mas, ei, por falar em charles, diana, imperial (como temos feito na janela vermelha abaixo, e também alhures)… e o bispo chantagista, hein? os leitores da “folha” alvoroçaram geral hoje, mas eu estou mais é adorando a polemiquinha lançada por um padre-leitor, alguém prestou atenção? só recapitulando, é mais ou menos assim:

1, ontem, escreve o pároco-leitor:

Dom Cappio
“Há grande confusão sobre o direito à greve de fome de dom Luiz Cappio. Altas eminências do Vaticano e da CNBB alegam que isso vai contra os princípios cristãos. Então como justificar a opção de Jesus pela própria morte? E como legitimar o sacrifício de tantos mártires da Igreja Católica?

Uma coisa é o suicídio, geralmente irracional e imoral; outra coisa é o martírio, merecedor até de culto e de canonização.”
OTTO DANA, pároco da igreja de Sant’Ana (Rio Claro, SP)

2, hoje, em resposta, um leitor detecta brilhantemente (em minha opinião) o desatino do padre-leitor (e arranha de raspão a chantagem emocional do bispo suicida):

“Diferentemente do que disse o padre Otto Dana ontem nesta seção, não há nenhuma diferença de mérito no caso da greve de fome do bispo Cappio. É muito contorcionismo mental dizer que um suicida é irracional e imoral, enquanto o bispo seria um mártir.
Uma pessoa que se mata é um suicida. Suas razões dizem respeito somente a ela, mas um Estado não pode se render a uma chantagem.”
JOSÉ CLÁUVER DE AGUIAR JÚNIOR (Macaé, RJ)

3, também hoje, outro leitor, aparentemente afinado com a “indignação”-sabatella e o sensacionalismo-mídia, põe o imbroglio na conta do “governo” (enquanto “agressor”) e do “povo” (enquanto “vítima”), só para variar:

“No ‘Painel do Leitor’ de ontem, o senhor Otto Dana, pároco em Rio Claro, em poucas palavras apresentou argumentos inquestionáveis na defesa da greve de fome do nosso querido dom Luiz Cappio, mostrando que martírio não é suicídio. Alguns setores da sociedade organizada já se movimentam para imitá-lo, ampliando assim o protesto contra essa obra descabida.

Se dom Luiz morrer, o que não desejamos, não tenhamos dúvidas de que será mais uma alma sacrificada na defesa do povo pobre do sertão nordestino.”
HÉLIO PEIXOTO (São Paulo, SP)

mas o que é que eu estou adorando nesta polêmica tipo nau dos desatinados? é que hoje, em pleno 2007(quase-8), podemos celebrar o fato de já possuirmos, entre outras mirabolâncias,:

a, bispo católico suicida,

b, pároco católico que solicita (prematuramente, diria eu, já que o peru natalino robertocarlista ainda não chegou à véspera fatídica) o “culto” e a “canonização” de bispo católico chantagista-suicida,

c, padre (e não-padre) enrodilhado em contorcionismos circenses-verbais para dizer que o suicida não é suicida (afinal, suicídio é “pecado”, né?…),

d, preencha você mesma(o),

e, e até gente “avisando” que em breve vai haver suicídio em massa no brasil (!!!), com aquiescência e incentivo de bispo católico (!!!!) e da igreja apostólica romana (!!!!!).

dentro destas surpreendente gaiola de desatinado(a)s, o que eu mais faço é torcer fervorosamente para que, após os padres que defendem o suicídio não-suicida, comecem a surgir padres que defendam a homossexualidade não-homossexual (afinal, ser-gay também é “pecado”, não é mesmo?, assim como usar camisinha para não ter doenças sexualmente transmissíveis nem filhos indesejados nem abortos prenhes de culpa & dor).

ufs, que dá até vontade de plagiar o simão! minha santa periquita do nonsense doido!! o papa veste prada!!! a bênção, sr(a). 2007 do arco-da-diaba!!

(p.s.: quem escrevinha as linhas “blasfemas” acima é este que vos fala, um católico batizado e educado de acordo com as leis doidonas do catolicismo, que detesta as luzinhas multicoloridas que se acendem nesta época do ano em “homenagem” e “comemoração” a um cara martirizado-ensangüentado-pregado-numa-cruz e que já foi -e continua sendo, constantemente, diariamente – muito cruelmente maltratado e humilhado pelo “saco de bondades” – com “bondades” assim, quem precisa de “maldades”? – do catolicismo. xô, satanás!, sai do armário, diabo!)

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome