última vez na cidade do méxico tinha sido em 1998.
não mudou muito.
lindos táxis fusquinhas.
comida de rua fabulosa.
pimenta até na quiche de jamon e queso do starbucks.
a cidade do méxico é são paulo escarrada e cuspida. nos faróis do centro, lavadores de parabrisas lavam o parabrisa mesmo à revelia do motorista.
amanhã começam os festejos do dia dos mortos.
o méxico está eufórico com a performance no panamericano.
o santos mexicano perdeu do tigre.
amanhã visitarei o templo mayor.
tenho planos também de comer no cielo de cortés, que dizem que é bacana.
y por hoy es solo eso, compays.

AnteriorAdocica, meu amor
PróximoViva o Saci Pererê
Jotabê Medeiros, paraibano de Sumé, é repórter de jornalismo cultural desde 1986 e escritor, autor de Belchior - Apenas um Rapaz Latino-Americano (Todavia, 2017), Raul Seixas - Não diga que a canção está perdida (Todavia, 2019) e Roberto Carlos - Por isso essa voz tamanha (Todavia, 2021)

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome