O cantor e compositor maranhense Tutuca Viana. Foto: Fernanda Torres
O cantor e compositor maranhense Tutuca Viana. Foto: Fernanda Torres

Já fazia 10 anos que Tutuca Viana não lançava um disco novo. Em 2018 “Avessa manhã” pegou o fã-clube de surpresa. E mais de surpresa ainda as gerações mais jovens, que enxergam no cantor e compositor, apenas um produtor cultural, mentor do Lençóis Jazz e Blues Festival, definitivamente consolidado no calendário cultural do Maranhão, realizado justamente há 10 anos, com etapas em Barreirinhas, nos Lençóis Maranhenses que lhes emprestam o nome, e na capital São Luís.

“Nunca deixei de fazer shows. É claro que meu tempo diminuiu, e muito, por causa dos meus projetos, inclusive essa turnê, que adiei por quase três anos. Agora, a geração mais nova realmente devia sair um pouco do seu gueto e conhecer mais fundo a música produzida aqui. Eu conheço quase todos da nova geração, mas se eles não me conhecem? Aí é outra história. Minha geração sempre curtiu tudo e pesquisava muita coisa de todos os cantos. Eu acho que é isso, falta um pouco mais de interesse pra conhecer a galera que marcou uma época em nosso estado”, provoca Tutuca, com razão. É comum novos nomes da cena serem escalados nos festivais que produz.

O músico e produtor que lhe habitam conviverão nesta turnê. Indagado se aproveitará as viagens para fazer a curadoria do próximo Lençóis Jazz e Blues Festival, ele não titubeia. “Vários produtores me avisam do que está acontecendo e, claro, não custa nada após a circulação dar uma esticada”. Mas não adianta nomes, embora dê uma boa notícia em primeira mão: “Ainda é muito cedo [para revelar nomes da próxima edição do Lençóis Jazz e Blues Festival], estamos aguardando as aprovações [o festival é patrocinado através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Maranhão; a turnê tem patrocínio de Cantinho Doce, através do mecanismo], mas adianto uma grande atração nacional, só não posso falar o nome ainda. Aliás, duas se tudo correr como espero. A boa noticia é que teremos esse ano São José de Ribamar no fim do ano. Será a quarta edição do festival de lá [o São José de Ribamar Jazz e Blues Festival teve sua última edição realizada em 2016].

Avessa manhã. Capa. Reprodução
Avessa manhã. Capa. Reprodução

“Avessa manhã”, o álbum, é um abrir baú: resgata composições da década de 1980, perdidas numa fita cassete, parcerias de Tutuca com nomes como Sérgio Habibe e Zezé Alves. O disco agrega ainda as participações especialíssimas do gaitista brasiliense Gabriel Grossi, do violinista francês radicado na Lapa Nicolas Krassik, e do cantor capixaba Zé Renato, quase sempre tido como carioca, dada sua presença no grupo vocal Boca Livre, dono também de uma respeitável carreira solo.

Ele reverencia os convidados: “são grandes artistas de gerações diferentes, mas não menos importantes pra cena nacional. Somos amigos e foi fácil mostrar as canções e eles gostarem de tocar e cantar”, revela.

A base do repertório, adianta, é “Avessa manhã”, mas Tutuca certamente relembrará sucessos de sua carreira, como “Canoa quebrada”, “Dera”, “Beijo de luz” e “Pedras no asfalto”.

Nos shows da turnê de “Avessa manhã” Tutuca (voz e violão) será acompanhado por Luís Jr. Maranhão (guitarra, viola, violão sete cordas e violão de aço), Renato Serra (piano), Nataniel Fofo (bateria), Nema Antunes (contrabaixo), Rômulo Viana (guitarra e violão) e Marcelo Carvalho (piano) – os dois últimos são, respectivamente, filho e irmão do músico. Em cada cidade a banda contará com a participação de um percussionista convidado.

Serviço
Confira a seguir, datas, locais e participações especiais nos shows da turnê “Avessa manhã”:
29 de fevereiro: Festival de Jazz e Blues de Fortaleza, Teatro José de Alencar; Gildomar Marinho;
7 de março: Arena Cultural da Funbel (antigo Memorial dos Povos), em Belém; Nilson Chaves, Delcley Machado e Salomão Habib;
10 de março: Teatro Solar de Botafogo, no Rio de Janeiro; Zé Américo, César Nascimento, Zé Renato e Gabriel Grossi;
13 de março: Teatro Brincante (Vila Madalena), em São Paulo; Arismar do Espirito Santo e Filó Machado;
27 de março: Bar Fanzine, em São Luís; abertura do dj Pedro Sobrinho e recital de cordel com Moisés Nobre em homenagem ao Dia do Teatro, além de convidados especiais a confirmar.

Ouça “Avessa manhã”:

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome