Ontem, me dispus a escolher arbitrariamente a música de pop rock que eu considero a cara de uma década. A de ontem foi Glory Box, cara dos anos 90.
Hoje, vamos aos noughties (a primeira década dos anos 00) .
Como já escrevi aqui, em novembro, é meio consenso que não houve, na música, um artista individual de destaque, alguém que possa levar o título de ARTISTA DA DÉCADA.
O maior fenômeno foi tecnológico, na forma de distribuição e disseminação da música (o download ilegal, o comércio virtual, o iTunes, o iPod, o YouTube, o MySpace, o Spotify, o estúdio doméstico dentro de um laptop).
Amy Winehouse foi uma grande novidade, mas fez muito pouco, quase nada, virou um zumbi-celebridade.
Houve, é claro, o chamado “renascimento do rock”, com bons nomes: Strokes, Libertines, White Stripes, Franz Ferdinand, Kings of Leon.
Radiohead já estava ativo nos anos 90.
Sim, notei que já estou enrolando, é o caso de escolher logo, certo?
Sei que minha escolha poderá decepcionar muitos, mas ei-la:
Seven Nation Army, dos White Stripes.
A distorção da voz no microfone, a batida seca de bateria, a guitarra entre sinistra e paranóica, a confusão entre blues branco & vibe negra: isso tudo abalou a década.
Os DJs piraram. Choveu de remix (virou até clichê).
Na capa do disco, o casal fofinho e posudo debaixo de prosaica lâmpada de filamento quebrava uma estrutura, como queria Rogério Duprat, aquela histórica dependência guitarra-baixo-bateria do rock.

PUBLICIDADE

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome