou Emicida e Iggy Pop no cast da noite foi um doido e um sábio ao mesmo tempo. Emicida veio com um pente enfiado no cabelo pixaim, e o saldo final do seu show foi: sorriso zero. Emicida é um missionário, mas é também um maestro, um arranjador de show ao vivo, um contrabandista de gêneros. Com enxerto de “Preciso me Encontrar”, de Candeia, e umas pitadas de Adoniran, ele arrombou a festa.

Iggy é o berro original, é o grito, arte bruta que dá pinta de ter vindo de um tempo em que ainda nem havia ainda conceitos de arte, de estética ou de mercado. Portanto, ele paira acima disso. Sua longevidade é um prêmio que nós nem merecemos.

Publicado originalmente em El Pájaro que Come Piedra

9 COMENTÁRIOS

  1. Beleza de texto, com rara e fina ironia – além das citações inteligentes – que não se encontra mais no jornalismo furreca que tem por aí. Morri de rir. Grande Jotabê.

  2. heh … no meu tempo, quem se apresentava pra playboy ( que amanhã, sei lá, quem sabe, sai por aí votando no João Dória Jr ) abrindo pra coroa-propaganda de perfume em casa noturna gourmet era chamado de vendido, não de missionário …

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome