Foto Jotabê Medeiros
O compositor, maestro, arranjador, professor e engenheiro de som Ian Guest em sua casa, em Minas Gerais

Um assunto intrigante. Cantar, batucar, dançar, festejar, cultuar, regozijar, lamentar acompanha o homem desde tempos imemoriais. No ritual da música, de natureza essencialmente participante e coletiva, o fluxo das melodias não cessa, passando por movimento e descanso.

Nos últimos séculos, a música sai do culto, passa de ritual a entretenimento. Surge o público pagante e o músico remunerado. Ouvir música pelo ingresso pago mas não participar, cobra criar um enredo, uma aventura de prender a atenção, emocionar e evitar sua evasão. A melodia fluirá, com movimentos e repousos, sobre o leito de uma nota central que a sustenta: o centro tonal, chamada tônica. A nota do repouso. O conjunto de notas da melodia pode ser organizado em ordem ascendente e se chama escala.

Na cultura ocidental, predomina a tonalidade maior, cuja escala começa e termina na nota dó (tônica): dó ré mi fá sol lá si dó – ao lado da tonalidade menor, começando e terminando na nota lá (tônica): lá si dó ré mi fá sol lá.
Outrora, a música era cantada e tocada numa altura confortável, não determinada. Até que, com o avanço de complexidade da prática musical, a afinação dos instrumentos precisou ser padronizada, para o conjunto instrumental e vocal não desafinar. Tonalidades convenientes, escolhidas em função da sonoridade e facilidade de execução. As escalas maior e menor então, passam a ser sujeitas a mudar de altura. Guardando as estruturas, aparecem as notas fixas alteradas, sustenidos e bemóis. Cantar a melodia solfejando e nomeando as notas reais, inclusive as alteradas (pronunciando “sustenido” ou “bemol”) é inviável. Sua prática deixa de criar um reflexo. Não passa de informação, é mero exercício de raciocínio e, no fim das contas, uma acrobacia cerebral. Esse tipo de solfejo deve ser descartado.

Por outro lado, nosso velho companheiro, o dó maior, já se tornou o nosso reflexo (é tão fácil solfejar em dó maior!). Podemos levá-lo a tira-colo para qualquer tom (qualquer altura). É o chamado dó móvel. Que alívio! Cantar sempre em dó maior (ou lá menor) e, em caso de mudar de tom (modular), levá-lo na garupa Mas muito cuidado. No discurso musical e na notação em pauta, somos obrigados a usar os nomes fixos, ou seja, no sistema absoluto. Assim, deparamos com a dualidade da nomenclatura dó-ré-mi no Brasil, em seu uso: no sistema absoluto e no relativo. Cantamos no relativo, e conversamos no absoluto. Entretanto, essa dualidade não nos incomoda: ela ocorre também nos idiomas.

Afirmar que o som da nota lá deve vibrar 40 vezes por segundo, seria tão absurdo como atribuir, a cada semínima, um segundo de duração! Ora, altura e duração são relacionadas com o contexto da música, e não com o gerador de som. Já o fabricante de instrumentos, ao contrário, produz nota por nota, cada uma com as respectivas vibrações determinadas e padronizadas. Mas veja só, quem lê a melodia ou solfeja, ignora a fonte de cada nota: embarca num tobogã e segue sua topografia: é subir-descer, respeitando o tempo e duração. A melodia não é feita de notas e sim, de movimento linear. Tudo isso é representado brilhantemente na pauta musical, onde a melodia é colocada na dimensão espacial, bem visível, a ser reproduzida pelo audível, já que o visual oferece uma assimilação mais imediata.

O compositor, educador e folclorista húngaro Zoltán Kodály (1882-1967) não foi um renovador no
processo da alfabetização musical, nem mesmo consentiu que o método se chamasse “Método Kodály”,
mas foi vencedor, num concurso mundial sobre métodos de musicalização e educação, usando a
ferramenta da voz, e destinado a todo cidadão. Apenas sugeriu voltar à prática milenar de cantar em dó maior, até mesmo confirmando a disposição das notas, tão bem visualizadas, no teclado. Ou seja, anotar a melodia no espaço e lê-la no tempo. Segundo ele, e confirmado pela tradição histórica, transformar o desenho gráfico da linha melódica em som, é intuitivo e surpreendentemente imediato, desde que se desenvolva o reflexo de dar nome às notas em dó maior. Mas atenção! Evitar o solfejo com nomes absolutos das notas; ele conduzirá ao desmantelamento do reflexo relativo já conquistado. Logo, os dois sistemas são mutuamente excludentes. Um é racional, o outro, visceral.

A utilização da nomenclatura dó-ré-mi nas línguas latinas, remetendo o som às respectivas frequências estabelecidas, é um sistema incompatível com a ferramenta da alfabetização musical. Na maioria dos países ocidentais, foi criado o sistema de nomenclatura A-B-C para o sistema fixo da notação, e dó-ré-mi no sistema móvel para a assimilação da leitura. Sentir a mobilidade da melodia, é sentir a relação de suas notas com a tônica. É o caminho não só à leitura, mas também à compreensão do fenômeno da música.

Professor Ian Guest. Tiradentes, março de 2020

 

IAN GUEST é compositor, pianista e educador. Parceiro de Raul Seixas e Vinicius de Morais em canções, foi o engenheiro de som que atuou na gravação do disco ‘Sociedade da Grã-Ordem Kavernista Apresenta Sessão das 10’, de Raul Seixas, Sergio Sampaio, Miriam Batucada e Edy Star, em 1971. Vive atualmente em Tiradentes (MG), onde leciona música. Este texto, inédito, foi cedido pelo autor para publicação no Farofafá

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome