O “herói” é possivelmente o tira, um daqueles policiais civis que ficam mais no boteco do que no distrito. Tem nome de tira de policial noir: Richard. E ele se move sem uma motivação convincente: não é nem corrupto totalmente nem idealista por desígnios de roteiro. Vai adiante por uma série de “estalos” da vida, como se suas ações fosse deflagradas por uma espécie de instinto selvagem.

O pequeno traficante de bairro não é nem um canalha sanguíneo nem é totalmente desprovido de maldade. A esposa infeliz cultua a infelicidade como um destino; os amigos não são totalmente alheios; a velhota que não enxerga os desvios do neto não é totalmente alienada; o militar reformado é um Táxi Driver de si mesmo (mas o artista também nutre afeto por ele). 

E todo mundo deve um favorzinho para alguém. É nessa intrincada cadeia de relações de pequenos favores que se articula uma sociedade inteira. O quadrinista Marcello Quintanilha não é baiano, é de Niterói e vive em Barcelona. Para ele descrever em Tungstênio dessa forma assombrosa a mecânica de funcionamento de grande parte dos afetos na Bahia é porque ele não está apenas representando, observando: ele foi abduzido por aquilo tudo.

O epicentro da HQ é um tipo de implosão interna dos personagens. Essa espécie de instinto selvagem avaliza a ação deles. Há uma dose de esquizofrenia separando o desejo e a ação, um nem sempre descambando no outro.

Imaginem um romance de James Ellroy – só que se passa em Salvador e é protagonizado por aqueles tipos humanos que você vê quando passeia ali pelas imediações do Farol da Barra. E que a maioria dos turistas de paisagens e de monumentos não se apercebe que têm contornos.
Tungstênio (Veneta Editora) é como um romance noir virado do avesso: essa fauna até então invisível que o quadrinista flagra se movendo pelo submundo de Salvador não protagoniza nem grandes golpes, nem grandes amores, nem grandes covardias, nem grandes heroísmos. 

O baile da terceira idade, o vendedor de baseados, o cara que conta sempre a mesma piada no bar, o silencioso motorista do busão: tudo que ele nos mostra é tão familiar que dói.
É o mais orgânico dos trabalhos de Quintanilha, cujas relações entre os personagens têm estreita ligação com o resultado, com os resultados todos. É um romance maiúsculo, um dos melhores da temporada.

Há uma Bahia e um Brasil que emergem dos quadrinhos de Marcello Quintanilha e nos aproximam da nossa explicação enquanto Nação, enquanto povo brasileiro. Mais do que qualquer outro romance recente que eu tenha lido recentemente. Suas histórias projetam o regional no universal, e resumem o universal no regional. Têm um componente de tensão emocional que deixam a gente exaurido no final das histórias.

Marcello esteve em São Paulo por uns dias, tínhamos combinado um café. Agendas não bateram, continuamos amigos de telefone e email, e agora também de Facebook. Nunca nos encontramos. Suas histórias sempre me deixam profundamente impactado. Sinto que eu devia ter arrumado tempo.

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome