Uma carta de Belchior com 26 linhas datilografadas, endereçada a Ricardo e Beth Bezerra e datada de novembro de 1974, possibilita grandes alumiamentos sobre o início da trajetória do bardo de Sobral. A carta foi divulgada em 2017 pelo blog do jornalista Jocelio Leal, do jornal O Povo.

Em 1974, Belchior tinha recém-lançado o seu primeiro LP, Mote e Glosa (sim, eu sei que o nome é Belchior, assim como eu sei também que o disco dos Beatles não é White Album, é The Beatles), que estava vendendo absurdamente… nada. A gravadora Chantecler já o tinha dispensado, mas Belchior, conforme expressava na carta, não estava nem aí para isso e mencionava um convite para gravar na RCA – Alucinação, o disco seguinte, sairia pela Polygram em 1976. Cheio de autoconfiança, o artista fazia planos de uma turnê latino-americana (Santiago, Montevidéu, Buenos Aires, Assunção) “para estudantes” (“Ainda sou estudante da vida que eu quero dar”) e se incomodava com o abuso das revistas (batidas policiais ou publicações de gossips?) nos aeroportos.

Curioso notar também que Belchior expressa, na carta, a estratégia com a qual nutria seu relacionamento com São Paulo, onde estava instalado havia pouco tempo. Ele escreveu de São Paulo para Fortaleza. “Aqui em São Paulo ainda está frio. Creio, porém, que rever as pessoas queridas e brincar de novo ao sol daí é o bastante para ter calor durante muito tempo”. Era o sentimento de um compositor que cantava sua música Passeio pela primeira vez para grandes plateias (“Vamos sair pela rua da Consolação/Dormir no parque em plena quarta-feira/E sonhar com o domingo em nosso coração”).

Belchior também apostava no LP de estreia de Fagner, pela Philips, e o chamava de Mago (uma corruptela de “magro”, muito frequente no tratamento nordestino; é como é chamado, por exemplo, o ex-governador paraibano Ricardo Coutinho). Fala de um show recente feito em São Paulo no Mackenzie para 2 mil espectadores, ao lado de Carlinhos Vergueiro (na casa de quem Belchior viveu por uns tempos) e Marcus Vinicius (arranjador, regente e diretor musical do seu disco de estreia, Mote e Glosa). Show no qual cantou Freedom, de Richie Havens. Também menciona os colegas Rodger Rogério e a cantora Tetty (que celebrou 77 anos neste dia 13 de junho).

NOTA DO REDATOR:  Como eu não li na época no blog do Jocélio, só vim a tomar conhecimento agora dessa carta. O que me causou grande alegria, por isso dei até como inédita. Mas já circulava por aí há algum tempo. Mas o entusiasmo persiste!

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome