segunda-feira, novembro 18, 2019

Pão adormecido, cravo, bicicleta, Jardim Peri

A política pública se torna “chic” e distante do povo quando começar em áreas nobres! Alguns estão nesta estrada há mais de 20 anos, eu cheguei há pouco menos de 5, e tem alguns que foram ontem comigo para a avenida Paulista que estão a apenas 15km (distância do Peri até lá) na estrada, ou seja, acabaram de desembarcar numa...

Chão de estrelas

Em alguns lugares, ouvi ou li que esta Virada Cultural foi um fracasso. Pouca gente pela rua, espetáculos esvaziados, problemas de estrutura. Uma grande bobagem. A Virada Cultural de 2015 me lembrou as duas primeiras versões da Virada, em 2005 e 2006. Famílias inteiras pelas ruas, rolezinhos de amigos aos borbotões, arrastões que não chegaram aos dois dígitos, banheiros...

Virada chacoalhada

Passadas 48 horas do final da Virada Cultural paulistana, a edição 2015 do gigantesco evento permanece um mistério. A visível diminuição de público significa que o principal festival cultural da Prefeitura de São Paulo ~fracassou~, para empregar um verbo caro à mídia tradicional? O que mudou, o que aconteceu, o que tornou a ida a esta Virada uma experiência sensorial...

O silêncio dos artistas

"Nós não veio de branco à toa, certo?", diz o rapper Emicida, vestido de branco da cabeça aos pés, a exemplo dos integrantes da banda e dos convidados especialíssimos de seu show na Virada Cultural, o mito da bossa nova João Donato e o mito do samba Martinho da Vila. "Nós veio de branco por causa de um tempo em que uma menina...

Periferia: onde a Virada não vira

Entra ano, sai ano. E é incrível como a divulgação da Virada Cultural nas periferias continua a mesma. Não temos divulgação de qualquer espécie. Neste ano, a Virada Cultural aconteceu em junho, praticamente no final do mês, paralela a muitos eventos políticos. Se procurarmos nas redes sociais da Prefeitura, só encontraremos destaques para os eventos da região central da cidade. Já na página oficial, a Prefeitura...

O “democrático” Arouche e o brega de raiz

A cada ano em que a programação da Virada Cultural é divulgada, pelo menos um palco já tem o seu espaço garantido pela curadoria e nos corações e mentes do público: o do Largo do Arouche. Se a Virada Cultural reivindica um discurso de diversidade cultural, contemplando diversos gêneros musicais, o palco do Arouche, destinado ao “brega”, seria o...

Viradinha Cultural vai se multiplicar em 2016

Secretário Nabil Bonduki comemora o sucesso da 2ª edição do evento mirim, mas já sinaliza que é preciso ter mais espaços para não atrair tanto público num só lugar O show da Palavra Cantada, na Viradinha Cultural, tinha acabado havia poucos minutos e o secretário municipal de Cultura, Nabil Bonduki, já se antecipava a qualquer pergunta do repórter: "Só uma...

“A Virada é importante, mas insuficiente”

"A Virada Cultural é importante, mas insuficiente para fortalecer o centro de São Paulo", afirma o secretário de Cultura da cidade Nabil Bonduki. Urbanista, homem público e vereador eleito pelo PT em 2012, na chegada de Fernando Haddad à prefeitura, ele assumiu o posto com a saída de Juca Ferreira (PT-BA) para o Ministério da Cultura no segundo mandato da presidenta Dilma Rousseff. Nessa condição, o...

Minha seleção da Virada

O crítico Jotabê Medeiros preparou uma lista tão logo saiu a programação completa da Virada Cultural 2015. Evento chega à sua 11ª edição expandindo sua atuação para bairros além do centro e ocorre nos dias 20 e 21 de junho FESTA DO ROSÁRIO DOS HOMENS PRETOS 9h30, Largo do Rosário AKIRA S E AS GAROTAS QUE ERRARAM 20h, Palco Rio Branco DONA IVONE LARA 20h, Auditório...

‘Cadê Roger? Cadê Roger?’ Ele está em São Paulo

“E a cidade se apresenta/ Centro das ambições/ Para mendigos ou ricos/ E outras armações/ Coletivos, automóveis,/ Motos e metrôs/ Trabalhadores, patrões,/ Policiais, camelôs/ A cidade não pára” (trecho de “A Cidade”, de Chico Science) Amigo de Chico Science, Roger de Renor (imortalizado no refrão “Cadê Roger, cadê Roger, cadê Roger ô?”, de “Macô”) está em São Paulo para uma...