Morreu nesta quinta-feira, aos 86 anos, o Professor Eduardo de Oliveira, um dos mais aguerridos defensores do movimento negro no Brasil e autor do ‘Hino à Negritude’.

Se hoje o Brasil possui um Estatuto da Igualdade Racial, deve-se muito à sua luta do Professor Eduardo de Oliveira. “Eu sempre falo que o negro, não só no Brasil, mas no mundo, é sempre uma afirmação de um crime perpetrado contra a Humanidade. Cada rosto negro é um corpo de delito. É a prova de uma perversidade feita por um grupo sobre outro grupo. Mas o que é fundamental é que esse erro ficou marcado e está sendo reconhecido o crime”, afirmou ele, em março de 2010 por conta da aprovação do estatuto – sancionado em julho pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

À “Revista Raiz da Liberdade”, o professor tocava o dedo na ferida ancestral brasileira: “Dizem que o negro não existe, que não existe raça e que o povo não tem mais referência racial, mas até pouco tempo tinha, para ser escravo, para trabalhar muito, para ficar na senzala, era a raça que servia, eram os filhos do continente negro.”

Eduardo de Oliveira cresceu num orfanato. Poucos anos depois e ainda na adolescência, ao perceber a sociedade desigual em que vivia, começou a rascunhar os primeiros versos de algo que ele levaria 60 anos para terminar. É o “Hino à Negritude”, um cântico em homenagem à africanidade brasileira. Demorou esse tempo todo, afirmava, porque as conquistas dos negros custam a acontecer. Dizia que o hino era a condensação da “generosidade humana”, de tantas contribuições que recebeu.

Em setembro de 2009, quando a Câmara dos Deputados discutia a inclusão do “Hino à Negritude” como um dos hinos oficiais do país, por iniciativa de um projeto do deputado Vicentinho (PT-SP), o jornalista e crítico musical Nelson Motta tratava a composição como uma “marcha escolar-militar banal e tradicional”. Em artigo no jornal “O Globo”, bradou, ao melhor estilo “Nós-não-somos-racistas”: “O ‘Hino à Negritude’ se parece mais com os velhos hinos ‘brancos’ e ufanistas. E o que seria homenagem soa como uma paródia do estilo do opressor.” O racismo que o Professor Eduardo de Oliveira sempre combateu, como se vê, sobrevive.

Nascido em 1926, Eduardo de Oliveira foi um dos três estudantes que se formaram numa turma de 800 alunos do ano de 1950 no tradicional Colégio Caetano de Campos, em São Paulo. Em 1963, foi eleito como primeiro vereador negro da capital paulista, e por conta disso seu velório está sendo realizado nesta sexta-feira na Câmara Municipal.

Presidente do Congresso Nacional Afro-Brasileiro (CNAB), desde a sua fundação em 1995, o militante da causa negra escreveu vários livros, como “Ancoradouro” (1960), “Banzo” (1965), “Evangelho da Solidão” (1969), “A Cólera dos Generosos” (1988). O primeiro deles, “Além do Pó”, foi publicado em 13 de maio de 1958. É também autor da enciclopédia “Quem é Quem na Negritude Brasileira”.

 

Hino à Negritude

Letra e Música: Professor Eduardo de Oliveira

Sob o céu cor de anil das Américas

Hoje se ergue um soberbo perfil

É uma imagem de luz

Que em verdade traduz

A história do negro no Brasil

Este povo, em passadas intrépidas

Entre os povos valentes se impôs

Com a fúria dos leões

Rebentando grilhões

Aos tiranos se contrapôs

Ergue a tocha no alto da glória

Quem, herói, nos combates, se fez

Pois que as páginas da História

São galardões aos negros de altivez

Levantado no topo dos séculos

Mil batalhas febris sustentou

Este povo imortal

Que não encontra rival

Na trilha que o amor lhe destinou

Belo e forte na tez cor de ébano

Só lutando se sente feliz

Brasileiro de escol

Luta de sol a sol

Para o bem de nosso país

Ergue a tocha no alto da glória

Quem, herói, nos combates, se fez

Pois que as páginas da História

São galardões aos negros de altivez

Dos Palmares os feitos históricos

São exemplos da eterna lição

Que, no solo Tupi

Nos legara Zumbi

Sonhando com a libertação

Sendo filhos também da Mãe-África

Aruanda dos deuses da paz

No Brasil, este Axé

Que nos mantém de pé

Vem da força dos Orixás

Ergue a tocha no alto da glória

Quem, herói, nos combates, se fez

Pois que as páginas da História

São galardões aos negros de altivez

Que saibamos guardar estes símbolos

De um passado de heróico labor

Todos numa só voz

Bradam nossos avós:

Viver é lutar com destemor

Para frente marchemos impávidos

Que a vitória nos há de sorrir

Cidadãs, cidadãos

Somos todos irmãos

Conquistando o melhor por vir

Ergue a tocha no alto da glória

Quem, herói, nos combates, se fez

Pois que as páginas da História

São galardões aos negros de altivez

(bis)

Siga o FAROFAFÁ no Twitter

Conheça nossa página no Facebook

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome