O cantor e compositor Walter Franco. Foto: reprodução
O cantor e compositor Walter Franco. Foto: reprodução

Walter Franco (6/1/1945-24/10/2019) ficou mais conhecido por “Vela aberta”, hit que nos anos 1980 tomou o dial brasileiro e até hoje é relativamente bem tocado em programas de flashback. Chegou a participar do infantil “A arca de Noé”, em que diversos artistas interpretavam composições de Vinicius de Moraes. Ele cantava “O relógio” – de que me reaproximei graças a José Antonio. Chico Buarque gravou “Me deixe mudo” em “Sinal fechado” (1974). Em “Vitrola alquimista” (2003), a mineira Patrícia Ahmaral, que completa 20 anos de carreira este ano, regravou sua “Misturação” (1973).

Mas Walter Franco estava longe de ser um artista popular. Após a interpretação de “Canalha”, no festival da TV Tupi, em 1979, um grito contra aquela ditadura, a de 1964, seria selado com o rótulo de “maldito”, que o colocava ao lado de pares como Arrigo Barnabé, Itamar Assumpção e Sérgio Sampaio, os dois primeiros, como ele, também tidos como vanguardistas.

O essencial de sua produção fonográfica concentra-se na década de 1970, quando lançou os dois primeiros álbuns, “Ou não” (1973) e “Revolver” (1975). A estes, seguiriam-se mais quatro discos, em obra cada vez mais esparsa, justificada pela inadequação do artista aos ditames do mercado. O último álbum é “Tutano” (2001), que sucedeu “Walter Franco” (1982).

Eternamente inquieto, apesar de menos ouvido e conhecido do que deveria e merecia, Walter Franco deixou quase pronto o disco “Listen – ResiLIência e ReSISTÊNcia”, que vinha sendo gravado desde o ano passado com o filho Diogo Franco.

Walter Franco faleceu nesta madrugada, aos 74 anos. Estava internado há três semanas, após sofrer um AVC.

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome