Regina Duarte
Regina Duarte na peça 'O Leão no Inverno', que captou 682 mil pela Lei Rouanet

Chamada de “desgraça” por Jair Bolsonaro, que anunciou publicamente a intenção de “botar uma trava” nela, a Lei Rouanet é vista (na prática) de maneira bastante diferente pela atual postulante à pasta da Cultura no governo, a atriz Regina Duarte. Para Bolsonaro, o incentivo serviria para os artistas “mamarem nas tetas do governo”.

Por meio de sua produtora, A Vida é Sonho Produções Artísticas, Regina captou cerca de R$ 1,5 milhão entre 1999 e 2002 para suas peças. Uma dessas produções, Pedro e Vanda, um texto de Eduardo Lippincott (com a filha de Regina, a atriz Gabriela Duarte, como protagonista), ainda integra o passivo das prestações de contas em aberto na Secretaria Especial de Cultura (antigo Ministério da Cultura). Segundo o governo, há 18 mil projetos não auditados na comissão da Lei Rouanet, o que levou o secretário recém-demitido, Roberto Alvim, a anunciar uma “comissão da verdade” na análise de prestações de contas.

Em 2002, o espetáculo Honra, com a própria Regina Duarte encabeçando, captou R$ 800 mil reais pela lei de incentivo. Mesmo em seu trabalho atual, Regina Duarte se beneficia do incentivo cultural. Em 2016, a produtora Opalco tentou captar R$ 1,9 milhão para a montagem de A Visita da Velha Senhora, de Friedrich Dürrenmatt, protagonizada por Regina Duarte. O produtor Henrique Benjamin captou R$ 682 mil para a peça O Leão no Inverno, texto de James Goldman com Regina na cabeça do elenco, e que teve estreia em 2018. Antes, A Volta ao Lar, de Harold Pinter, com produção da Carrera Gomlevsky Produções Artísticas, captara R$ 210 mil em 2012.

Em maio do ano passado, Regina Duarte usou uma “cola” para criticar a Lei Rouanet durante entrevista no programa do jornalista Pedro Bial, na Globo. A atriz, ligada às pautas da extrema direita, aceitou um período de “testes” (legalmente, não é possível fazer períodos de experiência na administração pública) no governo Bolsonaro após a queda de Roberto Alvim – plágio de um discurso nazista de Joseph Goebbels, ministro da Propaganda de Hitler, revelou inadvertidamente as fundações do seu projeto cultural.

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome