Como obsessivo jazzista que é, Woody Allen trabalha no cinema várias vezes o mesmo fraseado de clarineta, com possibilidades infinitas.
Assim, o desmanche progressivo de Ginny (Kate Winslet) em Roda Gigante, seu novo filme, remete diretamente ao derretimento nervoso de Cate Blanchett em Blue Jasmine.
Carolina (Juno Temple), a ex-mulher de gângster que é uma verdadeira lótus florescida na lama, é uma variação sobre o tema de Mira Sorvino em Poderosa Afrodite, a prostituta ética e pura.
“Então somos nós mesmos que decidimos nossas tragédias?”, pergunta Ginny ao guarda-vidas Mickey (Justin Timberlake). Não, há também outros fatores comandando, como o destino, responde Mickey.
É nessa questão que se equilibra Roda Gigante (Wonder Wheel) – o quanto arbitramos de nosso em uma vida operosa, modesta, sequestrada pela louça suja, pelo peixe a ser frito antes de apodrecer, pelo hábito de ver o futebol da Taça São Paulo, de rir sempre das mesmas piadas.
A tragédia ronda o parque de diversões de Coney Island, em algum ponto dos anos 1950. A praia cheia, o boné antigo do bilheteiro, os maiôs, os marines. Em dado momento, o freak show do parque de diversões de Woody até me lembrou Diomedes, de Lourenço Mutarelli.
O garoto piromaníaco, filho de Ginny: é impossível deixar de amar o garoto incendiário que taca fogo na escola, no condomínio e até na psicanálise. E o jeito carinhoso como Humpty (Jim Belushi) acaricia as notas de um dólar na caixinha do seu carrossel. E o olhar turvo de Mickey ao se dar conta de sua própria tragédia – ao final, o guarda-vidas que ama Eugene O’Neill perde as duas vidas que lhe são efetivamente confiadas.
Eu amei o filme. Sei que Woody Allen sempre vai preferir ragtime, jazz da primeira metade do século 20 na sua trilha fascinante. Mas eu teria mudado uma coisinha: eu teria terminado o filme com Coney Island Baby, de Lou Reed. Não teria a menor dúvida:

AnteriorABRINDO OS TRABALHOS 2018
PróximoDINOS
Jotabê Medeiros, paraibano de Sumé, é repórter de jornalismo cultural desde 1986 e escritor, autor de Belchior - Apenas um Rapaz Latino-Americano (Todavia, 2017), Raul Seixas - Não diga que a canção está perdida (Todavia, 2019) e Roberto Carlos - Por isso essa voz tamanha (Todavia, 2021)

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome