Uma breve lista de carolinas, para cantarmos com chicos & os novos caetanos algumas das canções mais lindas deste nosso Brasil cheio de moças & moços de olhos tristes.

1969 Caetano Veloso1. Caetano Veloso, “Carolina” (1969) – gravada entre o desterro na Bahia e o exílio em Londres, a versão caetânica que o autor Chico não sabia se gostava ou detestava.

2. Luiz Wanderley, “Carolina” (1960) – de um tal Cláudio Paraíba e um tal João Barone (seria parente do nosso querido Paralama?), as pernas finas forrock’n’roll do genial (e esquecido) alagoano Wanderley.

3. Roberto Leal, “As Pernas da Carolina” (1972) – houve controvérsias: “Não são grossas nem são finas”.

4. Luiz Gonzaga, “O Cheiro da Carolina” (1956) – diz o ídolo de todos nós (inclusive de Chico): “Hum, hum, hum”.

5. Dominguinhos, ” O Cheiro da Carolina”/ “O Xote das Meninas” (1975) – discípulo de Gonzagão e futuro parceiro de Chico, Dominguinhos sanfoneia acompanhado de coral feminino.

6. Trio Mossoró, “O Tricô da Carolina” (1965) – uma Carolina sertaneja, do trio potiguar que primeiro gravou o “Carcará” que celebrizaria Maria Bethânia.

7. Os Brazões, “Carolina, Carol Bela” (1969) – a Carolina de Jorge Ben Toquinho (parceiro próximo de Chico), em versão francamente tropicalista.

8. Bebeto, “Menina Carolina” (1981) – êmulo de Jorge Ben, Bebeto mostra que o que é bom nem sempre se cria – e eventualmente pode se transformar em algo tão bom quanto.

9. DJ Marky, “LK (Carolina, Carol Bela)” (2001) – a versão drum’n’bass de Marky para a invenção samba-soul-tropicalista.

10. Jorge Ben Toquinho, “Carolina, Carol Bela” (1969) – a voz dos donos e os donos da voz.

1973 Grupo Capote no Forrock11. Grupo Capote, “Carolina Vai, Carolina Vem” (1973) – Carolina forrock, pelo grupo de Odair Cabeça de Poeta.

12. Achados & Perdidos, “Eu e a Carolina” (1974) – Carolina glam rock, quando os Secos & Molhados davam as cartas no pop nacional.

13. Elizeth Cardoso, “Carolina” (1968) – dona Elizeth, apaixonada pelo moço dos olhos tristes.

14. Nara Leão, “Carolina” (1967) – a moça que fazia a banda tocar, apaixonada pelo moço que via a banda passar.

1969 Luiz Wanderley15. Luiz Wanderley, “O Cheiro da Carolina” (1969) – Luiz (Wanderley) revisita Luiz (Gonzaga) em tempo de samba, forró, forrock, samba-jazz e samba-rock – como nós pudemos nos esquecer desse cara?

16. Seu Jorge, “Carolina” (2001) – samba-rock e a Carolina da Carolina da Carolina, “para todas as Carolinas do meu Brasil varonil”.

17. Nazaré Pereira, “O Cheiro da Carolina” (1978) – uma Carolina amazônica, acreana, paraense, exilada, desterrada.

18. Só Preto sem Preconceito, “Carolina Meu Bem” (1992) – Carolina preta – sem preconceito (mas com forte carga machista, pois não?).

19. Xangô da Mangueira, “Carolina Meu Bem” (1975) – a versão de autor (masculino) para o canto (feminino) de trabalho…

20. Ana Carolina, “Joana” (2001) – Carolina, digo, Joana “tem uma cara esquisita”, “tem uma risada careta e maldita”, “é meio problemática”… “Olha, eu detesto Joana!”, confessa Ana Rita Joana Iracema e Carolina – e pano rápido!

21. Nara Leão, “A Banda” (1966) – seria ela, Carolina, a moça que ficava à toa na vida à janela à espera – e não via o tempo passar?

1968 Nara Leão22. Nara Leão, “Lindoneia” (1968) – Lindoneia, de Gilberto Gil & Caetano, “cor parda” & o arranjo de Rogério Duprat – a prima “feia” de Carolina?

23. Chico Buarque, “Essa Moça Tá Diferente” (1970) – Carolina: mudou?

24. Chico Buarque, “Carolina” (1968) – o dono da bola, e a bola do dono.

 

 

 

 

 

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA REPOSTA

Por favor, deixe seu comentário
Por favor, entre seu nome