“Não fala com pobre/ não dá mão a preto/ não carrega embrulho/ pra que tanta pose, doutor?/ pra que esse orgulho?” A Câmara Federal brasileira presidida por Eduardo Cunha (PMDB-RJ) ressuscitou na quarta-feira 6 de maio, com excessos grotescos, os versos do velho samba “A Banca do Distinto”, apresentado em 1959 pelo paraense Billy Blanco e interpretado no passado por gente bamba como Dolores DuranIsaura GarciaElza Soares, Claudette SoaresMarília MedalhaDoris MonteiroElis Regina.

No papel do “distinto” doutor que manda, faz e arrebenta, o deputado civil ex-comunista pernambucano Roberto Freire (PPS-SP) representou o eleitorado paulista na atitude pré-histórica de partir para a agressão física contra um colega negro, o baiano Orlando Silva (PCdoB-SP), e, em seguida, contra uma colega mulher, a paranaense Jandira Feghali (PCdoB-RJ).

11188163_963209163690735_8666015232955633581_n

11193301_963209280357390_2044441866512625004_n

988536_963209477024037_8637590665176681276_n

11165192_963209710357347_8271804454673929068_n

11150475_963209813690670_1658123254910456850_n
Fotos Lula Marques

No papel de “distintíssimo” doutor, o deputado militar tenente-coronel sergipano Alberto Fraga (DEM-DF) complementou a viagem ao trem-fantasma do obscurantismo político afirmando ao microfone, em referência a Jandira, que “quem bate como homem deve apanhar como homem também“.

Líder operador da radicalização reacionária da Câmara Federal em parceria com a mídia tradicional, o carioca Eduardo Cunha assistiu ao ~confronto~ (como definiria aquela mesma mídia) com cara de Eduardo Cunha.

As parcelas da sociedade brasileira que sustentam panelaço de cala-boca contra presidenta mulher e espancamento em massa de professoras mulheres (e homens) reagiram com o habitual silêncio tradutor de tácita aprovação.

A turma do machismo ~cordial~ e da misoginia ~fofa~ partiu imediatamente para a operação-abafa de sempre, prometendo que Jandira ~exagera~, se fazendo de vítimas e culpabilizando os agredidos pelas agressões. É aquela manjada linha ~lógica~ que começa no ~um tapinha não dói~, vai dar no ~estupra, mas não mata~, sonha com a redução da maioridade penal e com o raramente explicitado ~prende, arrebenta, tortura, estupra e mata~.

O pandemônio político parece amplo, geral, irrestrito.

O deputado ex-comunista estapeia, empurra e aperta companheir@s de PCdoB (Partido Comunista do Brasil) enquanto aguarda a fusão de seu partido, PPS (Partido Popular Socialista), ex-PCB (Partido Comunista Brasileiro), com o PSB (Partido Social Brasileiro) do pernambucano Eduardo Campos e da acreana Marina Silva.

O PSB, que ocupa a vice-governança do estado de São Paulo sob as ordens do PSDB (Partido Social-Democrata Brasileiro), aguarda a adesão da paulista Marta Suplicy, ex-petista antipetista feminista pró-direitos humanos que passou toda sua carreira política no PT (Partido dos Trabalhadores) e agora está a um passo de se tornar correligionária do cavalheiro Freire e linha auxiliar dos ex-inimigos tucanos paulistas José Serra Geraldo Alckmim.

O deputado Fraga, ex-policial militar, fala da tribuna em nome do partido conservador direitista que, sob antigos nomes (PFL, PDS, Arena), governou a ditadura civil-militar brasileira de 1964-1984. Todo vincado de botox, o partido do distinto agora se chama Democratas.

Nas ruas e nas sacadas de edifícios de luxo, o ~povo~ branquinho governado pelo clandestino PIG (Partido da Imprensa Golpista) clama por uma ~intervenção militar constitucional~ que jogue por terra todas as leis elaboradas ao longo de décadas por políticos do PT, do PCdoB, do PSB, do PPS, do PSDB e do DEM.

Está todo mundo louco?

A deputada Jandira Feghali, conhecida de FAROFAFÁ por sua militância parlamentar junto à música brasileira, à cultura e aos direitos humanos, aproveita a deixa do relato por telefone dos inaceitáveis acontecimentos na “casa do povo” para tentar nos ajudar a decifrar que diabos está acontecendo com o Brasil.

 

Pedro Alexandre Sanches: Gostaria que a senhora contasse exatamente o que aconteceu ontem no plenário.

Jandira Feghali: O Orlando Silva estava ao microfone reagindo àquela atitude da Força Sindical de jogar notas de papel e solicitando ao Eduardo Cunha que apurasse.

PAS: Para quem não acompanhou, o que a Força Sindical estava fazendo?

10989463_963210960357222_7813893118892612880_o
Foto Lula Marques

JF: Estava jogando dinheiro de papel, dinheiro falso, lá de cima, no plenário da Câmara. Orlando estava no microfone exigindo que as câmeras filmassem os responsáveis por aquela agressão à casa. Eu não sei o que ele disse que Roberto Freire se doeu e começou a bater, a dar uns tapas nas costas do Orlando. Eu estava do lado, falando no telefone, e botei o braço atrás do Orlando pra proteger, como quem quer dizer “não toca nele”. Freire pegou meu braço e puxou com força, e ficou segurando embaixo. Obviamente não aceitei, “não toca em mim, tira o braço”, juntou aquele monte de gente. Aí o caldo entornou, foi uma confusão desgraçada.

Aí vou pro microfone e denuncio o que tinha acontecido. Quando estou dizendo que vou levar a questão ao Conselho de Ética, entra o Alberto Fraga no microfone e diz que quem bate como homem tem que apanhar como homem. Ou seja, aí estão duas coisas graves. Primeiro, o preconceito contra a mulher na política. Segundo, eu não agredi ninguém, ao contrário, eu fui agredida. Ele tentou virar a agressão, como se eu tivesse agredido o Freire. Na nota de esclarecimento que soltou, ele diz isso, que eu estava agredindo o Freire e por isso ele foi defender o Freire.

PAS: E o que seria mulher agir como homem, deputada?

JF: Pois é, mulher que faz política, que é firme nas suas posições, que reage, que defende é homem. Lugar de mulher não é na política, não é no plenário, e nem é na sua própria defesa, na sua altivez, na sua dignidade. Essa é a cabeça dele em relação às mulheres. Mulher pra ele deve ser aquela que fica lavando roupa, no tanque, segurando as tarefas domésticas. Quando ele disse isso, não só quebrou o decoro como fez uma ameaça de agressão. Aliás, a história do Fraga todo mundo sabe aqui em Brasília. É um coronel reformado da Polícia Militar, tem denúncias de ligação com esquadrão da morte, defende que deputado ande armado aqui dentro. Quando acabou a confusão, pedi a palavra como líder e falei o que tinha que falar. Estamos agora fazendo o processo, vamos processar o Fraga. O Freire foi pra tribuna pedir desculpa, disse que não foi intencional, que foi só uma reação.

PAS: Pediu desculpa só à senhora, ou ao Orlando também?

JF: Não, ao Orlando não pediu desculpa, não. Só a mim.

PAS: Ele tinha dado tapas nas costas do Orlando? Foram fortes?

JF: Ele estava completamente desestruturado, destemperado. Foi à tribuna pedir desculpas a mim, ao Orlando não pediu. Do Fraga, pegamos as fitas, o advogado já está elaborando o processo. Vamos fazer um pra dentro e outro pra fora, quebra de decoro e processo penal em relação à ameaça.

PAS: Ao Freire não caberia processo também?

JF: Até caberia, mas vamos avaliar sabendo da atitude dele de se desculpar comigo.

PAS: Eu queria aproveitar esse episódio pra tentar fazer com a senhora uma análise de conjuntura, do que é isso que está acontecendo na Câmara e no Brasil. A senhora falou que nunca tinha passado por algo semelhante como parlamentar.

JF: Nunca, jamais. O fato de eu ser a única mulher lider de bancada já incomoda na cabeça desses caras. Mas eu tenho sido muito firme nas minhas posições, falo em plenário, polarizo com a oposição. Tenho uma atitude muito clara na minha participação política como líder aqui. O partido dá opinião o tempo todo através do meu exercício da liderança. Digo o que penso e polarizo com a oposição num excelente nível de debate. Mas eu esperava ser alvo de ataque político, não de ataque físico. O nível de intolerância, ódio e preconceito que a sociedade está expressando se reflete aqui dentro.

PAS: E notoriamente estamos numa legislação conservadora e reacionária também.

JF: Muito, muito conservadora. O Fraga é um fascista. A legislatura cresceu muito sob o conservadorismo, ele faz parte da bancada da bala, nesse estado policialesco que estamos vivendo. Para além do preconceito com a mulher, agregou ódio e intolerância, que é o que você vê na rua e está refletindo aqui dentro. É um momento em que não há mais mediação.

PAS: Esse ambiente começa aqui fora, na sociedade, ou aí dentro, a partir da chegada de Eduardo Cunha?

JF: Acho que é junto. Esses caras também expressam o que a sociedade lá fora está falando. Quando ela fala de golpe, intervenção militar, tortura, pendura Luiz Inácio Lula da Silva na forca, é um grau de intolerância e ódio que está representado aqui dentro. As pessoas não divergem mais da política com alto nível, serenidade, qualificação dos argumentos. Querem agredir, quando acaba o argumento querem agredir.

PAS: Me chamou fortemente atenção, nesse episódio, o simbólico dele. Houve uma agressão a um deputado negro, outra a uma deputada mulher. E, na medida que o cara fala que a mulher age como homem, ele também está sendo homofóbico, como se houvesse um comportamento feminino e outro masculino, que não pudessem ter permeabilidade.

JF: Como se mulher não pudesse fazer política com firmeza. Como se firmeza e coragem fossem características de homem. Firmeza e coragem sempre foram características de mulher.

PAS: Negro, mulher, homossexual, configura-se aí uma tríade dos direitos humanos – não é um episódio simbólico que reflete um ataque aos direitos humanos mesmo?

JF: Não sei por que você está falando homofóbico, acho que é um preconceito de gênero.

PAS: Quero dizer que quando o Fraga diz que a senhora agiu como homem ele está chamando a senhora de sapatão. Viva as sapatões, que conversa é essa?

JF: Entendi, entendi. E tem mais outro preconceito, porque eu e Orlando somos do partido comunista.

PAS: Roberto Freire é ex-Partido Comunista Brasileiro. A senhora e Orlando são do Partido Comunista do Brasil. São pessoas que, de alguma maneira, têm origem no mesmo campo político.

JF: No caso do Fraga, tem também um campo do ódio à esquerda, aos comunistas.

PAS: Mas e no caso do Freire? Por que pessoas que saíram do mesmo campo estão partindo para esse nível de conflagração?

JF: A reação do Freire é destemperada, agressiva. Ele é assim. E ele veio se dirigir exatamente a uma mulher e a um negro, você tem razão. É uma boa percepção.

PAS: Esse PCB que virou PPS, do qual Freire é presidente, ainda é um partido de esquerda?

JF: Não, na minha opinião não é.

PAS: E vai se fundir com o PSB, que é um partido socialista (risos). Tá tudo muito louco, deputada!

JF: Muito louco, muito louco. Essa legislatura, vou te dizer, viu? Aliás, Ulysses Guimarães dizia isso. Perguntavam para ele: “Deputado, o que está havendo aqui?”. Ele respondia: “Espere a próxima”. Estou aqui há seis mandatos e toda legislatura é pior em relação à anterior. Porque tem uma coisa chamada poder econômico firme na eleição. O poder econômico distorce e piora a representação, cada vez mais.

PAS: E como colocar isso em paralelo ao fato de estarmos vivendo governos federais populares, progressistas, de um partido de origem de esquerda?

JF: É que são eleições diferentes. Parlamento e executivo não têm a mesma lógica.

PAS: Não era pra ter? Não era pra termos um legislativo mais progressista?

JF: Com certeza, mas nessa última eleição o grau de polarização foi muito alto. E a não-aceitação da vitória, tem uma série de componentes, que já na campanha se deram. O nível de preconceito contra Dilma Rousseff é absurdo também, né? Há cartazes nas manifestações que a agridem pessoalmente, você deve ter visto.

PAS: Vi de dentro, inclusive, cobrindo aquilo. Foi horrível (risos). Bate-se panela para calar a boca de uma presidenta mulher, sendo a panela um símbolo que evoca um monte de coisa. Espancam-se professores, e a gente sabe que a grande maioria dos professores é de mulheres. Não está configurada uma situação de agressão ao feminino, às mulheres propriamente ditas, que a senhora viveu na carne ontem?

JF: Exatamente, não tenha dúvida disso. Isso é real. O pior são algumas mulheres na rua fazendo isso.

PAS: Na sua avaliação, por que isso está acontecendo? Essa virou uma entrevista abstrata, mas tudo bem…

JF: É abstrato mesmo, tem que analisar melhor. Toda vez que o conservadorismo cresce, que essas forças saem do armário, todas os preconceitos se agudizam: contra comunista, contra esquerda, contra mulher, contra negro, contra gay, porque faz parte do contexto conservador. Há muitos anos essa direita não sai do armário de golpe militar, intervenção, impeachment, rupturas. Quando cresce o conservadorismo, reduz a democracia. 

PAS: Então a atitude conservadora é de alguma maneira uma saída do armário? Tem gente indo para a rua pedir ditadura explicitamente.

JF: Sim, exatamente. Quando o conservadorismo cresce, reduz o espaço do estado democrático de direito e o preconceito fica muito agudo. Em todos os momentos que a democracia é ameaçada os preconceitos aumentam, pode olhar historicamente. É um contexto, a quantidade de jovens negros que estão morrendo não é brincadeira. É um grau de preconceito e um estado judicializado, policialesco. O estado democrático de direito fica ameaçado.

PAS: Deputada, encerrando, #JornalistasLivres estamos com a senhora, apoiamos qualquer atitude da senhora contra as agressões. Nossa festa de lançamento será no dia 24 de maio e a senhora vai receber o convite.

JF: Ah, que ótimo, obrigada.

 

 

26 COMENTÁRIOS

  1. Sei. Agora estou aguardando o contraditório. Quando é que o Farofafá trará a entrevistas com os citados agressores? Afinal, acusações vindas de feminazistas comunistas não podem ser levadas a sério. E, sim, concordo totalmente com o que disse Fraga. Mulher que bate pode perfeitamente apanhar. O feminazismo quer passar a ideia de que mulher pode bater, mas não pode apanhar, e homem pode apanhar, mas não pode bater. Se o nobre deputado Fraga, mais votado do DF, encarar a briga, voto nele enquanto eu tiver título de eleitor e ele for candidato. Abaixo o feminazismo.

    • Marcus, sua reivindicação se baseia em falsa simetria, e eu respondo no mesmo tom: o outro lado, que você tanto almeja, está exposto 24 horas por dia no conglomerado GAFE (Globo-Abril-Folha-Estado). Somos ex-funcionários desses veículos e o Farofafá não existe para seguir as falácias pregadas e propagadas por eles, nem as mais descaradas nem as que se disfarçam com as peles de cordeiro do “pluralismo”, do “apartidarismo” e da “neutralidade”. Não somos nem queremos ser nada disso – e dizemos isso abertamente para você.

      Agora, quanto à sua concordância com a fórmula arcaica “mulher que bate pode perfeitamente apanhar”, tomara que alguma mulher que tenha cruzado o seu caminho saiba se defender na Justiça contra esse tipo de atrocidade e ilegalidade. Por sinal, sou homem e não admito que ninguém encoste um dedo em mim – acredito que o ser humano já ultrapassou a época de bicho selvagem.

  2. O que está deixando estes deputados da oposição nervosos, é o fato de ter que explicar aos SENHORES DOS CANAVIAIS que, aquela mão-de-obra que trabalha 6 meses nas USINAS e passa o reste do ano pendurado no SEGURO DESEMPREGO, aguardando a nova safra de cana, agora vai se dispersar e tornar a vida dos USINEIROS, mais difícil.

  3. A Força Sindical anda tão perdida quanto a CUT, há de convir. O deputado Paulinho da Força senta ao lado da oposição hidrófoba ao governo, xinga a presidenta Dilma e quer o impedimento. A composição da Câmara não é apenas conservadora, tem clara conotação de classe, que cresce em audácia na mesma medida em que a direita se mostra cada vez mais violenta. Enfim, estão jogando dinheiro em quem mesmo? Quem apoia a PL da Terceirização mesmo? Em termos antiquados, a Força deveria cuidar dos seus que fazem a traição de classe. E o Paulinho está confundindo oposição com a traição.

  4. Esse rapaz é um filho de coronel da cana de açúcar, o qual passeou pela esquerda no intuito de arrumar namorada quando jovem, na época da ditadura, era moda, ser mocinho rebelde. Agora aflora da sua estrutura de caráter calcado na cultura patriarcalista, patrimonialista e coronelista, as atitudes típicas da sua formação, isso não surpreende nem engana a minguem.
    Quando foi ministro de Sarney, nem o governo nem o Brasil tinham defeitos, tudo era uma maravilha, se alguém contestasse era tratado com arrogância em seu âmbito de trabalho. Felizmente o Brasil está se livrando dessa mazela.
    A atitude dele contra a menina Feghali, imensuravelmente reprovável, demonstra o desespero deste frente a rejeição por parte da população quanto ao seu discurso, projeto político.

    • Se fazendo de sonso, Gustavo? Você admitiria esse nível de agressão contra sua mãe, esposa ou filha? (Tenho até medo da resposta que pode vir, mas perguntei..)

  5. Expressarei, em um único termo, minha sincera opinião sobre três deputados brucutus cretáceo-triásicos, Alberto Fraga, Roberto Freire e Paulinho da Farsa: ASCO. Se formos dizer que são fascistas, talvez sintam-se elogiados. Às vezes me dá a nítida impressão de que a besta-fera está dominando geral, não só através das telas de tv, mas agora também através de redes sociais. O ser humano parece estar regredindo à idade média, ou à pré-história ou coisa assim.

  6. Sinceramente eu não percebi essa agressão toda; claro e evidente que a gente não deve nem encostar nas mulheres, nem para abrir espaço.
    Não acredito que houve má intenção, ainda mais porque pelo que lembro esse sujeito sempre foi gente boa.
    Mas vai se saber né? – O tempo passa e modifica as pessoas, mas ,,, sei lá.
    Agora o DEMista pisou feio, e mesmo que falasse a maior das verdades não deveria ter se intrometido.
    A curiosidade mata gato, que dirá dos ratinhos, rsrsss

    De qualquer maneira deixo registrado a minha maior admiração pela Srª Jandira, que sempre testemunhei se posicionar ao lado dos brasileiros “não-elites”.

    Abraço a ela e beliscão nele, rsrs

    • Obrigado pelo comentário, Manoel. É complicado falar de níveis de gravidade de agressão, né? Pessoalmente acredito que, mesmo que nem tivesse encostado na Jandira e no Orlando, o Freire foi truculento e antidemocrático (como de costume) ao perturbar o direito de fala deles. Todo mundo tá ali eleito por nós e nos representando, como pode alguém querer cassar a fala do outro?!

  7. De novo essa conversa da Maria Coitadinha? Quer dizer, a mulher se quiser bater em quem quiser, pode e quem for agredido tem que ficar quieto? Se revidar é preconceito, é machismo, é violência? Afinal, quando é que os distintos defensores dessa idéia vão criar uma Comissão da Anistia para a Suzanne Von Richtoffen? E de novo essa conversa do “saíram na rua para pedir uma ditadura”? Pedir a volta dos militares é contra a democracia, mas adorar Fidel Castro como “defensor das liberdades” depois que ele manteve os cubanos sob 53 anos de uma das piores ditaduras já conhecidas é “postura democrática”? A América Latina é um hospício político mesmo.

    • ~maria coitadinha~, parabéns pelo palavreado gentil e educado, Berto. Mas eu te pergunto: em quem a Jandira bateu mesmo? Você viu fotos, imagens etc. que provem isso? Será que o deputado militar é que é a verdadeira ~maria coitadinha~ da história?

      O resto de seus comentários, repletos de falsas simetrias, dá até desânimo de comentar…

  8. O que dizer do Sr Roberto Freire? Um pernambucano (nada contra) que sempre viveu em Recife ,de alguns anos para cá se instalou em São Paulo e se elegeu deputado..É muito estranho realmente!!!

  9. Esse quadro de intolerância induzida que temos visto nas ruas e em lúgubres manifestações nada mais é que o destempero gerado pelo desespero de quase ter dado certo eleger um novo príncipe da privataria para a alegria dos vendilhões e especuladores internacionais. Esses deputados nada entendem de povo e de democracia plena e, em sua loucura desvelada, simplesmente atacam a tudo e todos que deles discordam. Quando na verdade deveriam deveriam estar sensibilizados com a indignação dos trabalhadores por todo o país com a aprovação dessa PEC maldita que só beneficiará empresários, esses irresponsáveis se põem a fazer badernas. Mas foi nisso que se transformou a oposição golpista amparada pelo PIG uma vergonhosa confraria de baderneiros.

  10. É chocante o quanto de bobagem, de delírio, de insensatez, de irresponsabilidade, de palhaçada, enfim, contém na tal entrevista e no texto que a antecede. O autor do texto é delirante e a entrevistada todos conhecemos por sua idiossincrasia avermelhada. Os dois deputados apontados como agressores de negros e de mulheres são parlamentares reeleitos por um contingente de eleitores que não têm nem a deputada nem o deputado, que aliás teve uma triste passagem pelo ministério dos esportes, quando andou respondendo por acusações de prática de atos ilícitos se não me falha a memória. O escriba do texto é tão tapado que pode-se ler lá no meio a expressão “deputado civil”, bobagem que nem o meu filho de 5 anos escreveria. Parece que a burrice é a condição pra ser de esquerda. Francamente, que tristeza!

    • Você não consegue argumentar sem xingamentos, Hugo?

      E tá dizendo que Roberto Freire não é civil, é militar? Ai piorou, hein?

      Sugestão, sem precisar te xingar: tem um tema interessante que é a ditadura CIVIL-militar brasileira de 1964, já ouviu falar?

    • Você gosta mais da imprensa tendenciosa a serviço da direita, Fernando? Veja, Globo, Folha e Estado já fazem o trabalho sujo 24 horas por dia.

  11. Como e bom ouvir um lado so..ninguem e santo nessa historia…deveriam sair todos…nosso povo nao merecem vcs..nos representando..comecando pelo planalto

    • “Deveriam sair todos”, até os bons, né Valtinho? Viva a ditadura, homessa.

      Se você tá desesperado pra ouvir o outro lado, indico quatro leituras básicas: Globo, Folha, Estado, Veja.

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome