Tutuca e Bolsonaro
O pastor Edilásio Barra, o Tutuca, chegou à Ancine como o preferido do presidente e sai como réu na Justiça Federal

A Ancine exonerou hoje o pastor Tutuca do cargo de Superintendente de Políticas de Financiamento da agência. Como o mandato do pastor como diretor substituto da Ancine venceu no último dia 1º de agosto (era um mandato provisório, de seis meses, para o qual ele já foi reconduzido irregularmente duas vezes), é possível afirmar que acabou a passagem de Tutuca pela cúpula decisória das políticas do setor audiovisual do País.

Edilásio Santana Barra Junior, o pastor Tutuca, chegou à Ancine com as credenciais de amigo do presidente Jair Bolsonaro, tendo feito caixa para a campanha do então candidato a presidente em outubro 2018, segundo declarou em entrevista à BBC Brasil em junho de 2019: “(…) Eu fui coordenador de campanha do Bolsonaro e do PSL no Rio Grande do Sul. Eu ajudei a organizar e fazer quatro deputados federais no Rio Grande do sul, quatro estaduais, uma mulher chamada Carmen Flores com quase 1,5 milhão de votos (Carmen, que chegou a gastar 35 mil do fundo partidário na loja de um sobrinho, concorreu ao Senado e perdeu). Eu ajudei na coordenação, no marketing e nas plataformas digitais”, afirmou. Progressivamente, foi perdendo terreno nas suas pretensões de se tornar o presidente da Ancine – a última “rasteira” foi dada pelo próprio Bolsonaro, quando retirou sua indicação para a sabatina do Senado que o tornaria diretor com mandato. Saindo da Ancine, sobram pra ele duas ações civis públicas que o tornaram réu na Justiça Federal, pelas quais ainda vai responder.

Quase simultaneamente, a Ancine “importou” do BNDES, por tempo indeterminado, um novo servidor, Rafael Costa Strauch, para inicialmente preencher um cargo de assessor. É curioso que tenha havido essa transferência, já que Strauch tinha certa influência no BNDES, e as benesses da instituição financeira são muito superiores às de uma agência regulatória. Especula-se que ele seja automaticamente indicado para a diretoria para ocupar a vaga que era de Mariana Ribas, cujo mandato terminaria em julho de 2022. Assim, ocuparia a última vaga aberta na diretoria colegiada, completando o time que pretende controlar a instituição até 2026, com as bênçãos do Senado Federal (que efetivou dois réus por improbidade administrativa) e a satisfação do presidente Jair Bolsonaro.

A peculiaridade é que Strauch foi vice-presidente de Administração do Clube de Regatas Flamengo no Rio de Janeiro, e estava há um ano e meio fora do cargo quando aconteceu o incêndio, em 8 de fevereiro de 2019, que matou 10 garotos entre 14 e 17 anos da base do time no chamado Ninho do Urubu. Para apurar responsabilidades da gestão do Flamengo na tragédia, Strauch chegou a ser inquirido na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, depoimento no qual negou conhecimento das condições improvisadas em que os garotos viviam no Centro de Treinamento, em um contêiner.

 

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome