Quase trinta anos após o início de sua publicação, em 1993, volta às livrarias brasileiras em edição luxuosa, completa e com admirável fortuna crítica a obra que inaugurou um gênero no jornalismo moderno, o jornalismo em quadrinhos. Trata-se do álbum “Palestina”, do norte-americano Joe Sacco, um clássico na acepção mítica da palavra.

Com prefácios do ensaísta Edward Said, do jornalista e professor da PUC, José Arbex Jr., e uma espécie de sketchbook do próprio Sacco (que influi fotografias que inspiraram os quadrinhos), “Palestina” é uma introdução minuciosa, didática e crua às razões e contrarrazões enfileiradas no debate sobre o conflito entre israelenses e palestinos, mas sem a “muleta” da isenção. Declaradamente privilegia a visão de um lado, o palestino, mas é como o autor declara: “Minha posição foi e ainda é que a visão do governo israelense já está bem representada pela grande mídia norte-americana”.

A origem de “Palestina”, uma obra que se insurge vigorosamente contra a chamada “engenharia do consenso” midiatica (como assinala José Arbex), remonta a 1981, quando Joe Sacco começou a duvidar das versões oficiais sobre uma terrível tragédia no Oriente Médio. Em 1982, o então premiê israelense Ariel Sharon (1928-2014) ordenou suporte militar a uma ação nos campos de refugiados libaneses de Sabra e Chatila, onde estavam milhares de palestinos (a maioria mulheres e crianças). O resultado foi o massacre de 5 mil refugiados.

O cartunista então resolveu viajar para a Palestina, no inverno de 1991-1992, vivendo lá por dois meses inicialmente. Antes de começar sua jornada, Joe Sacco leu Edward Said (A Questão da Palestina), Noam Chomsky (The Fateful Triangle) e Christopher Hitchens (Blaming the Victims). Em terras palestinas, o artista entrevistou mais de 100 pessoas, e iniciou sua progressiva transcrição daquelas cenas e depoimentos a uma visão gráfica que tivesse a credibilidade de um testemunho documental. Não só conseguiu como abriu um veio de investigação permanente, hoje ocupado por centenas de cartunistas do mundo todo. O próprio Sacco ganharia um Prêmio Eisner mais adiante, por Uma história de Sarajevo (Conrad, 2003).

“Palestina” foi publicado originalmente em edições de 24 e 32 páginas, lançadas entre o início de 1993 e o final de 1995. Em 1996, ganhou uma compilação completa, e sua reputação correu o mundo. Descreve da vida cotidiana em territórios ocupados a estratégias de tortura de tribunais. “Sacco dá uma cara aos árabes sem cara”, diz José Arbex.

O estilo de Sacco, num limiar entre o cartunesco e o realístico, entre a tensão e a quase pasmaceira, um estado realçando o outro, é trabalhado em preto e branco na obra que a Veneta está lançando, com tradução de Cris Siqueira.

Palestina. De Joe Sacco. Veneta Editora, 328 páginas, 110 reais

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome