Vira e mexe, a ministra Ana de Hollanda é atacada pelos jornais, através de artigos e manifestos, como uma Geni da cultura. Esta semana, texto subscrito por professores universitários, no jornal “O Estado de S. Paulo”, e entrevista do ex-ministro Juca Ferreira, na “Folha de S.Paulo”, pareciam petardos sincronizados, como numa campanha bélica bem tramada.

Não sou especialista em administração pública. Mas conhecendo a ministra e acompanhando de longe sua ação à frente do ministério, me estarreço com a violência praticada contra ela. Chego a pensar que não estamos acostumados à política exercida com discrição e serenidade, gostamos da tradição dos berros e dos murros na mesa, confundimos delicadeza com fragilidade.

São tão tortuosos e pouco sólidos os rumos desses desaforos, tão clara sua voracidade política, que seria mais simples se os agressores declarassem logo: “É que não vamos com a cara dela.”

Juca Ferreira, o ministro do projeto autoritário da Ancinav, não esconde contra o que se bate: “Num estado com pouco controle social como o Brasil, você diz e faz o que quiser”, declara em tom de lamentação, sobre algo que devia nos orgulhar. Antes dele, os professores liderados por Marilena Chauí listam várias expressões acadêmicas que gostariam de ouvir vindas do MinC e exigem dele uma participação criativa que não lhe cabe ousar ter. O velho e místico sebastianismo brasileiro ainda pensa que é o estado que produz e deve produzir cultura.

Ora, para os que já se esqueceram dele, lembro trechinho do belo discurso de posse da presidente Dilma Rousseff: “A cultura é a alma de um povo, essência de sua identidade. Vamos investir em cultura, ampliando a produção e o consumo em todas as regiões de nossos bens culturais.” E então fui me informar do que anda fazendo o MinC de Ana de Hollanda para atender a esse programa anunciado pela presidente. Aqui transmito algumas respostas ouvidas por mim.

Em 2011, o MinC não só conseguiu dar conta de um enorme passivo de compromissos que ficaram a descoberto em 2010, como alcançou uma execução recorde de 98,98% dos limites autorizados para empenho. Isso significou R$1,069 bilhão em investimentos diretos, o maior número já alcançado pelo Ministério no que se refere ao efetivamente investido.

Ao contrário do que se tem dito, o orçamento do MinC, na gestão da presidente Dilma, é maior e mais realista do que o de gestões anteriores. O total de investimentos é de R$1,24 bilhão. Somando-se a isso os R$400 milhões a serem incorporados através do Fundo Setorial do Audiovisual, chega-se a R$1,64 bilhão, um recorde sem precedentes na pasta. E não se computa aqui o investimento indireto através das leis de incentivo, como a Rouanet.

E para onde têm ido esses recursos?

Os Pontos de Cultura encontravam-se sem pagamento desde o mês de março de 2010. Na atual gestão, o MinC já pagou cerca de R$100 milhões. O crescimento do orçamento do Programa Cultura Viva tem permitido a criação de novos Pontos de Cultura, o revolucionário projeto inaugurado por Gilberto Gil. Em 2010 o investimento nos Pontos de Cultura era de R$50 milhões. Em 2011, o primeiro ano da gestão atual, foram empenhados R$62 milhões e em 2012 esse valor saltou para R$114 milhões.

Em fevereiro deste ano, a ministra aprovou, junto à presidência, uma lista de programas prioritários que já estão em execução: o Brasil Criativo, que visa a ampliar as possibilidades de emprego e renda, a partir do potencial criativo; o Mais Cultura & Mais Educação, em parceria com o Ministério da Educação, para investir em cultura nas escolas; o PAC das Cidades Históricas, atuando em 125 cidades que possuem sítios históricos ou bens tombados; o de Praças dos Esportes e da Cultura, na periferia de 345 cidades, para construção de parques esportivos, bibliotecas, salas de espetáculo, cineclubes.

O ministério está investindo no processo de implantação do Sistema Nacional de Cultura, que pulou de 337 municípios e um estado integrados até 2010, para 782 municípios e 17 estados hoje. Na área do audiovisual, a aprovação recente da lei 12.485 vai permitir a presença do produto nacional independente nas televisões por assinatura e o crescimento dos recursos do Fundo Setorial. Um instrumento de remissão do cinema brasileiro.

Além disso, o MinC, com o apoio da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Cultura, se empenha na aprovação, pelo Congresso, de leis como as do Vale Cultura, do Procultura e sobretudo da revisão dos Direitos Autorais. Sou internauta e sei que não é mais possível nem desejável recolher esses direitos como se fazia no passado. Mas também não estou disposto a entregar o que sai de minha cabeça ao Creative Commons, um projeto de marketing de empresa esperta.

Foi isso o que me contaram e eu ouvi do MinC. Se alguém não concorda, que apure e se manifeste. Não precisa trucidar quem está do outro lado.

Chico Anysio foi e será sempre o Rei da Comédia, como Pelé é do futebol e Roberto Carlos da canção popular. Aqui, o clichê é exato e irresistível: o mundo vai ficar mais triste sem ele.

(*) Pé bibliográfico e adendos por Pedro Alexandre Sanches:

a) Este texto de Cacá Diegues, informadíssimo sobre os trâmites internos do MinC Buarque de Hollanda, foi publicado originalmente na edição de hoje do jornal carioca “O Globo”. FAROFAFÁ o pirateia porque trata-se, até agora, do único documento pró-Ana de Hollanda e único modo que encontramos de ouvir o chamado “outro lado”, a turma que hoje pilota o MinC. Se se sentirem pirateados, que nos processem a Globo, o Cacá, o MinC, a Dilma. Se são realmente a favor da liberdade de expressão que tanto propalam em público, não nos processem.

b) Pô, Cacá, FAROFAFÁ dá crédito (em creative commons) a você! Por que você não dá crédito (em copyright) a FAROFAFÁ? (Aliás, por que a faxina na imagem do Ecad e o Ecad não aparecem no texto de Cacá entre as realizações de Ana?)

c) O chamado “outro lado” insiste em não dialogar. Do mesmo modo, “O Globo”, o “Estado”, a “Folha”, Cacá etc. insistem em não repercutir as denúncias de FAROFAFÁ contra o MinC da pobre Ana de Hollanda, de quase duas semanas atrás. Sendo assim, abrimos nossos canais e convidamos publicamente qualquer integrante da gestão Juca-Gilberto Gil (outra figura estranhamente ausente do texto de Cacá) para assinar, aqui neste site independente, um texto de justificativa e defesa do MinC “autoritário” de Juca, Gil e Lula atacado no texto acima. Gil? Juca? Alfredo Manevy? Quem? Alguém se habilita?

d) O texto do autor não foi modificado em uma vírgula por FAROFAFÁ. Só tomamos a liberdade zombeteira de fazer duas pequenas intervenções (dois samples, para não dizer que não falamos de música?) no título de Cacá (e/ou do Globo): colocamos letras iniciais maiúsculas nas palavras “cultura” e “povo”. Sentimos saudades lancinantes de Glauber Rocha.

Siga o FAROFAFÁ no Twitter
Conheça nossa página no Facebook

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome