Seria difícil acreditar na fotografia, se ela não estivesse estampada diante dos nossos narizes.

03/07/13 | Humberto Costa (PT/PE) em encontro com presidente Dilma e artistas no Palácio do Planalto. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR.

Various_Tropicalia_Capa1Clicada em 3 de julho de 2013, a imagem parece uma versão maluca, 45 anos mais nova, da capa do disco-manifesto tropicalista, Tropicália ou Panis et Circencis, de 1968. Em vez dos jovens de outrora, enfileiram-se agora no álbum de família Carlinhos BrownErasmo CarlosRoberto CarlosFafá de Belém, a presidenta da República Dilma RousseffCaetano Veloso, a ministra da Cultura Marta Suplicy, a deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ), o senador Humberto Costa (PT-PE) e Otto. Há dezenas de outros “parentes” ao redor, fora do raio de alcance da câmera do fotógrafo oficial da presidência, Roberto Stuckert Filho.

O que a foto narra-e-oculta é o GOLPE mais profundo e certeiro desferido até hoje pelos titulares de direitos autorais musicais sobre a entidade que centraliza o repasse  dos valores devidos pela execução pública de músicas no país, o Ecad, o sempre misterioso Escritório Central de Arrecadação e Distribuição. A foto sacramentava, naquele mesmo dia 3 de julho, a aprovação sumária do Projeto de Lei do Senado número 129, de 2012, e a promessa da presidenta de sancionar a nova lei – o que pode acontecer ainda nesta semana.

Mudanças profundas surgem no horizonte para um futuro próximo, caso Dilma sancione mesmo o PLS 129. A diretoria do Ecad passará a ser composta apenas por autores, pessoas físicas, e não mais por representantes de associações dominadas por gravadoras e editoras portadoras de carteira de identidade multinacional e nomes de majors estrangeiras como Warner, EMI, Universal, Sony.

Os usuários terão de fornecer ao Ecad listas com todas as músicas utlizadas – o atual sistema de amostragem deixará de vigorar.

Cada associação terá direito a apenas um voto nas deliberações da assembleia do Ecad, o que corrigirá distorções inseridas pelo poderio econômico (na opinião de entusiastas da nova lei) ou tratará desiguais como iguais (de acordo com os defensores do modelo vigente).

A taxa administrativa reservada ao Ecad e às sociedades na fatura do bolo dos direitos autorais deve diminuir de 24,5% para 15%.

A criação de um Instituto Brasileiro de Direito Autoral (IBDA) restaurará um rombo aberto pelo presidente Fernando Collor (1990-1992), que extinguiu o orgão regulador que havia, o Conselho Nacional do Direito Autoral (CNDA), e na prática deixou que o Ecad tomasse conta sozinho, sem qualquer fiscalização externa, de um milionário galinheiro público-privado, todo forrado de ovos de ouro. Sem o CNDA, afirmam os que clamam por mudanças, o Ecad se tornou um monopólio não regulado nem fiscalizado pelo Estado.

A história por trás da aprovação do PLS 129 é eletrizante. Compreende o período de tempo relativamente curto entre a conclusão da CPI do Ecad, em abril de 2012, e o dia em que a MPB viajou a Brasília para tratorar o Congresso Nacional e os focos de resistência às mudanças no sistema, alocados nas várias associações de autores e editores que administram o escritório, tendo à frente as poderosas UBC (União Brasileira de Compositores) e Abramus (Associação Brasileira de Música).

A viagem da nave louca termina com o desembarque em Brasília de Roberto Carlos, símbolo máximo do Ecad (mas também da Rede Globo) ao longo de quatro décadas de existência. Pela primeira vez, em 3 de julho de 2013, o “Rei” da canção popular brasileira se reposicionava visivelmente num lugar que não sinalizasse um alinhamento automático com o Ecad.

Roberto ao lado de Dilma significava Roberto contra a Globo, ou Roberto ao lado de Dilma com o aval da Globo? Ou estaria Roberto se movendo por sua própria vontade, incomumente independente desses ou daqueles interesses? Mas, se assim fosse, e o Ecad, foi então rifado por seu ícone maior? São perguntas difíceis, para não dizer impossíveis, de responder em poucas (ou muitas) assopradas.

Roberto Carlos à parte, a grita pelo lado de atores acomodados em cargos de diretoria nas associações e no Ecad é grande desde os dias de aprovação do PLS 129 no Senado e, a seguir, na Câmara. Desse lado das trincheiras, diz-se que são interesses ainda mais poderosos que os do Ecad os que se insurgem contra o cartel das associações arrecadadoras. (O termo “cartel” consta de condenação determinada em março deste ano pelo Cade, o  Conselho Administrativo de Defesa Econômica. A multa estipulada, de R$ 38 milhões, atemoriza compositores e editores de dentro e de fora das estruturas de concreto do birô do direito autoral.)

Ativo militante da flexibilização do Ecad e do direito autoral, o compositor pop-rock Leoni descreve a resistência no front da conservação: “O Ecad conseguiu convencer muita gente – inclusive o ex-rebelde e ex-compositor Lobão, atualmente no papel de vovozinha – , de que houve um GOLPE patrocinado pelo PT – apesar de a CPI ter sido iniciada pelo senador Randolfe Rodrigues (AP), que é do PSOL -, pela FGV (Fundação Getúlio Vargas) e o Creative Commons, a Rede Globo e o Google”.

Leoni classifica a aliança imaginada pelos oponentes como “das mais estapafúrdias e improváveis”. O lado ecadiano não parece errado, no entanto, em apontar interesses contrários poderosíssimos, que passem pela Rede Globo e pelas emissoras de radiodifusão sempre às voltas com dívidas milionárias junto ao Ecad, pelas companhias telefônicas e pelos gigantes da internet. O cenário é complexo, labiríntico.

Alianças aparentemente improváveis se constroem no tique-taque das horas, como aconteceu durante a passagem da compositora Ana de Hollanda pelo Ministério da Cultura (MinC), nos primeiros 21 meses do governo Dilma. Nesse período, o Ecad se apossou de estruturas internas do MinC e fez voltar atrás uma proposta de Lei do Direito Autoral que era legado das gestões de Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010) na presidência da República e de Gilberto Gil (2003-2o08) e Juca Ferreira (2008-2010) no MinC, e resultante, segundo eles, de um amplo processo de debate e consulta popular. Durante a estadia da irmã de Chico Buarque no MinC, o Ecad, as Organizações Globo e a mídia tradicional de modo geral cerraram fileiras uníssomas na defesa intransigente do mandato de Ana, inclusive bloqueando quaisquer denúncias sobre aparelhamento do ministério pelo Ecad. Mesmo assim a carioca Ana caiu, em 11 de setembro de 2012, dando lugar à paulista Marta Suplicy.

No bojo da conclusão da CPI do Ecad, tomou vulto o GAP, Grupo de Ação Parlamentar Pró-Música, criado e desenvolvido por compositores-militantes ancorados no Rio de Janeiro. O grupo, imaginado como instrumento de pressão junto aos poderes de Brasília, incluiu, com idas e vindas, nomes como Leoni, Ivan Lins, Sérgio RicardoFrancis HimeFernanda Abreu, FrejatDudu Falcão, Cristina SaraivaTim RescalaJorge VercilloLenine e outros. O texto do PLS começou a nascer desse caldo de cultura, com participação de advogados de direitos autorais, associações de gravadoras independentes, parlamentares e o grupo comandado na FGV por Ronaldo Lemos, figura combatida pelo Ecad como “o homem por trás dos Creative Commons” no Brasil.

O texto original colocava a cargo do Ministério da Justiça a regulação dos direitos autorais, devido à interdição do MinC pelo grupo de Ana de Hollanda. À sua chegada, Marta Suplicy ouviu os queixosos anti-Ecad, demitiu os agentes ecadianos que ocupavam postos no setor de direitos intelectuais do ministério e reentronizou Marcos Souza, egresso das gestões Gil-Juca. Nesse processo, o PLS 129 caiu de volta no colo do MinC, e a ministra Marta colocou em circuito uma figura que se tornaria crucial dali por diante: Paula Lavigne.

Ex-esposa e ainda empresária de Caetano Veloso, Paula ligou o compositor baiano na tomada, e ele passou a escrever artigos de dúvida sobre o Ecad em sua coluna no jornal O Globo. A panela entrou em ebulição e culminou em reuniões acaloradas em três residências-símbolo: a de Paula Lavigne, a de Roberto Carlos e a de um discreto Gilberto Gil. Os nomes envolvidos contam-se às dezenas, entre eles, por ordem alfabética, Antonio CíceroAntonio Villeroy, Carlinhos Brown, Chico Buarque, DjavanEmicida, Fernanda Abreu, Frejat, Gaby AmarantosJorge MautnerMaria GadúMarisa Monte, Péricles, Pretinho da SerrinhaRogério Flausino (do Jota Quest), Thiaguinho, empresários e/ou representantes de  Milton Nascimento, Paralamas do SucessoRacionais MC’s etc.

“A entrada da empresária Paula Lavigne na questão e a consequente criação do grupo Procure Saber foram responsáveis por uma mudança decisiva no nosso movimento de mudança da lei”, afirma Tim Rescala, compositor de trilhas sonoras com largo rol de serviços prestados à Rede Globo. “Mas é preciso lembrar que um dos integrantes do conselho do Procure Saber é Gilberto Gil, justamente quem começou todo esse movimento de discussão da lei do direito autoral quando foi ministro. Agora temos uma força maior, unindo GAP, Procure Saber, Sindicato dos Músicos do Rio de Janeiro, o Grita do Sérgio Ricardo, a Musimagem Brasil, ou seja, várias entidades que querem a mesma coisa: uma mudança profunda na gestão coletiva.”

Algo novo acontecia aqui: o Procure Saber nascia com jeitão de futura associação disposta a escancarar as portas sempre trancadas do Ecad (ou seria somente de tomar o lugar de poder dos antigos diretores?). Soa eloquente a definição de Leoni sobre o que é o Procure Saber: “Uma associação de classe de autores e intérpretes, ainda em formação, capitaneada pela energia produtiva de Paula Lavigne e respaldada pela diretoria composta por Roberto Carlos, Caetano, Gil, Chico Buarque, Djavan, Erasmo Carlos e Milton Nascimento”. Uau.

O Ecad passou a tremer na base diante de um acúmulo de forças até então inédito nas fileiras de resistência à chamada “caixa-preta” do birô. A contragosto, foram enviados às reuniões do Procure Saber compositores que são também diretores de associações e costumam se encarregar da defesa ferrenha do sistema: Fernando Brant (da UBC),  Walter Franco e Danilo Caymmi (Abramus), além da diretora-executiva da UBC, a advogada Marisa Gandelman.

Da porta para dentro das reuniões, houve fervuras e frituras, que FAROFAFÁ espera descrever em reportagens que virão a seguir. Da porta para fora, Paula Lavigne virou (se já não era) a inimiga número 1 dos pró-Ecad. Ela foi o alvo central, por exemplo, de um texto atribuído a Fernando Brant, autor de letras clássicas cantadas por Milton Nascimento e Elis Regina (“Travessia”, “Conversando no Bar”, “Ponta de Areia”, “Maria, Maria”, “Canção da América” e “Nos Bailes da Vida”),  que classifica como GOLPE a aprovação do PLS 129. (Conversas de publicação não-autorizada à parte, FAROFAFÁ não conseguiu até aqui nenhum depoimento oficial de compositor ou diretor ligado às associações.)

Deixemos de banda o fato de que Paula Lavigne deve agir em nome dos artistas que representa (além de Caetano, ela tem trabalhado com Racionais MC’s, Seu JorgeCriolo e Emicida). O lado capitaneado por Fernando Brant põe em xeque as ligações entre a empresária musical (e cinematográfica) e as Organizações Globo. É fato que Paula agiu como intermediadora entre o conglomerado e os artistas. “A Globo queria modificações que não conseguiu emplacar. A rede foi ouvida pela Paula, que trazia suas propostas para nós”, conta Leoni. Ele traz impressão que provavelmente seria compartilhada por qualquer um de nós que não temos acesso às cúpulas: “A questão Globo foi muito complicada para nós. Até hoje não entendo direito a posição dela nessa história”.

GOLPE ou não-GOLPE, poucos de nós conseguem entender com clareza as transformações que estão em curso. As insinuações de Brant sustentam que o movimento se aproveitou da onda de protestos Brasil afora, com auge imediatamente anterior à data previamente marcada do 3 de julho. Por sorte ou senso de oportunidade, o panteão emepebista que causou frisson no Congresso Nacional e até mesmo no gabinete da presidência da República viu seus pleitos aprovados em tempo reecorde a bordo de um momento histórico em que senadores e deputados se mostravam especialmente sensíveis a apelos, digamos, populares.

Houve algum GOLPE, ou estamos diante do rito democrático corriqueiro, gostem ou não do resultado esses ou aqueles? É preciso admitir a ousadia de Fernando Brant em referir-se a um GOLPE, uma vez que no rol de golpistas se enfileirariam então nomes tão célebres quanto Caetano Veloso e Roberto Carlos, Chico Buarque e Milton Nascimento, Erasmo Carlos e Gilberto Gil.

IMG_8987Uma dúvida que não se ergue (ao menos em público) nem de um lado nem do outro é se estamos diante de mais um levante de cúpula, de cima para baixo, ou se os processos que resultarão da aprovação do PLS 129 significarão uma real democratização no trato com o direito autoral no Brasil. A favor da segunda possibilidade conta a presença, em Brasília, de atores musicais tão variados quanto Gaby Amarantos e Roberta Miranda, Jorge Vercillo e Alexandre Pires, Nando Reis e Emicida. A foto à direita, do rapper paulistano com Roberto Carlos, fica como registro de esperança de que jovens e periféricos estivessem tomando posse de Brasília de fato e de direito, e não apenas para fazer número ao lado dos velhos mestres de sempre.

(Esta história não se esgota aqui, ao contrário: como diz Tim Rescala, “muito mais virá adiante”. Agora hospedado nos domínios da CartaCapitalFAROFAFÁ voltará à carga nos próximos dias e acompanhará de perto os desdobramentos dos diversos despertares do “gigante”.)

 

 

23 COMENTÁRIOS

  1. O texto está muito muito bom!! Esse é realmente um grande exemplo de jornalismo. Aparentemente todas as questões que o tema está apresentando e visões sobre o tema foram levantados. Realmente o tema é profundo e deve ser desdobrado em próximas matérias.
    Mas eu tenho uma crítica construtiva sobre a fonte usada no site. Com essa fonte que está fica muito difícil de ler. Sugiro que troque por alguma mais “gordinha” hehehe.
    Bom trabalho!.

    • Obrigado, Rafael!!!! Estamos aqui examinando as reações, pra nos apontar os próximos caminhos – o tamanho da fonte é uma das nossas questões, valeu pelo toque!

      • Parabéns pela hospedagem. Carta Capital e Farofafa é uma dupla de peso no caminho do jornalismo sério e investigativo.

        A matéria está muito bem escrita, questiona acertadamente as intenções por trás de um encontro como este. Precisamos fiscalizar o novo órgão para que ele não se torne igual ou pior que o anterior. É muito bom ver que o Lobão não assusta tanto assim e que Marta Suplicy foi a chave para abrir este cadeado que trancafiava a caixa preta do direito autoral.

  2. Parabéns pelo artigo, ao contrário do colega acima, acho que o que falta realmente em muitas notícias que lemos é essa quantidade de informações que nos deixa inteirados do assunto. Fiquei super informado de um assunto que nunca tinha ouvido falar. SHOW

  3. Por outro lado, esse projeto de lei no Art. 5º inclui as empresas distribuidoras como autores de uma obra. Isso transforma obrigatóriamente toda empresa que “difundir” uma obra em co-autora. Ou seja, distribuidores, estações de rádio, TV etc. se tornarão co-autoras por simplesmente tocar uma música, filme ou o que quer que seja.

    Curiosamente ninguém tomou consciência desse detalhe no projeto de lei acima.

    • Obrigado pela dica, Flavio, vamos atrás! Você é dessa área? Conhece alguém das partes interessadas que topasse dar uma entrevista sobre isso?

  4. Parabéns, devemos expor esta ação da “MPB” que não teve ao mínimo um debate aberto entre os compositores e músicos no geral sobre a proposta. Espero que isso não vá longe.

    Sobre a fonte, realmente, se puder usar uma fonte mais fina, como arial, verdana, a leitura ficará mais leve e limpa. valeu!

  5. Parabéns pela coluna. Demonstrou muita pesquisa para fazer a coluna. Gostei de você ter colocado apenas os novos nomes em negrito, deixando os que já tinha discursado em letras normais. Como sugestão, que tal colocar referências (notas de rodapé) sobre algumas passagens no texto? Para provar a veracidade do que se diz e possibilitar ao leitor ir ainda além. Por exemplo na passagem: “Ela [Paula Lavigne] foi o alvo central, por exemplo, de um texto atribuído a Fernando Brant, autor de letras clássicas cantadas por Milton Nascimento e Elis Regina”. Não temos a comprovação disso.

  6. PAS,
    Este começo de análise sobre o (contra)-golpe do/no ECAD instiga muitas incertezas sobre intenções, motivações, interesses, valores e associações de algumas “estrelas” da mal-apelidada MPB (sigla/conceito fortemente reducionista e estereotipada, sem a qual, infelizmente, se torna muito difícil nos fazemos entender…). A maior contribuição de artigos assim é problematizar as diversas informações, descortinar “o cenário complexo e labiríntico” sem sugerir nem impor a quem lê uma interpretação conclusiva e fechada. Isso me confirma uma certeza: a sua seriedade (sem caretice) como jornalista e crítico. Certeza que comecei a formar desde a leitura do seu “Como dois e dois…”, passando pelos vibrantes perfis publicados em Carta Capital e pela bisbilhotagem em seus blogs. Muito sucesso nessa nova etapa do Farofafá. O que para nós significa informação e comunicação de qualidade, produto raro na imprensa convencional e virtual.
    João Valença.

  7. Estou achando tudo isso muito estranho. Os cabeças deste movimento são notórios conservadores, não dá para esperar nada que beneficie a maioria vindo deles. A coisa ainda está nebulosa…

  8. mesmo não conseguindo desvencilhar os reais interesses de cada grupo, ou sem conseguir descobrir quais dos lados agem com boa ou má fé, ou estão sendo manipulados, etc etc etc, tenho um caso/testemunho/reclamação sobre atuação do ECAD na outra ponta, a de “usuário” da obra dos autores.

    sendo músico amador, em meu casamento houve música “tocada”, a cargo de meus amigos e de mim mesmo.

    tive que pagar o ECAD. a cobrança foi em função da área (em metros quadrados) do local do evento. ninguém cobrou a lista das músicas que seriam tocadas na festa.

    ou seja: o ECAD arrecadou, mas não houve nem a possibilidade desse dinheiro (ou parte dele) ir para os autores das músicas que tocamos.

    não sei se isso é a regra para este tipo de evento, ou se ainda é assim (me casei em 2006), mas esse tipo de procedimento do ECAD é um forte fator demonizador da instituição.

    Sanches, você acharia interessante abordar esse aspecto em entrevistas ou matérias futuras?

    porque existe toda uma cadeia de eventos bem pequenos (particulares ou públicos, como os pequenos festivais) onde a atuação do ECAD é meio parecida com a da Ordem dos Músicos – uma atuação meramente arrecadadora.

    sobre pequenos festivais e casas de música independente, que acontecem e vivem à margem do mercadão, (assuntos correlatos ao imbróglio fora-do-eixo, inclusive), existe também estórias de relações problemáticas entre bandas autorais e a atuação do ECAD. mas como não lembro dos detalhes, volto a escrever quando e se achar pertinente a descrição dos casos.

    abraços a todos, e parabéns pela coluna/site, xará!

    pedro

    (PS: li recentemente o “como 2 e 2 são 5″… pela 2a vez! caramba, o livro é muito bom, mesmo!)

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome