segunda-feira, setembro 16, 2019

Nas asas de Belchior

Quando a gente lança um livro, nunca sabe até onde ele pode chegar e como vai ser recebido.Mas, quando embarcamos com ele para os lugares aonde ele é enviado, dá uma certa sensação de responsabilidade - tipo aqueles batedores da Wells Fargo dos filmes, irmanados à diligência e sua carga. Eu me lancei na estrada, nos últimos meses, para...

Sobre ser livres na prisão-Brasil

No que se refere a política e política cultural, o comissariado da Flip oficial tem radicalizado desde o golpe de Estado de 2016 um modelo altamente controlado de não-debate, que bate sem parar na tecla estética (com/sem as bênçãos de maldição de Hilda Hilst) e simula transformar em estética até mesmo aquilo que é pura política. Não é à toa que as iniciativas...

O barco pirata aporta em Paraty

O editor Cauê Ameni foi um dos idealizadores da primeira edição da Flipei - Festa Literária Pirata das Editoras Independentes. Uma de dezenas de iniciativas paralelas à edição 2018 da Flip (Festa Literária Internacional de Paraty), a Flipei causou algum ruído na cidade colonial litorânea fluminense, por concentrar ao redor do barco ancorado à margem do rio Perequê-Açu um ideário e...

Fora Temer volta Belchior

1. Jotabê "Para mim, a beleza é um subproduto da arte", disse o compositor e cantor cearense Belchior em 1976, no auge da fama e do prestígio devidos ao acolhimento das canções "Como Nossos Pais" e "Velha Roupa Colorida" por Elis Regina e ao álbum próprio Alucinação. Antes de qualquer coisa, é preciso dizer que é sobre este artista que estamos falando, a propósito da edição...

Belchior: ano passado eu não morro

Lançado em 2004, meu livro Como Dois e Dois São Cinco - Roberto Carlos (& Erasmo & Wanderléa) (Boitempo) anda tão desaparecido como andou Belchior nos últimos anos de uma GRANDE vida. Em homenagem à morte do GRANDE artista e pensador cearense em momento histórico tão eloquente, resgato aqui (*) (com alguns reparos e penduricalhos) o capítulo devotado ao GRANDE homem no livro protagonizado por Roberto Carlos, Erasmo Carlos, Wanderléa etc. Viva BELCHIOR.   Não quero lhe...

Rita Lee, senhora dona de si

Perto de completar 69 anos, Rita Lee pode ser considerada uma pioneira profissional. Desde se consolidar como jovem inventora tropicalista, rara mulher brasileira compositora a partir do rock nos anos 1960 e 1970 e reivindicadora de liberdades femininas por intermédio da composição pop, a artista paulistana vem transgredindo normas e tabus de maneira peculiar, frequentemente entre trancos e barrancos. Rita Lee -...

Leonard Cohen e o teto do abismo

Leonard Cohen, Tom Waits, Gil Scott-Heron, Lou Reed, Johnny Cash: algumas vozes, na música popular, soam diferentes de outras, como se não existissem para preencher um espaço na canção, mas para usar a canção como um espaço de sua autoridade, tornando-a um território sagrado. Não só pela guturalidade, pela aparição tonitruante, pelo grave cerimonial, mas pela própria presença física...

2016 versus 1964

Não espere que a mídia industrial brasileira lhe conte esta historinha. Nestes mesmos dias em que a Câmara Federal brasileira se prepara para votar um estrambólico processo de golpe de estado ~constitucional~ contra a presidenta Dilma Rousseff, um livro ligeiro e certeiro dá a chance de contrastar o que está acontecendo agora mesmo com o que aconteceu quase exatos 52 anos atrás,...

Um relato humano sobre uma tragédia nacional

Nana Queiroz não temeu envolver-se com personagens. O resultado é uma narrativa leve contando as histórias de um sistema brutal – e covarde A tragédia e os dramas particulares e coletivos vividos no sistema penitenciário brasileiro são, em alguma medida, bastante conhecidos. Sobretudo em tempos de rebeliões e mortes em massa, quando o tema, vez por outra, pauta o noticiário...

Por que o sertanejo é tão repelido pela sociedade

FAROFAFÁ apresenta o resultado de um bate-papo descontraído entre o historiador Gustavo Alonso, autor de "Cowboys do Asfalto" (editora Civilização Brasileira), Pedro Alexandre Sanches e Eduardo Nunomura, editores do site, Danilo Cymrot, pesquisador cultural e sanfoneiro, e Kátia Passos, jornalista. A conversa pensada para falar do lançamento do livro resultou em horas de discussão sobre música, cultura, academia, jornalismo...