(foto de juvenal pereira)

PENEDO (AL) – Josenaldo Veríssimo dos Santos é conhecido em sua cidade simplesmente pelo nome de Nazo. Vende amendoim cozido a R$ 1,00 o saquinho no cais da cidade de Penedo, em Alagoas, a duas horas de carro de Maceió, a 20 passos do Rio São Francisco. É uma personalidade da sua terra por dois motivos: primeiro, porque trabalha vestido de mulher, maquiado, brincos discretos (à noite ele capricha mais, vai para a carrocinha de amendoim usando vestidos de noite, bijuterias glamurosas, salto alto); segundo, porque os moleques não o molestam, as senhoras não se espantam, os religiosos não o perturbam. Nazo não é discriminado, é querido por toda sua comunidade.
– Você gosta de usar salto alto, Nazo?
– “Adoro. É como se nunca tivesse usado outra coisa”.
– Você sabe o que é drag queen?
– “Sei. Tenho muitos amigos que são drags. Mas não sou drag, eu me visto assim mesmo”.
– Quantos anos você tem, Nazo?
– “51”
Quando a viagem recomeça, o motorista Júnior desconfia.
– “Ele disse 51? Bom, deve ter 51 em cada perna”.

(publicado no blog antigo em agosto de 2006)

AnteriorFALA, LÍNGUA
Próximocaderno de esboços de turnês
Jotabê Medeiros, paraibano de Sumé, é repórter de jornalismo cultural desde 1986 e escritor, autor de Belchior - Apenas um Rapaz Latino-Americano (Todavia, 2017), Raul Seixas - Não diga que a canção está perdida (Todavia, 2019) e Roberto Carlos - Por isso essa voz tamanha (Todavia, 2021)

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome