Jeff Tweedy apareceu mais gordinho, menos carrancudo e mais curtido em rock`n`roll. A banda Wilco, que tornou-se em duas décadas uma das expressões do custo e das delicias da independência, ressurgiu em New Orleans essa tarde como um prenuncio de vida nova. Uma tempestade de raios, entretanto, encurtou o show – apos as guitarras terem o som cortado em jams tétricas por um balé de relâmpagos e calafrios.

O Wilco comemora justamente 20 anos de estrada. Tweedy, de chapeu de caubói, vive vida dupla ultimamente, com turnê e disco solo. Ele cantou de cara Ashes of American Flags, do disco Yankee Hotel Foxtrot, de 2002, um hino do grupo. Alternando um som pesado, como em Bull Black Nova, e lirismo, como em I Am Trying to Break Your Heart e Kamera, o show corria como uma boa pilsen, e Tweedy estava com a guarda baixada – ele tem um lado meio sombrio que as vezes domina o negócio.
Mas tinha até uma garota do lado esquerdo do palco fazendo a leitura das canções para surdos-mudos – ela era engraçada, dançava conforme a letra (descobri depois que todos os shows naquele palco tinham as garotas dos sinais).

Nels Cline, o guitarrista do Wilco, experimenta uma fase de maturidade absoluta – seus solos são espiralados, com alguma contundência, mas sem violência, sem dureza. Versátil e inteligente, consegue ser abstrato e emprestar lirismo ao mesmo tempo ao canto de espasmos de Tweedy, formando uma dupla admirável do rock alternativo. Handshake Drugs permitiu uma suave interação entre os musicos, enquanto os pingos de chuva grossos ja molhavam sua audiencia.

Airline to Heaven, de Billy Bragg, foi a senha para o Wilco sair do palco. As microfonias e os raios cortavam o ceu e o publico ja fugia para se abrigar ou sair do hipodromo que abriga o festival. Tweedy nao chegaria a Misunderstood, um dos seus hits (se se pode dizer algo assim de uma cancao do Wilco) globalizados.

Foi engracado, porque enquanto o Wilco se retirava e o locutor informava que nao seria possivel continuar por causa do perigo dos equipamentos eletricos, o cantor Keith Urban resistia no palco principal e recusava-se a encerrar o show. Acabou cedendo apos cantar na chuva por um tempo. A producao fechou tudo, desligou inclusive os computadores, e o publico pegou o caminho de casa sob chuva. Ha um panico encubado aqui em New Orleans por causa do Katrina, e nao deixa de ser compreensivel. No final, nao durou nem uma hora e o sol voltou a brilhar em Fairgrounds.

Siga-nos no Google Notícias
PUBLICIDADE
AnteriorO saxofonista mascarado
PróximoNAWLINS
Jotabê Medeiros, paraibano de Sumé, é repórter de jornalismo cultural desde 1986 e escritor, autor de Belchior - Apenas um Rapaz Latino-Americano (Todavia, 2017), Raul Seixas - Não diga que a canção está perdida (Todavia, 2019) e Roberto Carlos - Por isso essa voz tamanha (Todavia, 2021)

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome