Alex Braga Muniz, à direita, durante sabatina ontem no Senado Federal Foto de Jefferson Rudy/Agência Senado

Na última segunda-feira, dia 5, o Ministério Público Federal (MPF) do Rio de Janeiro voltou a pedir à Justiça Federal tutela de urgência em relação à Agência Nacional de Cinema (Ancine) por considerar que a instituição, questionada pela Justiça, não apresentou um plano de ação razoável e tampouco se dispôs a destravar os investimentos no setor. O MPF considera que a atuação da diretoria da agência segue causando insegurança jurídica e “incalculáveis prejuízos econômicos e sociais à indústria audiovisual do País”.

A tutela de urgência, uma intervenção na agência, teria o propósito de obrigar os demandados (a diretoria) a concluírem todos os processos referentes a editais entre 2016 e 2018 no prazo de 90 dias, sob pena de multa diária pessoal de no mínimo R$ 1 mil (descontada no salário de cada diretor).

Em audiência de conciliação no mês passado ante o juiz da 11ª Vara Federal, Vigdor Teitel, a atual direção interina da agência propôs concluir a análise de 208 projetos em 165 dias, o que prorrogaria por quase seis meses, no entender do MPF, a análise de projetos que já se arrastam há mais de 5 anos. O MPF considera a proposta até insultuosa por não representar “modificação alguma no ritmo moroso atualmente imprimido para conclusão dos processos de fomento”.

A diretoria da Ancine que foi convertida em ré de ação civil pública por improbidade administrativa (Alex Braga Muniz, Vinicius Clay Araújo Gomes, Edilásio Santana Barra Júnior e o procurador Fabricio Tanure Duarte) informou à Justiça Federal que não tem interesse no acordo de não-persecução penal proposto ao juízo, e sua negativa foi considerada prejudicial à proposta de conciliação do MPF, retornando-se ao ponto de inércia anterior.

Ontem, a Comissão de Educação (CE) do Senado Federal aprovou os nomes de Alex Braga Muniz (para assumir como diretor presidente da Ancine a partir de 20 de outubro), Vinicius Clay e Tiago Mafra dos Santos para compor a nova diretoria da agência. Os senadores ignoraram advertência de que tanto Braga Muniz quanto Clay são réus na Justiça Federal. Houve, inclusive, apresentação de documento com informação falsa. Sobre a sabatina, leia logo mais aqui artigo da equipe do Farofafá com avaliação da audiência pública. As indicações dos diretores seguem agora para análise do plenário do Senado.

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome