Por que o evento vem sendo apropriado por disputas políticas de baixa qualidade e que o público não dá a menor bola.

Foto Marcelo Miranda / I Hate Flash
De incendiário em 2007, Mano Brown virou o pacificador em 2013. É fácil simplificar as coisas, mesmo que isso signifique deturpar a realidade. Há seis anos, a imprensa participou do jogo de criminalizar o líder e vocalista dos Racionais MCs, grupo de rap que foi banido da Virada Cultural depois de um violento confronto entre público e Polícia Militar. Desta vez, os formadores de opinião receberam o apoio das redes sociais, que ironizaram que ele tenha mudado o discurso.

Em um dos shows mais aguardados da nona edição da Virada Cultural, os Racionais tocaram, no palco Júlio Prestes, alguns de seus sucessos dos primeiros álbuns, cantados em uníssono pela plateia, e também o sucesso mais recente “Mil Faces de Um Homem Leal (Marighella)”. Como sempre faz, Mano Brown criticou o sistema, a educação de baixa qualidade que se dá aos negros, o fato de o Brasil ter nascido de um “sequestro, um estupro e uma mentira” e a falta de oportunidades e empregos para os pobres. Só que o cantor falou algo mais:

“Estive ontem de noite, na madrugada, aqui, sou da rua, vi muita covardia nas ruas do centro. Todo mundo fala da polícia, do sistema, mas eu vi vários malandros se ramelando, se roubando, se saqueando, se agredindo, se desrespeitando”, criticou Brown. Depois comentou sobre um “moleque” que teve seu tênis Mizuno, de “900 reais”, levado por “dez manos”: “O que eu vi ontem tá longe de ser evolução. O rap precisa de gente de caráter, não de malandrão.”

Prefeito Fernando Haddad, ao centro - Fotos Eduardo Nunomura
As frases, que ganharam amplo destaque midiático, vieram precedidas de outra: “Não pode faltar ninguém na volta. A falta de um é a falta de milhões.” Brown deveria estar se referindo às mortes que ocorreram durante a Virada, e procurou conscientizar seu público. Na área cercada para convidados e imprensa, o prefeito Fernando Haddad ouvia tudo atentamente. Deve ter assentido que uma ou duas mortes poderia ter mesmo a força de macular a imagem de uma festa para milhões de pessoas.

Mano Brown é daqueles personagens difíceis de serem compreendidos por quem não faz parte do universo dele, que é o da periferia. Por isso, ele aparece na imprensa de forma pendular: ora provocador, ora pacifista. A incoerência que se tenta atribuir ao líder dos Racionais só existe na cabeça de quem não consegue compreender o discurso de suas músicas.

Mas o fato de ele ter apoiado sistematicamente o PT nas últimas eleições ajuda a inflamar a polarização política que vive o país, e particularmente em São Paulo. Haddad, na coletiva para a imprensa, avaliou o evento: “Do ponto de vista das atrações, tudo transcorreu na mais perfeita ordem. Foram 900 apresentações quase impecáveis. Foi uma das melhores Viradas de todos os anos.”

A violência, expressa nas mortes, nos arrastões e assaltos, foi o bastante para que os partidários do PSDB condenassem tanto Mano Brown quanto Haddad. Batizaram de “Virada Criminal”. É um ingrediente incendiário a mais para um discurso pronto de oposição, que já havia espreitado dias antes com outro, o de que o PT estava se apropriando indevidamente do evento. O ex-prefeito José Serra, no Facebook, deu o tom: “Só me preocupa que a Virada Cultural seja usada para aparelhamento político-partidário, o que já começou a acontecer este ano.”

O PT e seus militantes erraram lá atrás quando não viram a dimensão e a importância da Virada Cultural, cujo pai é mesmo o tucano Serra, como um fenomenal instrumento para que a população ocupe o espaço público. O PSDB e seus fieis escudeiros erram agora em querer destruir o que eles próprios criaram.

Estive em vários palcos nesta Virada, de MPB, samba, funk, indie, rock e música infantil. Vi milhares de pessoas que não estavam aí para essa disputa tola.

Siga-nos no Google Notícias
PUBLICIDADE

1 COMENTÁRIO

  1. … Ae sim vale a pena…e que o Guitarrista da banda EXCOMUNGADOS não tome tento pois fica batendo no peito orgulhoso nos shows (e vai tocar na virada de sampa hein) por ter queimado o carro da TV RECORD e subido status no BLACK BLOC. E que o VOCALISTA dessa banda PEKINEZ GARCIA tome tento e pare de organizar quebra quebra… queremos a prisão de incendiários…(obs: esses são os mesmos que estavam presentes na morte do punk JOHNI RAONI GALANCIAK/vide google)AJUDEM A DENUNCIAR!

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome