Nosso herói Chico Buarque afirma que esse dia não existiu, que essa conversa não aconteceu, que esta foto jamais foi tirada.

cult_chicopcaraujo

E agora, Francisco? Trata-se de uma montagem providenciada por Paulo Cesar de Araújo? Confira aqui a versão do historiador e autor do excelente livro histórico sobre MPB Eu Não Sou Cachorro, Não – Música Popular Cafona e Ditadura Militar (ed. Record, 2000) – que Chico tem demonstrado publicamente detestar. Aqui, a versão de Chico no mesmo O Globo. E abaixo, o texto de Paulo Cesar reproduzido com os grifos e o pasmo geral de FAROFAFÁ.

 

“Foi com grande espanto que li, quarta, declaração de Chico Buarque aqui no Globo, afirmando que jamais me deu uma entrevista. Ou seja, ele alega que eu teria faltado com a verdade ao incluí-lo entre as fontes listadas na biografia Roberto Carlos em Detalhes. Ocorre que Chico Buarque foi, sim, uma das 175 pessoas que entrevistei para a pesquisa que resultou naquele livro. O artista certamente se esqueceu, mas ele me recebeu em sua casa, na Gávea, na tarde de 30 de março de 1992. E esta entrevista, com duração de quatro horas, foi gravada, filmada e fotografada. Falamos muito sobre censura, interrogatórios — creio que por isso ele escreveu, junto com o autógrafo que me deu na capa do disco Construção: ‘Para o Paulo, meu amável interrogador, com um abraço do Chico Buarque. Rio, março/92’.

“Naquela entrevista, Chico me falou sobre as principais fases e canções de sua carreira. Uma de minhas perguntas foi sobre sua relação com Roberto Carlos nos anos 60, quando ambos representavam polos opostos na nossa música popular — suas frases estão reproduzidas na página 184 da biografia que escrevi.

eu-nao-sou-cachorro-nao_paulo-cesar-araujo“No seu artigo o cantor também negou uma declaração dele que reproduzo no meu livro anterior, Eu Não Sou Cachorro, Não. No livro eu cito a fonte: Última Hora – SP, 28/06/1970 — mesmo jornal para o qual, em 1974, o próprio Chico daria uma famosa entrevista, sob o pseudônimo de Julinho da Adelaide. Esta entrevista está no seu site. Resumindo: no seu artigo, Chico dá a entender que o jornal era desprezível, mas ele falava, sim, com seus repórteres. Pois bem. Ele disse no artigo ser impossível ter ‘criticado Caetano e Gil, então no exílio, por denegrirem (sic de FAROFAFÁ) a imagem do país no exterior’. Ocorre que a crítica registrada na Última Hora não tinha este viés nacionalista. O que ele criticava era o fato de os baianos usarem a condição de exilados para sensibilizar os ingleses e fazer sucesso: ‘Nos cartazes de publicidade que eles mandaram imprimir, consta que foram banidos do país. Isso é ridículo, querer vencer pela pena’.

“Registre-se que na época Chico andava mesmo afastado de Gil e Caetano por conta de rusgas desde a eclosão do tropicalismo — o que Chico confirmou ao Pasquim, em 1970. Trecho: ‘Eu perdi o contato com eles, perdi a amizade deles. Então eu não entendo mais se o Caetano é o mesmo que eu conheci’. Nesse mesmo papo com o Pasquim, Chico se mostrou também desconfiado da gravação de ‘Carolina’, feita por Caetano. ‘Eu ouvi o disco uma vez só e confesso que não gostei e não quis ouvir mais porque é um problema em que eu não estava a fim de ficar pensando: será que ele gravou de boa-fé ou de má-fé?‘. Portanto, neste contexto, acho bastante possível ele ter feito também aquela declaração sobre os baianos na Última Hora. Por isso, incluí sua declaração no livro. Faz parte do meu ofício de historiador”.

 

 

Atualização de FAROFAFÁ em 17 de outubro, às 14h10. Chico Buarque emitiu nota de desculpas a Paulo Cesar de Araújo, transcrita abaixo, com grifos nossos:

“Eu não me lembrava de ter dado entrevista alguma a Paulo Cesar de Araújo, biógrafo de Roberto Carlos. Agora fico sabendo que sim, dei-lhe uma entrevista em 1992. Pelo que ele diz, foi uma entrevista de quatro horas onde falamos sobre censura, interrogatórios, diversas fases e canções da minha carreira. Ainda segundo ele, uma das suas perguntas foi sobre a minha relação com Roberto Carlos nos anos 60. No meio de uma entrevista de quatro horas, vinte anos atrás, uma pergunta sobre Roberto Carlos talvez fosse pouco para me lembrar que contribuí para sua biografia. De qualquer modo, errei e por isto lhe peço desculpas.

“Quanto à matéria da Última Hora, mantenho o que disse. Eu não falaria com a Última Hora (de São Paulo) de 1970, que era um jornal policial, supostamente ligado a esquadrões da morte. Eu não daria entrevista a um jornal desses, muito menos para criticar a postura política de Caetano e Gil, que estavam no exílio. Mas o biógrafo não hesitou em reproduzi-la em seu livro, sem se dar o trabalho de conferi-la comigo. Só se interessou em me ouvir a fim de divulgar o lançamento do seu livro. Não, Paulo Cesar de Araújo, eu não falava com repórteres da Última Hora em 1970. Para sua informação, a entrevista que dei ao Mario Prata em 1974 foi para a Última Hora de Samuel Wainer, então diretor de redação, que evidentemente nada tinha a ver com a Última Hora de 1970, que você tem como fonte”.

 

P.S.: Se quiser conhecer mais detalhes e novos desdobramentos do caso, leia também o texto “Você escolheu errado seu supervilão“.

46 COMENTÁRIOS

  1. Caramba…essa é de lascar, heim, Pedro…Tá vendo qdo falo q o negócio é ter as provas cabíveis…como fotos, assinaturas, folhas de papel amareladas pelo tempo…e lembrança….mta memória…senão….a coisa desanda….adorei…Parabéns, Pedro….

  2. E eu não acredito que tenha sido mentira pelo simples fato da entrevista ter sido gravada em vídeo. Será que ele iria mentir diante de uma prova irrefutável e se expôr ao ridículo? Acho que não… Se fosse entrevista sem vídeo, eu até cogitaria mentira, mas diante dessa gravação, acho que foi esquecimento mesmo.

  3. Pedro, para mim está cada vez mais claro o problema deste pessoal com as biografias não autorizadas…O que eles querem é reescrever suas histórias e deixá-las íntegras e sem contradições. A Xuxa é a maria-chuteira mais bem sucedida deste país e tenta apagar isto de sua biografia à todo custo. Este pessoal do Procure(não) Saber vai na mesma linha.

  4. Hj no saia justa a Paula L. reafirmou a história do Chico B. de q nunca deu essa entrevista e ainda sublinhou q nem td o q esta no jornal e verdade… Esta matéria prova de q nem td q sai da boca desse pessoal ´ verdade.

  5. Chupa essa manha.

    Em seu texto de hoje n’O Globo, em que defende a censura prévia às biografias, Chico Buarque abre fogo logo no início. Já no primeiro parágrafo acusa Paulo Cesar de Araújo, autor de Roberto Carlos em Detalhes, a biografia proibida do Rei, de ter dito que o entrevistou, mas “só que ele nunca me entrevistou”, asseverou Chico, num momento de memória fraca.

    Chico Buarque deu entrevista, sim, a Araújo. E longa: foram quatro horas de conversa, em 1992. Não será este um caso de palavra contra palavra. Araújo tem a entrevista gravada e filmada. Há fotos também do encontro. Nelas, Araújo e Chico aparecem juntos, no sofá da casa do compositor carioca.

    Na ocasião, Chico pareceu gostar de Araújo. Ao final da entrevista, autografou um exemplar do LP Construção com uma gentil dedicatória que começava assim: “Para o Paulo, meu amável interrogador(…)”.

    E agora, Chico? Talvez seja mais um exemplo sobre a importância das biografias. Como as personalidades não se lembram de muita coisa de suas próprias vidas, uma boa biografia só ajudaria a todos – inclusive aos próprios – a contar a história de personagens importantes.

    Por Lauro Jardim

    http://veja.abril.com.br/blog/radar-on-line/cultura/autor-da-biografia-de-roberto-carlos-desmente-chico-buarque/

  6. O Chico é único, é excepcional, é inigualável….Não vou nem entrar no mérito da questão. É a opinião dele e o assunto não é uma questão de Estado. Isso parece bata- boca de bicha desocupada.

  7. A postura desta gentaha lancada ao mundo pelo talento musical faz-se clara em suas ausencias de carater nas sucessivas tentativas de ocultar as verdades e realidades de suas vidas pessoais,se depender das excrecencias,jamais saberiamos de suas existencias e falhas humanas,por exemplo : ninguem no futuro saberia que o roberto carlos e deficiente fisico e que mesmo assim por vaidade jamais participou de qualquer campanha publica ou privada em beneficio de seus iguais menos favorecidos,que o caetano e bi sexual, que a ivete sangalo recebeu milhares de Reais do governo do ceara para inaugurar um hospital fajuto,que o simonal era sim ligado a ditadura,enfim que estes pseudo icones nao passam de bundas sujas como a maioria de seus obtusos fas!

  8. Esse é um pessoal tão culto, não? Mas nega a dialética, uma lei tão quanto a da gravidade. As pessoas vivem e falam de suas verdades absolutas, meias-verdades, mentiras sinceras ou picaretices. Depois seguem mudando, reinventando-se, repensando, desistindo, retomando, analisando, errando, contradizendo-se. Tudo normalíssimo e aceitável. Agora querem nos entuxar uma única versão de tudo: a sua própria. Mundo triste. Diferente do que eles mesmos inspiraram.

  9. Esse blog só existe porque tem gente pequena, disposta a fofocas e paparazzismo rasteiro (como se existisse outro tipo de paparazzismo). Lamentável oportunismo do autor, que é endossado por este escritorzinho de quarto de xícara. Todo o apoio ao Chico e ao direito à privacidade.

  10. Na foto vejo o GRANDE Chico Buarque ao lado de um urubu que ganha a vida falando da vida e das realizações alheias. Coisas do nosso tempo, dar mais valor à personalidade do que a obra.

  11. A postura desta gentalha lançada ao mundo meramente pelo talento musical faz-se clara em suas ausencias de carater nas sucessivas tentativas de ocultar as verdades e realidades de suas vidas pessoais,se depender das excrecencias,jamais saberiamos de suas reais existencias e falhas humanas,por exemplo : ninguem no futuro saberia que o roberto carlos e deficiente fisico e que mesmo assim por vaidade jamais participou de qualquer campanha publica ou privada em beneficio de seus iguais menos favorecidos,que o caetano e bi sexual, que a ivete sangalo recebeu milhares de Reais do governo do ceara para inaugurar um hospital fajuto,que o simonal era sim ligado a ditadura,enfim que estes pseudo icones nao passam de bundas sujas como a maioria de seus obtusos fãs. Jamais gostei de caetano como ser humano e pensador retrofuricular que é e por conta de suas defecações verbais ja publiquei um poema em sua homenagem :Resposta a um Mediocre !

    Caetano

    És simplorio folclore musical
    Obtuso pensador local
    Limitado vislumbrador mundial;
    Incoerente planetário absolutamente fecal

    Em momento de seca militarmente profana
    Fostes erroneamente adotado pela burguesia insana
    Versaste suas incoerências e desatinos
    Redundaste em blasfêmias obtusas
    Chafurdaste na lama do nuveau
    Falsos tabus transpuseste
    Flatulencias verbais compuseste

    Afeto ao poder e a riquesa
    Vassalo de acmes e cravos afins
    Seborreica a tacanha explosão
    Da fistula putrea inerente
    Transformada em momento reluzente
    Da covardia em ti patente
    Do mediocre sim e não

    Caetano

    Vive teus louros indevidos
    Aprecia a fama global tabloidea
    Aconchega-te dos esbirros mentirosos
    Que te endeusam asneamente
    És o que és imutavel e pétreo
    Obtuso e ignobil
    Resquicio da arrogância
    Da Bahia de Rui Barbosa
    Em qual idioma quereis que vos fale?
    Pelas asneiras e sandices proferidas
    O silêncio é tua maior expressão!

    Caetano:
    Tu calado és um poeta proLIXO!

    Alcir de Souza

  12. É óbvio que Paulo Cesar de Araújo agiu de má fé. Ninguém que conhece a história de nosso país, e de nossa imprensa, pode considerar verdade absoluta algo que leu no jornal. Ainda mais no Última Hora, ainda mais na época da Ditadura e ainda mais publicado numa coluna chamada Escrache! No mínimo ele deveria ter confirmado a veracidade com Chico. Ele não o fez pois escolheu assim, para seu objetivo era melhor tomar como verdade. Isso já depõe sobre o caráter do autor. Devemos acreditar em alguma coisa do que ele diz?
    E faça o favor Pedro, um homem com a integridade histórica de Chico Buarque, ser acusado de mentiroso! Ele pode perfeitamente ter esquecido da entrevista, é perfeitamente cabível.

    • “Óbvio” para quem, Vanessa? Impressionante como a legião de fãs do Chico (da qual também faço parte) às vezes parece hipnotizada por um flautista de Hamelin…

      • Pedro, muito obrigada por inviabilizar o meu discurso.” Hipnotizada por um flautista de Hamelin”? Conheço a tática, mesmo não sabendo nada de mim, me associando a fanatismo, desvaloriza meus argumentos. Que pena, empobrece uma discussão importante. Ah, só uma perguntinha, se sou tão fã do Chico assim a ponto de ficar cega, por que é que nunca fui a um show dele? Ah! E ele se desculpou pois não lembrava da entrevista, confirmando assim sua postura íntegra. E se lembrasse, lembrava também que ela foi gravada em todas as mídias, portanto não seria possível mentir sobre ela. Do contrário, você deveria o acusar de ser um completo idiota, além de mentiroso, consegue fazer isso? Agora… sei não, mas acho de bom tom um pedido de desculpas pelo pejorativo e leviano “Pega na Mentira”.

  13. O roberto carlos(vulgo)perninha foi um dos grandes aliados da ditadura com seu silencio e omissão social(a mesma para com os deficientes fisicos como ele)assim como muitos dos que se auto exilaram sob a tutela do roberto marinho e retornaram para o obtuso endeusamento sem jamais ter tido qualquer contribuição fisica na luta contra o regime imposto ilegalmente pelas sucias fardadas a soldo de nação estrangeira e sob o controle de empresarios domesticos,assim sendo foram alçados à um pantão ao qual jamais mereceram adentrar e colocarem-se ao lado do grande Geraldo Vandre e tantos outros que realmente contribuiram na luta contra o crime de leza patria sucio !

  14. E o Pateão pega fogo! É nisso que dá quando se apreende como “arte” somente aquilo que se presta à espetacularização. Como já disse Perrone-Moisés: “Passaram a ter mais sucesso os escritores fotogênicos ou de vida interessante, e as biografias dos mesmos começaram a ser mais vendidas do que as próprias obras. Proust, por exemplo, virou biografia, álbum, livro de receitas e de auto-ajuda.”
    A discussão em torno da “lei das biografias” só comprova isso, ao meu ver.

  15. Caros,

    num país ignorante, semi-analfabeto e de não leitores, qualquer atividade que vise dificultar o oficio do escritor é uma tragédia. Num país cujo o produto cultural por excelência à representar a sua identidade é a música (alguém já ouviu falar em algo como “Literatura Popular Brasileira”?), músicos famosos querendo lucrar com o trabalho de escritores/jornalistas é, no minimo, estranho. Por que será que há muito mais rádios comunitárias do que sebos nas cidades brasileiras? Quanto será que estes músicos recebem, legalmente e com todos os méritos, de direitos autorais? Alguém tem a ideia da distancia de valor no mercado cultural para se fazer um show musical e um bate papo com um escritor? Tirando os Paulo Coelho da vida, alguém é capaz de citar um único escritor brasileiro que ficou multi milionário exercitando apenas o oficio da escrita? Estranho, muito estranho…

    • Me incomoda o mesmo clichê de sempre, Leonardo, “num país ignorante, semi-analfabeto e de não leitores” – você mora em Paris, que nem o Chico?…

      O Brasil somos nós, pô! <3

  16. A verdade e que esta gente so quer : dinheiro,privilegios e sexo por seja la qual parte.nao tem nenhum tipo de consciencia social ou de responsabilidades idem; assim quando sao desnudos em biografias e se ve que sao pernetas,castrados ou sem carater apelam para seus rabulas jurisconsultos a soldo para dar inicio a processos,impedimentos ou qualquer outro tramite que impessa suas desfacatezes de se fazerem publicas,o perninha(roberto carlos e perneta) e um grande numero de hoje impolutos( o zagalo e um destes excrementos no esporte) foram parte importante da consolidacao da ditadura na obtusa e manipulada visao do populacho do bordel!

  17. Esses jornalistas se apoiam em detalhes geradores de intrigas, querem vender mais livrinhos.
    A história do Chico Buarque é uma parte da história do Brasil, mas não devemos apoiar em detalhes que causam intrigas para escrever sua biografia em uma dimensão pública.
    E esse historiador é um fofoqueiro. A biografia do Chico trará reflexões importantes para o entendimento do tempo da ditadura. Um historiador serio fará isso.

  18. Chico não é quem pensamos, assim como ninguém famoso é…
    Um historiador tem sim o papel investigativo, e como ser humano, vai fazer isso da forma que lhe convém, cometendo erros e acertos. Nao entendo pra que tanto extremismo nas opiniões, tanto moralismo e tanto falso moralismo…
    Sobre as biografias, eu detestaria ter uma minha, ainda mais não autorizada! rs
    Sim, sou fã do Chico, fã de historiadores e fã de biografias.
    E poxa, vamos ser menos agressivos nas postagens, seres humanos as leem.
    Abraços

    • Juliana
      Por minha parte eu creio que a liniencia e a desfacatez andam de maos dadas; tive de sair de meu pais para nao ser assassinado, tive amigos torturados e assassinados enquanto estes individuos(perninha,zagalo e tantos outros)se associaram com a ditadura para auferir beneficios em detrimento do resto da entao sociedade(hoje um mero aglomerado)entao assim sendo nao vejo motivos para minimizar a retorica,se em biografias aqueles que foram participes do crime de leza patria vierem a ser nominados e os falsos democratas desmascarados acredito que entao o bordel encontrara o caminho para se tornar um pais e quem sabe um dia ate uma nacao!

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome