O artista visual Alexandre Mourão. Retrato: Zema Ribeiro
O artista visual Alexandre Mourão. Retrato: Zema Ribeiro

O bando de Lampião teve seu fim com a decapitação de seu líder e outros cangaceiros na grota do Angico há 81 anos. Mas o imaginário do cangaço segue firme e forte 81 anos depois.

Foi inaugurada hoje (9) na Sala de Exposições do Condomínio Fecomércio (Av. dos Holandeses, Jardim Renascença II) a exposição “Aquarela Cangaço”, do artista visual Alexandre Mourão, professor do curso de Artes Visuais da Universidade Federal do Maranhão (UFMA).

Cerca de 20 telas aliam a delicadeza da aquarela à brutalidade em geral atribuída aos cangaceiros, ao redor dos quais em geral orbita a questão “heróis ou bandidos?”. Alexandre Mourão recria, com alguma liberdade, o universo do cangaço, entre utensílios e personagens, a partir de fotografias de livros de Frederico Pernambucano de Melo e fotografias de Fred Jordão e do libanês Benjamin Abraão – retratado em “Baile perfumado” (1996), de Paulo Caldas e Lírio Ferreira.

"Tributo a Bacurau". Foto: Zema Ribeiro
“Tributo a Bacurau”. Foto: Zema Ribeiro

Uma tela, particularmente, chama a atenção. Intitulada “Tributo a Bacurau”, mostra cangaceiros numa escada, remetendo tanto ao fato de o imaginário do cangaço seguir vivo (a despeito da por demais conhecida foto das cabeças cortadas) quanto à fachada do Museu Histórico de Bacurau – o filme de Kléber Mendonça Filho e Juliano Dornelles tem uma cena que remete à degola dos cangaceiros, numa homenagem explícita. Detalhe: o artista pintou a tela antes de assisti-lo.

A vernissage contou com a presença do escritor Robério Santos, que exibiu alguns objetos, entre réplicas de chapéu, bornal e alpercatas de cangaceiros, até punhais, um deles utilizado por Zé Baiano – personagem da biografia homônima que ele lança hoje (9), às 19h, na Livraria Poeme-se (Rua de Santo Antonio, 264-A, Centro). Ele autografa também “As quatro vidas de Volta Seca”.

“Aquarela Cangaço” fica em cartaz até 31 de outubro.

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome