Por que muitos de nós parecemos gostar mais de Tonico & Tinoco agora que estão mortos do que gostávamos deles e de suas músicas “caipiras” quando ainda viviam?

Tonico já havia morrido, em 1994. Agora morreu Tinoco.

Hoje todo mundo está triste, com saudades de Tinoco, e de Tonico.

Enquanto isso, você aí, carpindo os mortos, e fazendo exigência.

Nunca vimos fazer tanta exigência, Luan Santana, nem fazer o que você nos faz.

Você não sabe o que é consciência, Paula Fernandes, não vê que somos pobres rapazes.

Que hoje, 4 de maio de 2012, amamos Tonico & Tinoco com a mesma paixão com que detestamos João Lucas & Marcelo,Victor & Leo, Joelma & Chimbinha, esse pessoal todo que, sabe?, deturpa os valores da nossa terra.

Nascemos e/ou moramos no estado de São Paulo, até nos vestimos como (indies e/ou) sertanejos, mas na maior parte do tempo nos envergonhamos de ser “caipiras” como eram os interioranos paulistas Tonico e Tinoco. Não importa: hoje é dia (de rock e) de chorar.

E você?

Você só pensa em luxo e riqueza, Michel Teló. Tudo que você vê você quer, Gusttavo Lima.

Ai, meu Deus, que saudade do Tinoco. Aquilo sim é que era sertanejo.

Às vezes Tinoco passava fome à nossa frente, e achava bonito não ter o que comer.

Quando vivo, não pudemos fazer nada por ele, agora nos resta carpi-lo. É mais uma incelença que entrou no paraíso pelos portais do quintal dos fundos.

Quando Tinoco nos via contrariados, dizia ao Roberto Carlos: “Meu filho, o que se há de fazer?”.

Tonico era resignado, sabia seu lugar, não tentava ser caubói do asfalto, não ia para a faculdade, não deixava as lavouras de tomate onde Leandro & Leonardo viveram, não fazia forró universitário, não misturava pop caipira com sonoridades eletrônicas.

Tonico não tinha a menor vaidade. Tonico é que era caipira de verdade.

Ai, que saudades de Tonico & Tinoco.

E fim.

P.S.: Este texto, evidentemente, contém ironia. O dulcíssimo samba amineirado “Ai, Que Saudades da Amélia” (1942), de Ataulfo Alves e Mário Lago, cai como luva à voz mansíssima de Roberto Carlos, como o então rei do iê-iê-iê comprovou em gravação de 1967. Mas quantas toneladas de crueldade podem morar protegidas atrás de pretensas doçura e mansidão?

Este texto pretende prantear Tinoco e a genial música caipira que ele produziu no passado – mas sem querer ofender, agredir ou espezinhar o presente.

Se um desses meninos de hoje, Michel, Luan, Paula, Gusttavo, João Lucas etc. e tal, morrer no futuro, velhinho, aos 92, choraremos sua perda com as mesmas lágrimas de crocodilo (ou reais) com que pranteamos, depois de muitas borrascas, os sumiços de Tinoco, e Tonico, e Xavantinho, e João Paulo, e, e, e, &…

Mas será que, quando pensamos homenagear tonicos & tinocos com profecias pretéritas do tipo “a música sertaneja de hoje não presta”, não estamos festejando intimamente a submissão com que viveram – com que viveram e vivem não só tonicos e tinocos, mas ataulfos, e amélias, e mulheres, e negros, e índios e homossexuais, e, e, e, &…?

Esse chavão “a música de hoje não presta” não seria mais uma das inúmeras variáveis de frases mantenedoras do status-quo reacionário como “não sou racista, tenho até um tio-avô marrom-bombom”, e “a mocinha foi estuprada porque estava de minissaia”, e “não sou contra homossexuais, mas não gosto dos heterofóbicos”, e “funk carioca é tudo lixo”, e “brasileiro é um povinho subdesenvolvido mesmo”, e, e, e, &…?

Siga o FAROFAFÁ no Twitter
Conheça nossa página no Facebook

5 COMENTÁRIOS

  1. Músicas consideradas “lixo” sempre existiram e a atualmente falida indústria fonográfica ganhou muito dinheiro com elas.Quando a música sertaneja começou efetivamente a ter espaço na mídia global lá pelos idos de 1986 surgiram novos nomes do referido estilo com uma nova forma de compor.Meu falecido pai dizia que não era sertaneja e não era brega; era reginaldorossiano, ou seja era uma vertente contemporânea do bolero. Cresci ouvindo Pena Branca e Xavantinho, Tonico & Tinoco, Tião Carreiro & Pardinho. E da plêiade de artistas sertanejos da época eu gostava mesmo e continuo gostando são das modas de viola. Existia nesse meio uns trabalhos que eu admirava.E torcia o nariz para outros trabalhos que eu achava outs.Tive forte influência do meu pai em parte do gosto musical pois ouvia Glenn Miller, Ray Conniff, Paul Mauriat, Sérgio Mendes, Stan Kenton; mas sinceramente falando achava no geral a música sertaneja uma coisa de povo subdesenvolvido cultural e economicamente. Dai ouvindo o que rola hoje acabo achando que o ontem era melhor, coisa que à época eu achava ruim.Então chego à seguinte conclusão: Tem alguma coisa errada com meu jeito de escutar.

  2. Pedro,vc escreve muito bem,adoro seu estilo,humor,inteligência,citações,referências,analogias e etc,mas concordar contigo é coisa que eu não faço.Eu vivo numa região,onde só se ouve música sertaneja,até nas igrejas.Eu tenho trauma,eu me sinto num curral,socorro.

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome