Prorrogação é como um empréstimo consignado no banco: resolve teu perrengue naquele momento, mas depois vêm os efeitos colaterais – câimbras, distensões musculares, fadiga extrema, tudo com juros. Testa os fortes, pune os relapsos, tritura os terços, reaviva as ladainhas, cansa o secador, mina os nervos, quebra um Schweinsteiger e trava as pernas de um Feghouli.
    Prorrogação pode ser como um novo casamento aos 50 anos, no qual aquele interminável tempo que duraria uma vida inteira agora está resumido a dois tempos de 15 minutos – ou você marca agora, ou é empurrado precocemente para a aposentadoria das concessionárias de carro da Avenida Bandeirantes. Não pode fazer como o Lichtsteiner, da Suíça, que trombou com a bola aos 14 minutos do segundo tempo da prorrogação, caiu no meio de um argentino e aquele camisa 10 que não tinha feito nada de determinante até então carregou a caprichosa e a entregou como um garçom do Genésio para Di María esfoliar o corte do canivete suíço.
     Sob uma nuvem de spray de Cataflam, a prorrogação parece concentrar a esperança dos times limitados, que aspiram a uma série mágica de pênaltis que lhes possibilite, quem sabe, suplantar um favorito. Mas, em geral, é uma falsa impressão. Tanto quanto pode redimir, a prorrogação pode significar apenas dar mais corda para o enforcado. Pode ser um Esperando Godot eterno. O time que nasce depois do apito do tempo regulamentar esgotado, no caso dessa Copa do Mundo, tem sido mais paixão do que redenção. E o pênalti mágico, como nos ensinou a Costa Rica, não existe: existe o rigor, a mira, o chute calibrado.
     Uma Argélia insinuante, com 30 minutos a mais, poderia realmente derrotar a Alemanha de aplicação marcial e eficiência IS0 9001 de Schürrle, Özil e Muller? E se o jogo continuasse por mais um dia inteiro, ainda assim aquela voluntariosa dedicação de Green, Dempsey e Jones poderia sublimar a novidade de Hazard e daquele príncipe Harry da Bélgica, o redneck Kevin De Bruyne? Convenhamos, Howard não tinha como fazer milagre a tarde toda, entrando noite adentro.
    Mas, sem escolha, o ano do fut acaba consagrando a prorrogação como território da extrema unção esportiva, o ápice de uma nova dramaticidade. Cinco dos oito jogos da Copa 2014 arrastaram-se para os agônicos dois tempos de 15 minutos (com os três ou quatro minutos extras arbitrados pelo homem de preto). E, se o leitor não lembra, tudo isso começou até antes da Copa, no dia 24 de maio, com a final em Lisboa da Liga dos Campeões da Europa, entre Real Madrid e Atlético de Madrid.
     Naquele dia que parou Lisboa, o aparentemente imbatível Real Madrid ia perdendo até os 47 minutos do segundo tempo regulamentar, quando Sergio Ramos fez um gol de cabeça e empatou a partida. Por alguns segundos, o Atlético de Madrid sagrava-se campeão, mas o destino estava matreiro naquele dia. Após o empate, a situação mudou drasticamente: o Real Madrid voou em campo e goleou o Atlético por 4 a zero. A prorrogação esperava o verdadeiro dono da chave do tempo.

     Até essa Copa, a prorrogação (ou tiempo extra, como prefere Di María) era como os extras de um DVD: quase nunca a gente extraía nada de bom daquelas sobras que eram vendidas como  dádivas do cineasta para o espectador. Mas agora há essa nova dramaturgia em ação, uma espécie de roteiro do desespero que se vem encenando com notáveis coadjuvantes e inesperado impacto – a cabeçada suíça na trave, nos últimos minutos do segundo tempo da prorrogação contra a Argentina ainda está vibrando no Itaquerão, como um silvo de advertência. A imagem de Müller catando cavaco naquela cobrança de falta, como que desmascarando a fama de infalível dos alemães, passa para a História. Um dia, essa ciranda do tempo extra vai escolher seus novos senhores, como reza a profecia de Nossa Senhora dos Catimbeiros de Outrora. 
AnteriorBESTIÁRIO
PróximoO silêncio de Ben Jor
Jotabê Medeiros, paraibano de Sumé, é repórter de jornalismo cultural desde 1986 e escritor, autor de Belchior - Apenas um Rapaz Latino-Americano (Todavia, 2017), Raul Seixas - Não diga que a canção está perdida (Todavia, 2019) e Roberto Carlos - Por isso essa voz tamanha (Todavia, 2021)

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome