Wagner Moura e Ana de Armas na citada cena com a tecelã. Netflix/ Reprodução
Wagner Moura e Ana de Armas na citada cena com a tecelã. Netflix/ Reprodução

A explosão da sede da Organização das Nações Unidas (ONU) em Bagdá em 19 de agosto de 2003, na qual o diplomata brasileiro Sérgio Vieira de Mello (1948-2003) morreu, soterrado nos escombros, é o mote de “Sergio” [Netflix, drama, 2020, 118 minutos].

A partir dali desenrola-se a trama em um bem amarrado jogo de flashbacks que mescla a trajetória profissional do protagonista, sua vida pessoal e doses de ficção.

A Al Qaeda assumiu a responsabilidade pelo ataque e afirmou que o brasileiro, então Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, era o principal alvo.

O filme de Greg Barker (autor de um documentário sobre o diplomata, com o mesmo título, também disponível na Netflix) equilibra-se em uma linha tênue entre o documentário/biografia e o drama/romance, tendo como fio condutor da narrativa o relacionamento de Sérgio Vieira de Mello e a argentina Carolina Larriera, interpretados pelo brasileiro Wagner Moura e pela cubana Ana de Armas, em atuações exuberantes.

É comovente a cena em que, no jogo da conquista, ele dedica a ela, dizendo “tenho uma canção para você”, enquanto liga o som e faz tocar “As rosas não falam”, de Cartola, na interpretação do compositor – a outra música da trilha sonora é “Oração ao tempo”, interpretada por seu autor, Caetano Veloso, nos créditos finais.

“Sergio”, o filme, perpassa outras missões empreendidas pelo brasileiro, como a independência de Timor Leste, após mais de duas décadas em guerra com a Indonésia.

Outra cena comovente é o desejo que o diplomata ouve de uma tecelã, em Timor-Leste. Com um quê poético de Mia Couto ou Manoel de Barros, ela revela querer, quando morrer, voltar em forma de chuva para ficar para sempre em sua terra.

Mas o mais revelador de “Sergio” não está no filme: a saudade que sentimos de quando o Brasil era potência e referência em se tratando de diplomacia internacional, quando vemos o bolsonarismo de Ernesto Araújo et caterva.

*

Veja o trailer:

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome