O filme Coisa de Mulher, primeira produção da SBT Filmes em associação com Warner e Diler, foi dirigido por Eliana Fonseca em 2004

No último dia de 2020, a Agência Nacional de Cinema (Ancine) reprovou as contas do filme Coisa de Mulher, a primeira produção da SBT Filmes, mais a Warner e a Diler & Associados e dirigido por Eliana Fonseca há 16 anos. A agência exige que a produtora Diler & Associados devolva integralmente à União o valor disponibilizado para a produção a partir de 2004, com multa de 50% do valor do débito atualizado. A empresa tem 30 dias para recolher o valor ou terá o nome inscrito no Cadastro de Inadimplentes (Cadin) e não poderá mais pleitear financiamentos públicos.

Dirigida por Diler Trindade, a Diler & Associados é uma das maiores produtoras brasileiras, responsável por levar mais de 30 milhões de pessoas ao cinema com 36 longas-metragens, e à qual se deve crédito de grande parte da saúde comercial do cinema brasileiro. Produz filmes desde os anos 1980 e fez história com 5 produções recordistas de público em um único ano: Didi, o Cupido Trapalhão, Maria, Mãe do filho de Deus, Xuxa Abracadabra, Dom e Um Show de Verão.

Com a publicação de diversas rejeições desse tipo, a Ancine persiste numa política que já foi condenada pela Justiça. No dia 10 de outubro, a juíza Frana Elizabeth Mendes, da 2ª Vara Federal do Rio, tornou nula a rejeição das contas do filme Zigurate, da produtora Ananã, de 11 anos atrás. A juíza se baseou no fato de que não foi detectada qualquer irregularidade nas contas da produtora, além de a prestação de contas ter sido feita com outro regramento da agência, que mudou a postura recentemente. Foi anulada a inscrição no Cadin, a inabilitação e as multas. Os advogados da Ananã argumentaram que essas cobranças sem base legal criam insegurança jurídica.

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome