quarta-feira, julho 6, 2022

“Os nossos mortos continuam vivos, quando lhes cultuamos a memória”

Maria Firmina dos Reis, Úrsula: Uma história em quadrinhos. Capa. Ilustração de Marcos Caldas. Reprodução
Historiador Iramir Araújo lança hoje em São Luís, HQ sobre vida e obra de Maria Firmina dos Reis Historiador e mestre em História Social pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA), já há algum tempo Iramir Araújo vem dando uma inestimável contribuição para a ampliação do alcance de determinados autores maranhense, suas obras e histórias. Envolvido também com publicidade, ele carrega...

O desconforto de “A Pediatra”, de Andréa Del Fuego

A escritora Andréa Del Fuego, autora de "A Pediatra"
Cecília é aquela profissional distante, protocolar e calculista. Como pediatra, ela é uma ótima burocrata. Todas as suas condutas médicas passam pelo tratamento padronizado de longos anos de carreira, vinculados ao histórico familiar de atuação médica.  Enquanto ela detesta lidar com responsáveis preocupados e, nas suas consultas, corta cirurgicamente as relações médico-paciente que podem se estender por mais de alguns...

Um passeio pelo reino das sombras com Leonard Cohen

A elegância, o charme, a beleza dos coros em suas canções, os ternos bem cortados, o sorriso generoso e compreensivo. Quem julgar o poeta, cantor e compositor canadense Leonard Cohen pelas aparências nunca terá a mais remota ideia do Inferno que vive debaixo da obra dele. Mas agora já poderá ter. Chega às livrarias essa semana o livro póstumo A...

Biografia ilustrada voltada ao público infantojuvenil homenageia Maria Firmina dos Reis em seu bicentenário

A jornalista e escritora Andréa Oliveira e sua nova obra. Foto: Tay Oliveira. Divulgação
Hoje (11) completam-se 200 anos do nascimento da maranhense, abolicionista e pioneira; livro de Andréa Oliveira, ilustrado por Mônica Barbosa, ajuda a despertar interesse de crianças e adolescentes pela vida e obra da escritora e compositora Neste 11 de março celebra-se o bicentenário da escritora e compositora Maria Firmina dos Reis, abolicionista que, como muitos artistas brasileiros, faleceu esquecida. Nascida...

Memórias de um domador de estrelas

1990 foi um ano muito louco. Se você quiser saber como Bob Dylan, naquele ano, passando de ônibus pela Serra de Itatiaia (parque nacional no Rio de Janeiro), pediu para descer e passou uns dias incógnito no alto daquela montanha; como todo o grupo Bon Jovi, entre um show e outro de sua turnê brasileira, em janeiro daquele ano,...

A beleza de Davi contra o Golias da barbárie

Um conto para Davi dormir. Capa. Reprodução
Escrito e ilustrado por Susana Pinheiro, conto marca estreia da artista plástica na literatura O Davi do título do livro de Susana Pinheiro é seu filho, hoje com 11 anos, e a história que ela conta, evocará as melhores lembranças nos meninos e meninas que teimamos em guardar em nós, apesar de atualmente tudo no mundo recomendar absolutamente o...

Cinco poemas traduzidos de Heriberto Yépez

POESIA CONTRA A ESTUPIDEZ   Por Ademir Assunção     Tijuana, cidade mexicana, na fronteira com os Estados Unidos da América: um gigantesco muro de aço a separa de San Diego, no lado norte-americano (qualquer semelhança com o antigo muro de Berlim é mera coincidência?). De um lado, a opulência do maior império do planeta. Do outro, um aglomerado de quase 2 milhões de...

A palavra-vida e sua coreografia nunca ensaiada

Pequena coreografia do adeus. Capa. Reprodução
Em “Pequena coreografia do adeus”, Aline Bei aprofunda seu balé literário, prosa poética já experimentada (e aprovada) em livro de estreia As palavras literalmente dançam na prosa fluida de Aline Bei em “Pequena coreografia do adeus” . A escritora paulista foi merecedora de todos os prêmios que amealhou com “O peso do pássaro morto” , comovente livro de estreia da...

Um tour pela garçonnière perdida de Oswald de Andrade

O pequeno elevador com portas de ferro pantográficas (de fechar manualmente) está quebrado. São só três andares, quase todos vazios - alguns têm apenas equipamentos de combate ao fogo pelos corredores, banners e postêres pelas paredes, uma maca com um boneco de botas de borracha para exercícios de evacuação e um quarto-sala de aula sempre cheio de aprendizes de...

“Lances de agora” e sempre

Lembranças, lenços, lances de agora. Capa. Reprodução
O poeta e jornalista Celso Borges se debruça sobre São Luís e o universo de Chico Maranhão para contar a história de “Lances de agora”, obra-prima lançada pelo compositor em 1978 Uma aura mágica e mística sempre envolveu “Lances de agora”, disco ao mesmo tempo profano e sagrado, gravado por Chico Maranhão na sacristia da Igreja do Desterro, em junho...