óleo “passing”, de alex katz (1962)

O hábito não faz o monge, diz o velho deitado.
À mulher de César não basta ser séria, tem de parecer séria, dizia outro velho deitado, o orador romano Cícero.
Mas, no Congresso Nacional, pensa-se que é ainda melhor parecer do que ser.
No início desta tarde, a Mesa Diretora do Senado Federal rejeitou proposta do senador Gerson Camata (PMDB-ES) que desobrigaria funcionários e parlamentares da Câmara e do Senado de usar terno (paletó e gravata) no Congresso.
“Num país tropical como o Brasil, por que é que nós temos de nos vestir com traje europeu?”, indagou o senador Camata em seu pronunciamento.
Após a decisão, o senador saiu contrariado. “A dignidade da Casa não pode dispensar o paletó”, resmungou.
É um velho embate esse entre o decoro e a decoração.
Em junho do ano passado, o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), indeferiu o pedido de liminar do deputado federal Edigar Mão Branca (PV-BA), que pretendia garantir judicialmente o direito de usar seu chapéu de couro no plenário da Câmara.
Um senador , Gilvam Borges, ficou famoso por usar sandálias no Congresso, embora essas também fossem proibidas. E teve o caso das famosas alpercatas, que me parece um certo senador Suassuna também usou, mas não sei se foi o Ney.
Segundo a Agência Senado, a idéia de abolir o paletó e gravata, proposta por Gerson Camata, teria se originado em decisão da Organização das Nações Unidas (ONU), que em julho autorizou seus funcionários de Nova York a usarem apenas camisa de manga longa, acompanhada de calça social, e ajustou a temperatura do ar-condicionado de 22 º C para 25º C. Segundo o senador, a iniciativa resultou numa economia de US$ 100 mil mensais na conta de energia elétrica.
“Segundo Camata, se adotada, a medida não só representaria economia de gastos públicos, mas também diminuição de emissões de carbono na atmosfera. Ele observou ainda que, no caso das mulheres – e citou especificamente as senadoras -, já há liberdade de vestimenta”, informa ainda a reportagem da Agência Senado.

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome